Menu
Busca domingo, 25 de fevereiro de 2018
(67) 9860-3221

PM prende ladrão de supermercado em Dourados

05 dezembro 2003 - 10h37

Ontem por volta das 17h40 uma equipe da polícia militar, em roda pela rua Eulália Pires, esquina com avenida Joaquim Teixeira Alves, encontrou em atitude suspeita um elemento, que foi identificado como Eduardo Luiz Hermes de 24 anos. Em poder do homem uma sacola com muitos produtos de supermercado em seu interior. Eduardo inicialmente disse que tinha feito compras. O que chamou a atenção que a mercadoria não estava acondicionada em sacolas de mercado. Pó esse detalhe é que os policiais “apertaram” e Eduardo acabou confessando ter roubado a mercadoria em dois supermercados de Dourados.Um dos mercados preferiu na registrar queixa, enquanto que outro, o BIG-BOM reconheceu mercadoria em poder do ladrão como sendo tirada de sua loja. Eduardo foi levado para o 1º DP onde foi autuado em flagrante por roubo, ele que, havia saído do presídio há pouco tempo, onde cumpre pena por tráfico e furto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAUUUU!!
Débora Oliver faz cliques quentes para o Diamond Brazil
ASSEMBLEIA
Seminário sobre regularização fundiária urbana é o destaque da semana
LOTERIA
Apostas para a Dupla de Páscoa já podem ser feitas
PM E BOMBEIROS
ACS elege novo presidente em MS
ESTADO
Começa em abril inventário de plantas e solo do Cerrado de Mato Grosso do Sul
Veículos roubados que seriam levados para o Paraguai são recuperados
BRASIL
Conta-salário poderá ser transferida para instituições não financeiras
RECOMENDAÇÃO
Prefeito vai revogar doação de área a Arquidiocese de Campo Grande
MS/PR
Assaltantes se escondem em pântano e acabam presos
ESTADUAL
Federação adia fim da primeira fase após ajuste de tabela

Mais Lidas

NOVO HORIZONTE
Foragido da Justiça é preso após trocar tiros com policiais em Dourados
WILLIAM DENTE PODRE
Ladrão baleado após atirar contra a polícia morre em hospital
DOURADOS
Idoso morre ao ser atropelado na Monte Alegre
FÁTIMA DO SUL
População faz protesto e pedem Justiça no caso Débora