Menu
Busca terça, 18 de junho de 2019
(67) 9860-3221
DOURADOS

MPE quer anulação de sessões que julgaram investigados por corrupção

10 junho 2019 - 06h12Por Adriano Moretto

Recomendação do MPE (Ministério Público Estadual) quer a anulação das quatro sessões que julgaram vereadores de Dourados suspeitos de participação em supostos esquemas de corrupção no Município. 

Denize Portollan (PR), cassada por unanimidade e investigada na Operação Pregão e Cirilo Ramão (MDB), Idenor Machado (PSDB) e Pedro Pepa (DEM), absolvidos no Legislativo e alvos da Operação Cifra Negra, podem ter que passar por um novo julgamento por parte dos parlamentares. 

O pedido foi feito pelo promotor Ricardo Rotunno, da 16ª Promotoria de Justiça de Dourados e encaminhado para o presidente da Câmara, Alan Guedes (DEM), na sexta-feira (7/6). 

Alan tem agora 10 dias para responder se acata ou não a medida. 

Conforme documento a qual o Dourados News teve acesso, no entender do MPE, houve vícios no trâmite dos processos por parte das comissões das conclusões até as votações, incluindo a ausência de convocação a suplentes de vereadores impedidos de participar das sessões. 

No mesmo documento, o promotor alega que existe um equívoco na interpretação da Casa de que há impedimento de computar o voto dos suplentes impedidos como ‘negativo à cassação’. 

Durante as sessões, para que ocorresse a perda dos direitos políticos dos parlamentares envolvidos nesses julgamentos, eram necessários 13, dos 19 votos possíveis. 

Nos casos de Pedro Pepa e Idenor Machado, dois suplentes – Marinisa Mizoguchi e Toninho Cruz, ambos do PSB -, não puderam se posicionar, deixando apenas 17 votos válidos.

Já na situação de Denize, a vereadora Lia Nogueira (PR) não participou da sessão, enquanto no que diz respeito a Cirilo Ramão (MDB), Marcelo Mourão (PRP) ficou de fora.

O promotor Ricardo Rotunno ainda argumentou na recomendação que os impedidos de votar possuiam mandato por conta do afastamento judicial dos parlamentares investigados, e não pela abertura da comissão processante após a denúncia por quebra de decoro parlamentar. 

“Os suplentes impedidos de votar não foram convocados em razão da abertura dos processos de cassação, mas sim por força da decisão judicial que determinou o afastamento dos titulares, antes mesmo do recebimento da denúncia”, diz outro trecho do documento.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DIA 24
Luiza Brunet será empossada embaixadora do Mãos EmPENHAdas
RURAL
Plano Safra terá R$ 225,59 bilhões em créditos para agricultores
CAMPO GRANDE
Mulher vai ao salão de beleza e quando sai encontra veículo incendiado
POLÍTICA
Senado aprova parecer que pede suspensão dos decretos das armas
CAPITAL
Bebê pode ser a 2ª vítima de gripe em menos de 24 horas em MS
FUTEBOL
Peru vence e assume a liderança do grupo do Brasil na Copa América
JUDICIÁRIO
Procuradores definem lista tríplice para sucessão de Dodge na PGR
AQUIDAUANA
Polícia prende nove suspeitos de furtar 100 quilos de cocaína em delegacia
ECONOMIA
Portaria amplia autorização para trabalho aos domingos e feriados
RIO BRILHANTE
Traficante foge ao ver abordagem e abandona mais de 350kg de maconha

Mais Lidas

AQUIDAUANA
Douradense desaparece nas águas do rio Aquidauana durante banho
PARAGUAI
Motim termina com 10 mortos e presos queimados e decapitados
DOURADOS
Perseguição na Coronel Ponciano termina com homem preso e apreensão de mais de 700kg de maconha
MASSACRE EM SAN PEDRO
Ministro paraguaio promete expulsar membros do PCC após motim com 10 mortos