Menu
Busca terça, 18 de junho de 2019
(67) 9860-3221
DOURADOS

Sobrevivente de chacina do Porto Cambira diz que "só pensa em descansar" após condenação de indígenas

11 junho 2019 - 11h56Por Vinicios Araújo e Osvaldo Duarte

Emerson José Gadani, policial civil aposentado após ter sido vítima de atentado que resultou na morte dos agentes Ronilson Magalhães Bartie e Rodrigo Lorenzatto, em 2006 no Porto Cambira, disse ao Dourados News que agora espera poder descansar. 

Os indígenas acusados na chacina foram julgados e condenados na semana passada a penas que, se somadas, acumulam mais de 100 anos. 

“Quero descansar e ter a alegria de dizer que o meu País está mudando. Eu sempre soube que não iria errar os dizeres da bandeira. É ordem e progresso. Hoje eu consigo respirar e jamais esquecerei dos meus amigos, dos nossos bons momentos em plantões, as alegrias e até o nosso momento de dor. Isso não vai ser apagado da minha mente. Deus tem um propósito pra mim, e eu estou inteiramente a disposição dele”, disse. 

Gadani ocupava o cargo na corporação há três meses quando sofreu o atentado. Na semana passada ele esteve em São Paulo testemunhando ao tribunal do júri e, conforme já noticiado pelo Dourados News, enfrentou dificuldades para relatar os fatos ocorridos. 

“Demorou para cair a ficha, foi difícil falar sobre o dia lá. Mas agora a Justiça prevaleceu”, disse. Após o fato, Gadani foi afastado da corporação por prejuízos emocionais e psicológicos provocados pelo trauma da chacina.

O delegado regional da Polícia Civil, Lupércio Degeroni, contou à reportagem que a sentença é uma resposta satisfatória à corporação. Ele destaca que desde o ocorrido, o sentimento entre os colegas de farda era de muita indignação e de receio no trato de ocorrência envolvendo indígenas. 

Degeroni ressaltou que não se trata de indígenas, e sim de criminosos. Na análise dele, o grupo de assassinos manchou a imagem de uma população honesta e trabalhadora. 

Para o advogado que cuidou do caso ao longo desses anos, Maurício Rasslam, a sociedade e suas organizações precisam tomar medidas imediatas para encerrar um ciclo de mortes e violência decorrente às causas indígenas. 

“Dourados não aguenta mais, o Mato Grosso do Sul não aguenta mais. Basta! A sociedade precisa tomar uma atitude e por fim a tudo isso. Não dá para esperar o Estado ou a União fazer algo. A gente não aguenta mais tanta violência contra pessoas, seja ela indígena ou não”, disse. 

Rasslam comentou também o fato de não ter sido intimado. Segundo ele, ao descobrir a audiência, realizada no TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) em São Paulo, solicitou via vídeo-conferência medida de ordem e explicou à juíza o fato. 

Ela solicitou um acordo, ao qual aguardaria a chegada dele a São Paulo para impedir que o processo fosse interrompido. A medida foi aceita, logo sob a justificativa dos gastos realizados pela união para andamento do processo. 

“Hoje precisamos nos posicionar. Se não houver mudança mais mortes vão acontecer”, disse.

O JULGAMENTO

Os indígenas Paulino Lopes, Jair Aquino Fernandes, Ezequiel Valensuela e Lindomar Brites de Oliveira foram condenados a prisão em regime semiaberto pela morte dos policiais civis Ronilson Magalhães Bartie, Rodrigo Lorenzatto e a tentativa de homicídio a Emerson Gadani, no ataque conhecido como “Chacina de Porto Cambira”, registrado em Dourados em 2006.

O quinto réu, Carlito de Oliveira, apontado como líder do bando, foi absolvido pelo tribunal do júri. A justificativa para a absolvição é particular do júri, mas na análise do advogado de acusação, o tribunal se apoiou na idade já avançada do réu e também o estado de saúde já debilitado. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DIA 24
Luiza Brunet será empossada embaixadora do Mãos EmPENHAdas
RURAL
Plano Safra terá R$ 225,59 bilhões em créditos para agricultores
CAMPO GRANDE
Mulher vai ao salão de beleza e quando sai encontra veículo incendiado
POLÍTICA
Senado aprova parecer que pede suspensão dos decretos das armas
CAPITAL
Bebê pode ser a 2ª vítima de gripe em menos de 24 horas em MS
FUTEBOL
Peru vence e assume a liderança do grupo do Brasil na Copa América
JUDICIÁRIO
Procuradores definem lista tríplice para sucessão de Dodge na PGR
AQUIDAUANA
Polícia prende nove suspeitos de furtar 100 quilos de cocaína em delegacia
ECONOMIA
Portaria amplia autorização para trabalho aos domingos e feriados
RIO BRILHANTE
Traficante foge ao ver abordagem e abandona mais de 350kg de maconha

Mais Lidas

AQUIDAUANA
Douradense desaparece nas águas do rio Aquidauana durante banho
PARAGUAI
Motim termina com 10 mortos e presos queimados e decapitados
DOURADOS
Perseguição na Coronel Ponciano termina com homem preso e apreensão de mais de 700kg de maconha
MASSACRE EM SAN PEDRO
Ministro paraguaio promete expulsar membros do PCC após motim com 10 mortos