Menu
Busca quarta, 19 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221
DOURADOS

MPE investiga ausência de repasses ao HU de Dourados

Ação é motivada por falta de repasses ao HU-UFGD no ano passado

12 março 2018 - 08h46Por Vinicios Araújo
O MPE (Ministério Público Estadual de Mato Grosso Sul) instaurou inquérito civil para apurar ato de improbidade administrativa supostamente praticado por parte do secretário de saúde do município, Renato Vidigal e a prefeita Délia Razuk (PR) no ano passado, após atrasos nos repasses de recursos para o HU-UFGD (Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados) .  
 
De acordo com o documento de nº 06.2018.00000762-0, disponível à sociedade, para aplicação da ação civil foram considerados denúncias de falta de repasses ao hospital, a ação de cobrança ingressada junto ao Ministério Público Federal para pagamento do montante destinado aos meses de abril a junho de 2017, a possibilidade de prejuízo à população douradense após o bloqueio de R$ 1.282.195,20 do cofre público municipal por determinação judicial, a necessidade de esclarecimento do poder público sobre a que foi destinada a verba recebida com finalidade de ser aplicada ao HU e por fim, o Promotor de Justiça Ricardo Rotuno considerou a necessidade de apuração de ato de irresponsabilidade fiscal.
 
Na época, o impasse entre HU, Prefeitura e Governo do Estado gerou a suspensão de cirurgias eletivas e novas internações foi falta de mantimentos aos serviços da unidade. A gestão municipal possuía um débito de R$ 1,2 milhão e o Estado R$ 1,1 milhão, computando atraso de R$2,3 milhões que seriam destinados à saúde da população da macrorregião de Dourados.  
 
Após a paralisação, o Estado reconheceu as dívidas e se comprometeu a regularizar os repasses até 16 junho de 2017, já a Prefeitura informou que não havia atrasos por parte do poder público municipal, e que todos os valores, referentes a recursos municipal, estadual e federal, estariam sendo depositados normalmente ao HU.
 
Em outubro de 2017, o hospital acionou o Ministério Público Federal contra a administração municipal para cobrança do pagamento.
 
Após analisar os fatos ocorridos entre HU e Prefeitura, a juíza Monique Marchioli Leite deferiu o bloqueio de R$ 1.282.195,20 do cofre público municipal.
 
Agora, o MP quer saber se houve improbidade administrativa e solicita que em 10 dias a administração do HU encaminhe ao MP se houve falta de repasses em outros períodos.
 
OUTRO LADO
 
O Dourados News entrou em contato com o secretário de saúde do município, Renato Vidigal, e foi informado de que as pendências anteriormente citadas já foram acordadas entre HU e a Prefeitura de Dourados.
 
Ele ainda ressaltou que na época, os pagamentos eram feitos por meio de TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) em razão do HU não possuir contrato de serviço junto ao município, e já neste ano, a documentação foi regularizada. 
 
“Deve ser inquérito pedindo às informações apenas, pois assuntos referentes ao HU são julgados no MPF” disse, ressaltando que não teria conhecimento da ação civil.
 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVA DIRETORIA
Clube de Imprensa de Dourados realiza eleição amanhã
IDOSOS
Casais que envelhecem juntos substituem implicância por afeto
TRÁFICO
Veículo com quase 1t de maconha é apreendido em estacionamento de hotel
DICA DE VIAGEM
Lençóis Maranhenses: o que fazer?
MS-379
Jovem é preso com mais de 40kg de fios furtados em Dourados
DOURADOS
UFGD divulga nota de corte do Vestibular 2019
NA MODA
5 ideias para customizar roupas infantis
TRÁFICO
Homem é preso com pasta base escondida em espartilho
PRÉ-FERIADO
Nhoque de batata é a dica para o jantar desta quarta-feira
CAARAPÓ
Veículo carregado com cigarros e bebidas contrabandeados é apreendido

Mais Lidas

DOURADOS
Comandante da Guarda Municipal é mais um a deixar governo Délia
DOURADOS
Internauta flagra acidente entre van e caminhonete no centro; veja vídeo
ITAQUIRAÍ
Corpo de bebê recém-nascido é encontrado boiando em açude
FÁTIMA DO SUL
Incêndio destrói casa e mulher suspeita de envolvimento do ex no caso