Menu
Busca quarta, 15 de agosto de 2018
(67) 9860-3221
ENTREVISTA

Paternidade: qual a sua real importância?

12 agosto 2018 - 09h00Por Vinicios Araújo

O Dia dos Pais chegou e o Dourados News fez questão de saber de fato qual a importância da figura paterna para o desenvolvimento infantil aos olhos da psicanálise, ciência dedicada a análise e estudo das experiências do inconsciente humano por meio de métodos terapêuticos. 

Para isso entrevistamos a psicóloga douradense Vanessa Figueiredo que nos mostrou quais os impactos da ausência paterna na educação da criança. Confira!

Definição 

“Aos olhos da psicanálise a metáfora paterna é a transmissão da lei, que acontece por meio da linguagem, das palavras que dizemos ao bebê antes mesmo deste nascer, já falamos do sujeito, do filho, já o imaginamos”, define a psicanalista.

Ela ressalta que, sendo transmitida pela linguagem, a paternidade toma o caráter de função, podendo ser executada por qualquer pessoa. Essa "função" paterna, de acordo com Vanessa, não está ligada exclusivamente com a imagem masculina, e pode ser exercida por qualquer membro da família, ou pessoa que tenha laço com a criança.  

“Não é necessariamente pela figura do homem que isso é cumprido, até porque é necessário o desejo da mãe para que isso seja realizado, desejo que esse bebê vire um sujeito desejante”, explica a especialista. 

“A paternidade tem a função de estabelecer a lei. São basicamente as regrinhas que vamos ensinando a criança a respeito de educação e convivência em sociedade. Dentro disso podemos destacar o que pode e o que não pode fazer, o que deve e o que não deve comer, como se comportar com os coleguinhas na creche, como deve ser a relação com o professor, como lidar com as diferenças sociais, ou seja, tudo o que está relacionado a um regimento determinado”, disse Vanessa.

Para a especialista, a ausência da figura paterna pode desencadear no desenvolvimento da criança um caráter corrompido. 

“Pessoas que cresceram sem limites, que não tiveram um lei imposta ainda quando eram crianças e que não foram ensinadas a como se portar no meio social tendem a despertar em sua personalidade um caráter impulsivo, violento, inconsequente e por aí vai. O que nós precisamos ressaltar é que a paternidade funciona como um eixo de equilíbrio entre o impulso e a razão”, afirmou a terapêuta.

Principais impactos da ausência paterna

Além do que já foi citado acima, a ausência da paternidade, segundo estudos da psicanálise, pode ocasionar alguns impactos indesejados na trajetória de vida do sujeito. Entre eles:

• insegurança, que se revela em vários momentos da vida;

• sentimento de abandono;

• incapacidade de desenvolver habilidades essenciais para a convivência social;

• comprometimento na saúde;

• tendência a vícios e compulsividades;

• dificuldade de se relacionar;

• sentimento de incapacidade ao tornar-se pai.

Além disso, uma pesquisa do psicólogo americano Bruce Ellis revelou que a ausência paterna pode também influenciar no amadurecimento sexual das meninas mais rápido. Em seu estudo, Ellis observou 173 garotas desde a idade pré-escolar até a sétima série, tendo percebido que aquelas que conviviam satisfatoriamente com os pais durante os cinco primeiros anos de vida entraram na puberdade mais tarde.

Acovardamento masculino

Como citado acima, a figura paterna pode muitas vezes não estar diretamente relacionada à imagem masculina, sendo substituída pela mãe, por avós ou outras referências para a criança. 

A psicanalista Vanessa Figueiredo ressaltou que atualmente, é comum que o gênero masculino dispense a responsabilidade de exercer a paternidade sobre o filho. E isso ocorre até mesmo com pai presente na casa. 

“Na verdade a função paterna é transmitida através da linguagem. Se o sujeito tem a palavra, a determinação, isso tudo é a função paterna, seja a mãe, a avó, a babá, a professora, etc...”, afirmou. 

A terapêuta destaca que atualmente os padrões de família são diversos, podendo então definir esse grupo como “uma organização unida por amor”.

Identidade sem registro paterno

De acordo com o último senso de escolaridade do Conselho Nacional de Justiça, 5,5 milhões de crianças brasileiras não possuem o nome do pai na certidão de nascimento. Em Mato Grosso do Sul, o número registrado foi de 53.741 alunos com espaço ‘paternidade’ da Certidão de Nascimento em branco.

Diante dessa realidade, em 2015 o CNJ desempenhou uma mobilização nacional através do programa Pai Presente para garantir o registro espontâneo de paternidade nos documentos infantis. Na época, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul registrou 862 reconhecimentos da função. 

“Nesse dia dos pais é preciso parabenizar muito além dos homens de fato. Essa data precisa ser voltada a quem desempenha o compromisso de ensino, correção, provisão na vida da criança, que a instrui para a vida. Seja a figura o pai, a mãe, ou qualquer outra referência. O importante é formarmos uma geração paternalizada”, concluiu Vanessa. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROBÓTICA SESI
Clube de Robótica do Sesi prepara crianças para profissões do futuro
AUSTERIDADE
Novo presidente do Paraguai promete combater a impunidade
LAVA JATO
Moro adia interrogatório de Lula no processo envolvendo o sítio de Atibaia
RIBAS DO RIO PARDO
PMA autua empresa pecuarista em R$ 21 mil por exploração ilegal de madeira
GUERRERO NO INTER
Guerrero agradece recepção e sonha com títulos no Inter
16º IINTERDISTRITAL
Funed retorna domingo com mais uma rodada da competição
PRÉ-JOGRAN
Mesa redonda prepara estudantes de Odontologia para Jornada Acadêmica
BRASIL
Sancionada lei que regulamenta uso de dados pessoais
MÉTODO SUPERA
Bem-estar psicológico no processo de envelhecimento normal
SAÚDE
Idosos devem praticar atividades físicas de forma moderada

Mais Lidas

DOURADOS
Polícia não descarta crime passional em caso de cabeleireiro morto a facadas
DOURADOS
Motociclista invade a contramão e executa homem no Piratininga
DOURADOS
Homem é encontrado morto dentro de veículo estacionado em acostamento
DOURADOS
Casal é preso por tráfico no João Paulo II após denúncia de populares