Menu
Busca terça, 13 de novembro de 2018
(67) 9860-3221
AGENTES DE SAÚDE

Mobilização pede derrubada da nova Política Nacional de Atenção Básica

05 outubro 2017 - 11h35Por Guilherme Pires

Agentes Comunitários de Saúde e Endemias, enfermeiros, representantes do Conselho Bucal e do Conselho Municipal de Dourados, realizaram na manhã desta quinta-feira (05), na Praça Antônio João, uma mobilização contrária à nova Política Nacional de Atenção Básica, votada no último dia 21, que unifica cargos atribuindo novas funções a um único profissional e também o repasse de verbas não mais de forma específica. 

Outra mudança é a não obrigatoriedade do profissional dentista nas unidades de atendimentos, caberá ao gestor decidir se terá ou não. Além disso, os agentes de endemias passarão a entender como agente de saúde e vice-versa, em relação aos agentes de saúde. 

Solange Machado de Menezes, agente comunitária de saúde e Secretária dos Agentes de Saúde e Endemias, diz que os profissionais entendem a medida já aprovada, como um retrocesso e morte do SUS (Sistema Único de Saúde). 

“Esta política é um retrocesso na saúde pública, não só para nós profissionais, mas também para a população. Agora, teremos mais funções e a pessoa que possui uma doença crônica, por exemplo, pode ser atendido por um agende de endemia, isto é, o mesmo que vacina um animal”, afirma. 

Um ponto também questionado como afirmado no início da matéria, é o fato que a verba repassada não será mais específica. Antes era assim, uma quantia x era destinada especificamente para a saúde, agora o valor repassado será usado conforme o gestor quiser. 

Para o vice-presidente do Sindicato Regional dos Agentes Comunitários de Saúde e Combate a Endemia (Sindracse), isto faz com que não ocorra mais prevenção de doenças, mas somente a cura delas. “O investimento será para curar, ou seja, quando a pessoa já estiver com a doença, sendo que atualmente além de tratar as pessoas que já estão doentes, trabalhamos com a prevenção”, conclui. 

Derrubada

Em Brasília, o deputado Mandetta (DEM-MS), deu entrada no Projeto de Decreto Legislativo 786/17, que susta a Portaria do Ministério da Saúde 2.436/2017. 

O deputado alega que o quantitativo é mínimo e sobrecarregará os profissionais. “A cobertura limita-se a dispor apenas do quantitativo mínimo para cada equipe, também prevê a adesão e o financiamento de equipes da Atenção Básica sem a previsão da obrigatoriedade do profissional Agente Comunitário de Saúde, que foi o maior responsável pelo grande avanço na prevenção”, finaliza.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

MIRANDA
Crianças indígenas são atropeladas por caminhonete e suspeita é de crime
MS-276
Polícia apreende mais de uma tonelada de maconha em caçamba
CASA PRÓPRIA
Caixa suspende Minha Casa Minha Vida para faixa intermediária
INDUBRASIL
Polícia caça suspeito de matar diarista investigada por latrocínio
JUSTIÇA ELEITORAL
TSE dá 3 dias para Bolsonaro esclarecer 'inconsistências' em contas
UFGD
Abertas inscrições para doutorado em Biotecnologia e Biodiversidade
BRASILÂNDIA
Estudantes de escola de MS criam dicionário de línguas indígenas
JUSTIÇA
Calúnia e difamação em rede social geram dano moral a usuário
ECONOMIA
Dólar fecha em alta de quase 2% e ultrapassa R$ 3,80
BRASIL
Agricultura deverá assumir pesca, pequenos produtores e Incra

Mais Lidas

ÑU VERA
Homem morre em Dourados após bebedeira
ANGÉLICA
Jovem morre atropelado durante o trabalho em pátio de usina
PEDRO JUAN
Advogada de narcotraficantes brasileiros morre após atentado na fronteira
PARAGUAI
Polícia paraguaia acredita que pistoleiros brasileiros mataram advogada