Menu
Busca sexta, 28 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221
DOURADOS

Processante de Junior Rodrigues tem 10 dias para emitir parecer sobre arquivamento ou cassação

21 agosto 2019 - 10h57Por André Bento

A comissão processante instaurada na Câmara de Dourados para apurar denúncia de quebra do decoro parlamentar por parte do vereador Junior Rodrigues (PR) tem 10 dias para apresentar o parecer sobre arquivamento do caso ou cassação do parlamentar. Apesar da recente troca na presidência do grupo, o prazo de 90 dias estabelecido no final de maio foi mantido.

Sorteada presidente dessa processante durante a sessão ordinária de segunda-feira (19), a vereadora Daniela Hall (PSD) ainda não teve tempo para estudar os autos, conforme revelou ao Dourados News sua assessoria. Ela substituiu Marcelo Mourão (PRP), que deixou a Casa de Leis porque era suplente de Cirilo Ramão (MDB).

Com prazo final para apresentação de parecer no próximo dia 31 de agosto, a comissão criada no final de maio tem os vereadores Silas Zanata (Cidadania) na relatoria e Olavo Sul (Patriota) na condição de membro.

Essa processante foi aberta porque Junior Rodrigues, ex-líder da prefeita Délia Razuk (sem partido) no Legislativo, foi alvo de denúncia na Câmara de Dourados em 20 de maio por crime de responsabilidade político-administrativo. Ele foi acusado de suposto envolvimento em possível fraude numa dispensa de licitação que contratou lavanderia voltada à prestação de serviços para a Funsaud (Fundação de Serviços de Saúde de Dourados).

Levada à Casa de Leis pela advogada e ex-vereadora Virgínia Marta Magrini, a denúncia foi embasada em análise técnica da CGU (Controladoria Geral da União) que revelou vínculo entre pessoas ligadas diretamente ao parlamentar e funcionários da Lavanderia Global Serv.

Procurado pelo Dourados News na manhã desta quarta-feira (21) para comentar, o vereador Junior Rodrigues disse estar tranquilo. “Tem que ver como a comissão vai fazer, porque Daniela não acompanhou as oitivas, vamos aguardar eles se reunirem”, pontuou.

“Estou bem tranquilo, independente da decisão, porque durante todo o trâmite em nenhum momento teve qualquer indício de envolvimento meu nessa questão. Tudo foi questão matérias jornalísticas, e até hoje eu sequer fui indiciado ou intimado. Me coloquei à disposição do Ministério Público Estadual e do Ministério Público Federal e nunca fui chamado. Então estou tranquilo e agora é aguardar. Se der continuidade vamos para a sessão de julgamento”, afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FRONTEIRA
Comerciante escapa da morte após ser atacado por pistoleiros
LINHA INTERNACIONAL
Moto furtada em Antônio João é encontrada horas depois em Ponta Porã
CASA VERDE
Foragido da justiça é preso em distrito de Nova Andradina
CORONAVÍRUS
Oito casos são investigados em Campo Grande
6 DE MARÇO
Ação alusiva ao Dia Internacional da Mulher terá homenagens e palestras
SÁUDE & BEM - ESTAR
Você sabe o que é a Atenção Primária a Saúde?
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Coronavírus: governo tenta evitar escassez de equipamento de segurança
FÁTIMA DO SUL
Vigilante condenado em São Paulo por estupro acaba preso em MS
Agronegócio
Em MS, colheita da soja tem atraso de 36% e plantio do milho de 27%
VAGAS EM DOURADOS
Edital abre oportunidades com bolsas no valor de R$ 4 mil

Mais Lidas

MEIO AMBIENTE
Proprietário de rancho é autuado por pescar em rio durante a piracema
PARQUE DO LAGO
Ladrões usam carro para estourar porta de mercado e fogem com cofre; veja vídeo
PONTA PORÃ
Estado monitora caso suspeito de Coronavírus na fronteira
DOURADOS
Dupla dispara, mata jovem e deixa outro ferido no Jardim Independência