26/01/2012 17h08

Mulher fica 19 horas com feto morto dentro do útero em Dourados

 

Nádia Zangirolami
 
Ricardo Alves dos Santos denunciou descaso que esposa sofreu nos atendimentos médicos - Foto: Nádia Zangirolami Ricardo Alves dos Santos denunciou descaso que esposa sofreu nos atendimentos médicos - Foto: Nádia Zangirolami

Ricardo Alves dos Santos denuncia ao site Douradosnews o descaso que sua esposa sofreu nos atendimentos dispensado pelo Centro de Atendimento Médico (CAM) e o Hospital Universitário de Dourados (HU).

O fato

Ricardo, 36 anos, serralheiro, morador no Jardim Ouro Verde; conta que sua esposa, com gravidez de risco foi diagnosticada com eclampsia (pressão alta na gravidez), inchaço e sensação de paralisia nas extremidades. A paciente teve o acompanhamento pelo CAM, mas quando passava mal fora da data dos agendamentos era encaminhada para o HU.

Com vários laudos médicos que apontavam a necessidade de acompanhamento contínuo devido a gravidez de risco, Ricardo mostrou a redação laudos do dia 20/10/2011 e do dia 10/01/2012.

No último dia 10, Ricardo levou a esposa para o HU, após ter vazamento do líquido amniótico, Ivone ficou internada até o dia 12 de janeiro, onde segundo o marido nada foi constatado de anormal no feto. “ Toda vez que Ivone passava mal, os médicos davam remédios e assim que a pressão se normalizava, diziam para que ela voltasse para casa, pois as dores eram normais de uma grávida e o inchaço também. Minha esposa chegou a não querer mais ir ao HU quando passava mal, e afirmou que só voltaria ao hospital quando fosse ganhar o bebê”, disse Ricardo.

“Como o médico não viu o cordão umbilical enrolado?! O médico afirmou que a cabeça do feto estava amassada e que já estava morto há mais de uma semana, e doze dias atrás (10 a 12 de janeiro) minha esposa estava internada no HU”

— Ricardo Alves dos Santos, marido

O parto

Passado doze dias, em 24 de janeiro, às 14h, de acordo com Ricardo, Ivone sentiu dores e foi levada novamente ao HU. Feita a pré-consulta, Ivone fica na sala de espera, mas o médico se recusa a interná-la. Às 19h, do mesmo dia (24), após troca de turno, outro médico a examina e constata a falta dos batimentos cardíacos do feto. Repetido o exame com outro aparelho, com o mesmo resultado.

Ivone realiza o ultrassom diagnosticando a morte do feto. O médico afirma então aos pais que não pode retirar o bebê por parto de cesária, pois poderia comprometer a mãe com várias infecções.

Medicada para indução de parto normal, Ivone é orientada a esperar mais ou menos por três dias para que o parto se realize.

No dia seguinte(25), após dezenove horas, desesperado, Ricardo denuncia o fato ligando para um programa de rádio, via telefone, no pátio do HU. Ao voltar para a sala de espera da pré consulta, sua esposa já estava no centro cirúrgico. Indignado, Ricardo entra no centro cirúrgico e fotografa a retirada do feto com o pescoço enrolado pelo cordão umbilical. Ivone de Oliveira é mãe de dois filhos e foi internada no dia 24 no HU e somente depois de 19 horas tem o feto morto retirado de seu útero. A paciente segue internada, tomando soro e medicamentos.

Indignação

Ricardo disse ao Douradosnews que não se conforma com o descaso. Não sabe se houve negligência ou falta dos exames nas várias internações de sua esposa. “Como o médico não viu o cordão umbilical enrolado?! O médico afirmou que a cabeça do feto estava amassada e que já estava morto há mais de uma semana, e doze dias atrás (10 a 12 de janeiro) minha esposa estava internada no HU”, ressaltou Ricardo.

Óbito

Na certidão consta, às 13h05, do dia 25 de janeiro de 2012, natimorto nº 2.196, gestação de 32 a 36 semanas, tendo como causa da morte: anoxia intra uterino “nó verdadeiro de cordão+circular cervical(02)”, na integra.

A assessoria de imprensa do HU foi notificada e disse a redação do site Douradosnews que apresentará amanhã(27) a posição do hospital.

Mesmo alertando os leitores, o Jornal Dourados News, acatou algumas sugestões, e retirou as fotos que continham cenas chocantes.

(35) Comentários

Restam caracteres. * Obrigatório
Digite as 2 palavras abaixo separadas por um espaço.
 

infelismente essa e as condiçoes do nosso pais no dia de ontem 12/01 2013 minha nora foi ter a pekena vitoria e ficamos sabendo que ela ja nao estava com vida dentro da barriga da sua mae era pra ser nossa felicidade de ver a pekena vitoria conosco mas infelismente ela nao ficou conosco por descuido dos medicos de mongagua pois levei ela com dores no dia 29 de dezembro de 2012 eles mandaram de volta pra casa fikei insistindo sempre e eles mandavam voltar ate que minha neta morreu ficou 1 semana morta no ventre da mae causa da morte anoxiaintrauterina morreu sem oxigenio sem mas fica a dica o mundo jazz do maligno vamos confiar em Deus

 
ednabessa em 13 de janeiro de 2013 às 22:53

com tudo isso com falta de medicamentos importante como tem pessoas q dependem de remédios todos os dias e não tem o medicamento para o mal de parkson mesmo está em falta desde novembro isso é rem.q tem de tomar todos. os dias mas p/carnaval vai ter verba grande p/ms será q não pode ficar sem folia e pode ficar sem medicamentos p/casos graves e onde está as autoridades onde esta a população q não se manifesta.e por favor não esconda o meu comentario.

 
eliane em 28 de janeiro de 2012 às 09:51

Li todos os comentários e concordo com todos. Eu mesmo já presenciei cenas que me chocaram, uma dessas foi quando fui com minha cunhada pra uma consulta, ela ficou tão assustada quando entrou lá dentro que depois preferiu pagar seu parto no HE.Uma dessas cenas que presenciei com ela foi que chegou uma mulher com fortes dores ela se manteve em pé o tempo todo, ofereci minha cadeira a ela e me disse "obrigada moça, mas já estou de pé pois sinto que meu nenem tá pra nascer", aí perguntei por que ela não avisou na recepção, ela me respondeu pediram pra aguardar a ordem de chegada, pelas minhas contas ela era a 5ª da fila.Fui embora com minha cunhada pensando aquela mulher deve ter parido ali mesmo ou vai saber o que aconteceu com ela.Esse caso a gente ficou sabendo e outros que acontecem e nem ficamos sabendo.É o caos.

 
Romilda em 27 de janeiro de 2012 às 22:20

Que vergonha dessa saúde publica!!!!

 
Gleici em 27 de janeiro de 2012 às 11:57

Gente isso é saúde do nosso municipio, é um absurdo o q acontece na nossa cidade......cade o prefeito??? depois quer ser reeleito? fala serio!!!

 
Erisvando coelho dias em 27 de janeiro de 2012 às 10:35

Infelizmente isso vai para o tal do ERRO MEDICO, e ninguem var ser responsavel. Se o Conselho Regionais de Medicina, realmente investigasse seriamente tais erros, muitos medicos ja teriam ficado sem sua licença. Mas estamos no Brasil.

 
Ricardo Camara Galvaõ em 27 de janeiro de 2012 às 09:30

É uma vergonha acontecer um descaso desses em uma cidade de 200 mil habitantes.
Como é triste ver a realidade de uma cidade como Dourados, que recolhe tanto imposto devido à ser um polo produtor de grãos.
Nas comparações de Dourados com outras cidades de mesmo porte, com certeza estamos muito abaixo da nota 0.
Dourados tem que parar de viver esse coronelismo, essa politica suja e de monopólio que cada vez mais está acabando com o povo Douradensse.
O que vou dizer agora não é segredo. Tem muita gente vindo à Dourados para trabalhar e na primeira oportunidade após um sucesso financeiro muda para Campo Grande.
Vejo as pessoas meterem a boca no André Pucinelli, mas acho mesmo é que precisamos daquele Italiano aqui, para mandar e desmandar, pelo menos um arrogante operante seria melhor que os nosso arrogantes inoperantes hoje.
Deixo aqui meu desconforto...

 
Jose em 27 de janeiro de 2012 às 09:04

MEU DEUS... QUE ABSURDO ATE QUANDO VAMOS NUS CALAR DIANTE DESTE ACOUGUE CHAMADO DE HOSPITAL ESTAMOS PRECISANDO REVER EM QUEM ESTAMOS VOTANDO NAS CAMPANHAS POLITICAS SAUDE E PRIORIDADE MAS QUANDO CONSEGUEM SE ELEGER A SAUDE E SO MAIS UM FATO PO SO ESTE MES DOIS CASOS DENUNCIADOS O OUTRO TIRARAM O FETO E EM POUCOS DIAS A MAE FALECEU ISSO INDIGNA CADE O ANDRE QUE DIS QUE E MEDICO CADE O MURILO QUE DIZIA QUE SAUDE ERA TUDO DOURADOS TA VIRANDO UM CIRCO ONDE O QUE ELES FALAM NAO SE TORNA VERDADE SE TORNA PALHACADA PARA GANHAR VOTOS OOOOOWWWWW MINISTERIO PUBLICO ESTAMOS A MERCER NA SAUDE TOMAM PREVIDENCIAS OU POBRE MORRE SE NAO TEM RECURSOS FINANCEIRO
NOSSA SAUDE ESTA PRECARIA ESTAMOS PEDINDO SOCORROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO PELO AMOR DE DEUSSS.....

 
CRISLAINE em 27 de janeiro de 2012 às 08:49

Incrivel.... mas essa é a verdadeira realidade da saude em Dourados. É um descaso total, talvez não pelos medicos que atenderm mas sim pela falta de estrutura para poderem trabalhar. Ou talvez por um conjunto de todas as coisas, só sei que aqui não se pode mais engravidar pois corremos o risco de morrer junto com a criança, não podemos mais ficar doente, pois nao temos atendimento.... um descaso... um descaso... um descaso... e ai fica a pergunta: Até quando????

 
Cidadã Indignada em 27 de janeiro de 2012 às 08:41

Que descaso...falta de amor ao próximo. Alguns médicos ainda acham que apenas examinar o paciente é suficiente, tem suas teorias formadas. Tem que contar pra esse tipo de classe médica que existem aparelhos e exames capazes de diagnosticar problemas. Se isso fosse feito com certeza teriam visto que o bebe estava com o cordão umbilical enrolado ao pescoço e teriam feito a cesarea de imediato. Que lástima profissionais deste tipo. E saber que a gente ainda paga o salário deles com os nossos impostos! Que Deus conforte esta familia.

 
Alessandra em 27 de janeiro de 2012 às 08:37

Porque vc não publicaram meu comentario, não ofendi ninguem só escrevi o que ja passei em relação aos tratamentos da saude. muito obrigada.

 
ana em 27 de janeiro de 2012 às 08:28

Isso é caso de policia... hoje em dias os medicos so da atenção nescessaria quando esta atendendo no particula...quando atende pelo "sus", mau olha para os pacientes!!!!

 
allan em 27 de janeiro de 2012 às 08:03

Descaso como esse é comum nossa cidade , infelizmente as pessoas se mantem no silencio , pois nunca sabe ao certo o que aconteceu , mas se houver levantamentos de crianças que morrem ou que sofre consequência durante seu crescimento por passar da hora do parto vira a verdade a tona , o absurdo continua essa exigência de que se deve nascer no parto normal, o que acontece???????? será que esses médicos não são pagos para fazer cesariana , obvio né !!!para isso não se tem verba , para ter anestesista e profissionais adequados . Mas trauma desta família isto não tem preço .

 
Ana em 27 de janeiro de 2012 às 08:02

Meu senhor!!!
Que falta de respeito e consideração com o cidadão que paga regularmente os seus impostos.
Essa familia tem que processar essa cambada.Garanto se fosse um parente ou amigo deles isso não teria acontecido.
Palhaçada...

 
thais dutra em 27 de janeiro de 2012 às 07:42

É lamentavél mais essa é a prova da situação que convivemos hoje em dia, nesse caso a irresponsabilidade é culpa de quem? eu ja estive dentro de um hospital a uns dias atraz como acompanhante é lamentavél mais é fato as pessoas que se dizem treinadas pra isso pouco se importam...se não ficar alguém da familia junto exigindo atendimento adequado as pessoas morrem a mingua, ja começa no atendimento da recepção atendem com estupidez e mau vontade como se estivessem trabalhando de graça...meus Deus onde isso vai para!!!

 
Mariane em 27 de janeiro de 2012 às 07:37

REALMENTE É UM DESCASO COM A POPULAÇÃO, FICO INDIGNADA COM TAMANHO ABSURDO NA SAÚDE...ESSA FAMILIA DEVEREIA ENTRAR COM UM PROCESSON NÃO ENTENDO MUITO BEM DE LEIS, MAS TAMANHA DOR E SOFRIMENTO JAMAIS TRARÁ O SEU FILHO DE VOLTA.

 
FERNANDA em 27 de janeiro de 2012 às 07:33

Lamentamos todo o sofrimento dessa senhora.

Inacreditável que em um hospital Universitário, onde a medicina deveria ser a excelência, por tratar-se de um hospital vinculado a UDFG e com curso de medicina de referência, esse descasso aconteça contra a vida, por inobservância médica e relapso e falta de respeito ao cidadão.

Quem dirige realmente o hospital? As preocupações são médicas, acadêmicas ou políticas? Até quando as pessoas passarão por tamanhas dores? Certamente algum discurso será construido para a defesa do médico.

 
Cidadão Alerta em 27 de janeiro de 2012 às 07:28

Tudo isso fai ficar como ERRO MEDICO e pronto, é assim mesmo aqui no Brasil. E ninguem vei ser responsavel por isso.

 
Ricardo Galvão em 27 de janeiro de 2012 às 07:17

É HORRIVEL QDO SE ACONTECESSE ISSO UM DESCASO COM O SER HUMANO GRAÇAS A DEUS NAO ACONTECEU PIOR DE TER DADO ATÉ MSM UM TETANO NESSA MULHER.MAS INFELISMENTE PERDERAM O BEBE Q DEUS ABENÇOE A ESSA FAMILIA.E SEJAM TOMADAS PROVIDENCIAS

 
CRIS em 27 de janeiro de 2012 às 04:03

E notorio o que acontece no HU de dourados, e o pior, que não vemos em momento algum o interesse dos nossos orgãos publico para se investigar a verdadeira situação do do nosso HU. ao contrario só se ver na midia noticias super animadoras de la.
Ministerio Publico, vigilancia sanitaria, olha o que realmente esta acontecendo no nosso HU, pois tudo que é orgão publico e se existe interesse politicos não se deixa investigar ou publicar nada de imoral na emprensa.
ANTES QUE ACONTEÇA COM MAIS ALGUEM INVESTIGUEM, POIS NA VERDADE NÃO DEVIA TER ACONTECIDO ISSO COM ESSA FAMILIA.; POIS A PERDA SÓ QUEM A TEM PARA SABER O TAMANHO DA DOR.

 
Elder Soares Silva em 26 de janeiro de 2012 às 22:57
1 2