Menu
Busca quinta, 23 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221
DOURADOS

Coordenadora de Ceim é exonerada e pais fazem abaixo-assinado para tentar mantê-la

16 julho 2019 - 10h27Por Vinicios Araújo

Um grupo de pais de alunos do Ceim (Centro de Educação Infantil Municipal) Professora Zeli Da Silva Ramos, localizado no Jardim Monte Carlo, está realizado um abaixo-assinado para que as secretarias de Educação e Administração mantenham o cargo da coordenadora Sueli de Souza do Carmo Rosa, exonerada na segunda-feira (15/7) via telefone, um dia antes das aulas iniciarem.

De acordo com a moradora Nathalia Luiza Soares Honorato, que tem filho de 2 anos estudante na unidade, a profissional transformou o local implementando projeto pedagógico e fortalecendo a inclusão dos pais na rotina educacional dos filhos. 

“Antes funcionava só como centro de recreação, para as crianças ficarem lá e pronto. Depois que ela entrou, implementou um plano pedagógico, fez parcerias com universidades, visitas com as crianças ao horto e museu, estimulou a fundação da Associação de Pais e Mestres (APM), fez movimentos para arrecadar dinheiro para investimentos, inclusive uma rifa na páscoa para instalação de ar condicionado nas salas. Depois que ela entrou formamos uma verdadeira comunidade”, disse a mãe. 

Conforme a contribuinte, a educação oferecida no Ceim ficou melhor que escola particular. “Os pais ficaram mais participativos e muitas vezes ela tirava dinheiro do próprio bolso para investir no Ceim. O plano pedagógico dela nos deu ciência sobre a educação dos nossos filhos, conseguindo avaliar o desenvolvimento de crianças de 2 anos”, disse. 

Ela teme que medida seja influenciada por fatores políticos, considerando o processo eleitoral que se aproxima. “Não quero prejulgar a nova coordenadora, ela pode ser boa também, mas porque mudar o que está dando certo? Por que trocar o que promoveu tantas melhorias?”, questiona.

O presidente da APM, Flávio Aparecido Beretta, pai de um dos alunos da creche, disse à reportagem que a unidade vivia abandonada, tanto pela coordenação anterior quanto pela administração pública. Ele destaca que o principal impacto da profissional exigida, foi a inclusão e cativação dos pais nas necessidades educacionais dos filhos. 

“Ali sempre foi abandonado. No pouco período que ela ficou promoveu muita melhoria. Os pais se unirem neste ato de reivindicação é resultado do trabalho dela. Ela assumiu a responsabilidade e trouxe os pais para participarem da rotina do Ceim. Cativou o pessoal para estar junto e incentivou atividades dentro do Ceim agregando as famílias. Nossa comunidade chegou a realizar reformas e mutirões juntos. Temos esperança de conseguir sucesso, mas sabemos que estamos refém do poder público”, disse. 

A expectativa é colher 130 assinaturas no período de entrada e saída dos alunos no matutino e vespertino. 

A reportagem conversou com Sueli e ela relatou não imaginar a repercussão do caso. Disse também não querer prejudicar a próxima coordenadora, mas não deixou de lamentar a exoneração. 

“Meio político tem todas essas nuances e coordenação de Ceim é cargo de indicação. Ontem eu estava na rua comprando lâmpadas para o Ceim e o RH me ligou dizendo que não precisava mais ir, que outra coordenadora seria colocada. Fiquei triste, achei a forma de demissão totalmente sem ética profissional, sem dignidade. Não teve nenhuma justificativa, apenas que ‘veio de cima'. Mas, fazer o que. Sei que não sou a primeira e nem serei a última’’, disse. 

Ela foi contratada em março deste ano com validade até 28/06. No dia 01/07 foi recontratada até o final do ano letivo. Durante o período que esteve à frente do Ceim, a profissional se dividia entre ser gestora, pedagoga e “pedreira”. 

“Fizemos muitas reformas, metendo a mão na massa mesmo. Achei louvável a extensão do contrato sem o intervalo das férias porque tivemos tempo de organizar e preparar toda escola. Reformamos, pintamos, trouxemos de volta aquela vida de cores para a salas. Consegui passar a minha inspiração pela educação, trouxe os pais para perto e mesmo que eu não volte me sinto recompensada por tudo o que vivi. Acrescentou muito ao meu currículo”, disse. 

OUTRO LADO

O Dourados News entrou em contato com o secretário municipal de Educação Upiran Gonçalves para tentar entender as motivações da medida e se o abaixo-assinado sensibilizaria o poder público para o clamor dos contribuintes. Ele disse que a ação é de cunho administrativo e que a gestão não deve satisfações para os pais dos alunos. 

Novamente questionado, sendo relembrado que a unidade educacional pertence ao poder público, dessa forma tendo como principal mantenedor a comunidade douradense, Upiran voltou a falar que “está decidido desta forma e será assim”. 

“É decisão da administração, uma reforma que se entendeu necessária. A medida é um ato discricionário do Governo e a gestão pode fazer isso de acordo com a sua conveniência. Se administração resolve fazer ela faz. A gestão não tem que dar satisfação a pai de aluno. É uma decisão de cunho administrativo”, disse. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

EM MIRANDA
Ação conjunta apreende 8,7 kg de cocaína na região Noroeste de MS
BRASIL
Aumenta número de afetados pela chuva no Espírito Santo
MS
Saúde convoca hospitais privados para orientar sobre dengue, zika e chikungunya
TRÁFICO
‘Espaço de lazer’ em Dourados era usado para guardar drogas e abrigar fugitivos
DOURADOS
Dois são presos em Itahum por tráfico de drogas e suspeita de furtos
ESTADO
MP vai à Justiça para barra porto na fronteira de MS
BRASIL
Arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhões em 2019
BRASIL
Mantida prisão de denunciado por ocultar armas pertencentes a acusado de assassinar vereadora Marielle Franco
POLÍCIA
Suspeito de vários crimes morre em confronto com a Força Tática
DOURADOS
UFGD anuncia campanha contra o trote

Mais Lidas

UFGD
Aluna branca aprovada em Medicina como indígena aponta engano na inscrição
VILA ROSA
Homem morre após ser atingido por facada no pescoço em bairro de Dourados
EMPREGO
Empresa abre 136 vagas para classificadores de grãos em Dourados e região
CRIME
EXCLUSIVO: Sucessor de Minotauro é trazido para Dourados em meio a crise penitenciária na fronteira