Menu
Busca quarta, 22 de maio de 2019
(67) 9860-3221
MUDANÇAS

Saúde de Dourados entra em estado de emergência

26 outubro 2017 - 10h29

Uma reunião realizada na tarde desta quarta-feira (25) no gabinete da prefeita Délia Razuk deu início a um plano de ação para buscar o reequilíbrio financeiro da saúde em Dourados, especificamente no setor hospitalar. O município, a exemplo de outros no país, enfrenta uma grave crise e a determinação da prefeita para sua equipe técnica é que se promovam estudos para readequar esse processo, evitando prejuízos maiores à população local.

Como referência e polo regional na saúde, Dourados atende hoje 32 municípios na média e alta complexidade, ou seja, na rede hospitalar, tanto através da UPA quanto do Hospital da Vida. O SUS (Sistema Único de Saúde) tem uma tabela de repasses que não é alterada desde o ano passado e que, consequentemente, não atende à demanda. O município de Dourados, com orçamento local, tem suprido essa necessidade, mas chegou ao limite.

Como relatou o diretor presidente da Funsaud (Fundação de Serviços de Saúde de Dourados), Américo Monteiro Salgado Júnior, a prefeita Délia Razuk tem utilizado meios diversos e não tem medido esforços para manter a UPA e o Hospital da Vida, que é uma conquista da população douradense. Porém, segundo ele, “a situação está crítica e estamos realmente em estado de emergência financeira”.

Délia afirmou que mesmo diante dessa situação de dificuldade ela vai cumprir os compromissos firmados com a população. Ela garantiu durante a reunião que não vai fechar hospital e nem acabar com a Funsaud.

"Nós estamos reunidos aqui para buscar soluções que possam melhorar o que temos hoje e com isso procurar oferecer um atendimento cada vez melhor às pessoas”, ressaltou a prefeita.

A dentista Maria Piva, da Secretaria de Saúde de Dourados, estará à frente de uma das ações, que é a revisão do PPI (Programação de Pactuada e Integrada). A PPI é quem define a programação das ações de saúde em cada região e norteia a alocação dos recursos financeiros a partir de critérios e parâmetros pactuados entre os gestores, para garantia de acesso da população aos serviços de saúde.

Délia pediu esse levantamento, cuja previsão de conclusão é de até 60 dias, para não colocar a população de Dourados em prejuízo por conta do benefício a outros municípios. Para os técnicos que participaram da reunião não há como deixar de atender pacientes de outras localidades pactuadas, mas os douradenses não podem ser penalizados por isso e nem a prefeitura tem como bancar com recursos próprios esses atendimentos.

O secretário municipal de Saúde Renato Vidigal também participou da reunião e garantiu à prefeita que sua equipe vai concentrar esforços nesta questão, que é de fundamental importância para toda a região; adiantou que outras reuniões como a que aconteceu nesta quarta serão realizadas e medidas serão tomadas para que seja possível esse equilíbrio financeiro no setor, evitando um colapso.
 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Sabrina Sato posa em ensaio de moda praia: "de boa já com o biquíni"
NOVA ANDRADINA
Polícia fecha "boca de fumo" chefiada por adolescente de 17 anos
PGR
Procurador de Mato Grosso do Sul disputa sucessão de Raquel Dodge
ENERGIA ELÉTRICA
Aneel reajusta valor das bandeiras tarifárias; maior é de 50% na amarela
PANTANAL
Empresários realizam encontro da pesca em apoio a cota zero
BRASIL
Senado aprova regulamentação da profissão de cuidador de idosos
CRIME AMBIENTAL
Paranaense é autuado em R$ 12 mil por armazenamento de madeira ilegal
CONCURSO
IBGE lança edital com 209 vagas de recenseador e agente censitário
CAPITAL
Travesti é suspeita de matar vendedor de 48 anos com 14 facadas
SELEÇÃO
UEMS abre inscrições para processo seletivo de professores temporários

Mais Lidas

DOURADOS
Presos fazem motim na PED em ala ocupada por membros de facção criminosa
ACIDENTE
Motociclista avança preferencial, colide com outra moto e morre
EDUCAÇÃO
Greve atinge escolas em Dourados e prejudica merenda, inspeção e limpeza
DOURADOS
Jovens são presos tentando arremessar drogas para dentro da Unei