Menu
Busca sábado, 19 de outubro de 2019
(67) 9860-3221
UFGD

Em áudio, ex-deputado ‘confessa’ ter pedido para barrar nomeação de reitor eleito em consulta prévia

25 junho 2019 - 10h37Por Vinicios Araújo

O ex-vereador Wilson Biasotto, pai de Etienne Biasotto, reitor eleito em consulta prévia na UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), divulgou em rede social um áudio que mostra o presidente da Fundação Municipal de Saúde e Administração Hospitalar de Dourados e ex-deputado estadual, Roberto Djalma Barros, afirmando ter recorrido aos senadores Nelsinho Trad (PSD) e Soraya Thronicke (PSL) para impedir a nomeação de Etienne na reitoria da instituição.

Conforme o áudio [OUÇA AO FINAL DESTA MATÉRIA], Djalma teria apresentado postagens em que o ex-vereador critica o presidente Jair Bolsonaro (PSL) como forma de embasar a petição. O áudio aparenta ter sido gravado em abril, um dia depois do MEC (Ministério da Educação) apontar irregularidades na eleição de Etienne na formação de lista tríplice

A eleição para reitor da UFGD gerou vários conflitos entre a instituição e MEC. Atualmente, a Justiça mantém a lista tríplice para reitor anulada. Além disso, o ministro Abraham Weintraub nomeou em caráter interino a professora Mirlene Damázio para ocupar o cargo. Por ela não ter constado na lista encaminhada, a comunidade acadêmica acusa o MEC de intervenção. 

Djalma Barros atualmente ocupa função de assessor na gestão de Délia Razuk (PR). Em nota oficial a prefeita disse que a opinião de Barros é um assunto particular dele e que não teria qualquer concordância com a gestão pública de Dourados. 

“Eu não tenho nada a ver com a opinião dele [Djalma], muito menos a administração municipal. É uma manifestação pessoal, de foro íntimo. Tenho o maior respeito pelo Etienne e pelo Biasotto. São ótimas pessoas, ótimos profissionais. Além do mais, eu não tenho que me manifestar sobre a eleição na UFGD, não tenho voto, não pertenço à universidade”, disse. 

A assessoria do senador Nelsinho Trad disse que o parlamentar nunca esteve com Djalma e que também não mantiveram qualquer tipo de contato sobre a disputa pela reitoria na UFGD. 

A senadora Soraya Thronicke reforçou que o impedimento para a posse de Etienne veio da própria Justiça Federal, e que quem não estiver de acordo com as medidas aplicadas pelo ministério deve recorrer diretamente ao dirigente da pasta Abraham Weintraub. 

“O MPF alegou que o processo de escolha do novo reitor havia desrespeitado a legislação e que a conduta dos professores envolvidos na eleição havia sido “antiética”. O uso do sistema de consulta com voto paritário também foi questionado. Portanto, a decisão foi do Poder Judiciário. Além disso, o MEC também avaliou a eleição como irregular. Os irresignados com a determinação devem recorrer ao poder judiciário e entrar em contato com o MEC para questionar a decisão diretamente com o Ministro Abraham Weintraub”, disse a parlamentar.

OUÇA O ÁUDIO PUBLICADO PELO EX-VEREADOR WILSON BIASOTTO

Deixe seu Comentário

Leia Também

IMPASSE
Representantes da UFGD recorrem à bancada federal para nomeação de reitor
10 MESES
Bombeiros encontram mais um corpo da tragédia em Brumadinho
INVENTÁRIO
Juiz da Capital pode estar ligado a mais um esquema de corrupção
UEMS
Dourados sedia na próxima semana o IV Congresso de Línguas
INTERNACIONAL
Incerteza sobre 4º mandato de Evo marca eleição amanhã na Bolívia
Céuzinho
Jovem sobrevive após cair de altura de 20 metros em cachoeira
JUDICIÁRIO
Gilmar Mendes suspende lei municipal que barrava ensino de gênero
CAPITAL
Aquaplanagem pode ter causado acidente que matou violeiro, diz motorista
UEMS
Semana Técnica de Computação começa segunda-feira em Dourados
CRIMINOSOS
‘Escritório’ da falsificação: Preso tinha contratos com grupo de estelionatários

Mais Lidas

DOURADOS
Motorista bêbado tomba veículo na Joaquim Teixeira Alves
DOURADOS
Além de droga, pente-fino na PED encontrou cachaça, roteador de internet e ‘sky gato’
DOURADOS
Alvo de furtos e abusos no trânsito, avenida passa a ser monitorada por câmeras
PONTA PORÃ
Empresário é executado por pistoleiros na fronteira