Menu
Busca sábado, 07 de dezembro de 2019
(67) 9860-3221
DOURADOS

Manifesto rejeita reforma da Previdência e ataca nomeação de reitora na UFGD

14 junho 2019 - 10h59Por Vinicios Araújo

Pelo menos 200 manifestantes de diversas representações sociais se aglomeraram em frente à Praça Antônio João nesta manhã (14) em reflexo da Greve Geral deflagrada em todo País. A estimativa de público é da Guarda Municipal. 

Conforme acompanhou o Dourados News, o grupo integrava membros do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra), trabalhadores na educação, servidores técnicos das universidades, servidores dos correios, bancários, pesquisadores e técnicos agropecuários, representantes dos comerciários, metalúrgicos, indígenas, juventude, acadêmicos e outros.

Com trio elétrico fechando a avenida Joaquim Teixeira Alves, no sentido centro/shopping, as falas enfatizavam a rejeição à proposta de reforma da Previdência, cortes na Educação e também contra a nomeação da reitora interina Mirlene Ferreira Damázzio, na UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados).

O Dourados News conversou com o presidente do Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação) Juliano Mazzini. Segundo ele, o movimento nacional tem como pauta principal a reforma previdenciária, porém em Dourados, diante das medidas adotadas na educação, incluindo a “intervenção” na UFGD, o manifesto abraçou as temáticas ligadas ao setor.


 

 

 

 

 

 

Ele explica que a ideia do movimento não é combater a necessidade de reforma e sim, derrubar a proposta apresentada pelo governo Jair Bolsonaro (PSL). “Nós percebemos uma clara disposição em colocar sobre o trabalhador a responsabilidade de recuperação daquilo que eles mesmos fizeram. Não dá para seguir com essa reforma. O negócio é tirar essa proposta atual e discutir um novo modelo com as bases, sem remendos”, disse.

Pela manhã o ato ficou centralizado em frente às agências do Banco do Brasil e Bradesco, que atrasaram o atendimento em uma hora em apoio ao manifesto. À tarde o grupo se reúne na sede do INSS de Dourados, na avenida Weimar Torres, onde será realizado uma passeata com panfletagem no comércio.

CONTRÁRIOS A NOMEAÇÃO

O movimento na Praça foi fortalecido com acadêmicos e servidores contrários a nomeação da reitora interina Mirlene Ferreira Damazzio. Várias falas atacaram a decisão do ministro Abraham Weintraub e acusaram a pedagoga de integrar a chapa 2, supostamente ligada ao governo federal. 

Os manifestantes exigiram do presidente Jair Bolsonaro, a independência universitária e o respeito à eleição de consulta prévia. Eles consideram a nomeação uma intervenção na universidade. 

Hoje, segundo o presidente do Conselho Municipal da Juventude, Franklin Schmalz, será realizado um almoço coletivo em frente a reitoria da UFGD como forma de contestar a nomeação de Mirlene. 


Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADE
Detran/MS leiloa material ferroso e quase 800 veículos em dezembro
CÚPULA DO CLIMA
Embaixada da Alemanha contradiz Salles sobre Fundo Amazônia
JUSTIÇA
Conciliação em Jardim conclui divórcio e partilha supera R$ 6 mi
PCC
Suspeito de integrar facção será entregue à polícia brasileira
SAÚDE
Justiça determina que Jamil Name volte a Mato Grosso do Sul em 30 dias
SAÚDE
Mutirão fará diagnóstico precoce de câncer de pele em todo o país
CAMPO GRANDE
Homem morre em confronto com a polícia após grupo roubar mercado
ECONOMIA
Nelsinho Trad libera recursos de mais R$ 1 milhão para Mato Grosso do Sul
FRONTEIRA
Cabeça de adolescente foi cortada ao meio e também estava em tambor
EDUCAÇÃO
UEMS Acolhe devolve esperança para migrantes e estrangeiros

Mais Lidas

JARDIM
Comerciante é preso após balear suspeito de furtar seu estabelecimento
CAARAPÓ
Inscrições para concurso com salários de até R$ 9.172 terminam dia 09
REENCONTRO
Sandy & Junior teve segunda maior bilheteria por show em 2019
TRAGÉDIA
Corpo de trigêmea afogada no Rio Paraná é encontrado em Guaíra