Menu
Busca terça, 26 de março de 2019
(67) 9860-3221

Morte de PM: Policial Federal foi transferido para MG

23 maio 2011 - 15h41

O policial federal Leonardo de Lima Pacheco, 38 anos, que matou a tiros o policial militar Sandro Alvares Morel e baleou o também PM José Pereira, no dia 8 de maio, não está mais em Dourados. A Polícia Federal considerou insegura sua presença na cidade, após o episódio e informou o juiz que pretende transferi-lo.

A transferência ainda não foi oficializada, mas Leonardo, que está afastado para se recuperar de ferimento a bala no braço, já foi para Belo Horizonte, onde vive sua família, no dia 18 de maio, conforme bilhete de uma empresa aérea anexado ao processo.

A viagem foi comunicada ao juiz como exige a decisão que colocou Leonardo em liberdade.

No comunicado, Leonardo informa que vai procurar tratamento médico na capital de Minas Gerais.

Dois dias antes, no dia 16 de maio, em ofício enviado à Justiça pela Polícia Federal, o delegado Bráulio Galloni afirma que a presença de Leonardo em Dourados se tornou “insustentável”.

O delegado fala em risco de problemas institucionais entre a Polícia Federal e a Militar, dado o temor de que a presença do agente na cidade possa provocar “comportamentos de revanchismo”.

Na decisão que concedeu a liberdade provisória a Leonardo, o juiz Adriano Rosa, condiciona o benefício à permanecencia dele na acidade.

O oficício da PF diz que a intenção da corporação, em primeiro momento, é envia-lo em missão a outra cidade, e depois, num segundo momento, transferi-lo para a cidade de origem, Belo Horizonte, onde vive sua esposa e filho.

Conforme o ofício, a Superintendência da PF no Estado garante a presença de Leonardo em todos os atos relativos ao processo. O juiz ainda não despachou a respeito.

O caso-O episódio envolvendo o policial aconteceu na tarde do Dia das Mães. Após conversar pelo MSN com a guarda municipal Zilda Aparecida Ramires, de 44 anos, ambos com pseudonimos, os dois marcaram um encontro.

Durante a conversa, Leonardo acabou se identificado como traficante, e ela então, foi para o encontro acompanhada dos dois policiais militares. No local, tentaram dar voz de prisão ao policial, pensando se tratar de um traficante, e ele reagiu com tiros.

O inquérito sobre o caso está correndo na Polícia Civil. Leonardo prestou depoimento na segunda-feira passada. Zilda, que prestou depoimento no dia dos fatos, está afastada do trabalho, após ter apresentado atestado médico. Tanto ela quanto o policial federal são alvo de sindicância em suas corporações.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ITAPORÃ
Idoso é baleado em propriedade rual
POLÍCIA
Ossada humana é encontrada em fazenda na MS-480
CAMPO GRANDE
Seis portugueses da mesma família são denúnciados por forjarem documentos
DOURADOS
Dono de chácara é autuado por incendiar pastagem e colocar rede de alta tensão em risco
CÂMARA DE DOURADOS
CASSAÇÃO DE VEREADORES: Comissões iniciam oitivas na quinta-feira
MS
Sobrevivente de feminicídio ajuda a tirar mulheres do ciclo da violência
LEGISLATIVO
Aprovado projeto que protege aposentados e pensionistas
BRASIL
Mourão diz que há preconceito e desinformação sobre carreira militar
ITAIPU BINACIONAL
Marun diz que vai recorrer de decisão que suspende nomeação
CASSEMS ITINERANTE
Quatro municípios recebem atendimento médico especializado no final de semana

Mais Lidas

POLÍCIA
Corpo em avançado estado de decomposição é encontrado em Dourados
DOURADOS
Após brigar com a mulher, motorista bêbado invade e destrói oficina na Monte Alegre
DOURADOS
Corpo encontrado no Flor de Maio estava há cerca de 30 dias no local
PARABELLUM
Operação cumpre mandados de busca e apreensão em Dourados