Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
DOURADOS

Manifesto rejeita reforma da Previdência e ataca nomeação de reitora na UFGD

14 junho 2019 - 10h59Por Vinicios Araújo

Pelo menos 200 manifestantes de diversas representações sociais se aglomeraram em frente à Praça Antônio João nesta manhã (14) em reflexo da Greve Geral deflagrada em todo País. A estimativa de público é da Guarda Municipal. 

Conforme acompanhou o Dourados News, o grupo integrava membros do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra), trabalhadores na educação, servidores técnicos das universidades, servidores dos correios, bancários, pesquisadores e técnicos agropecuários, representantes dos comerciários, metalúrgicos, indígenas, juventude, acadêmicos e outros.

Com trio elétrico fechando a avenida Joaquim Teixeira Alves, no sentido centro/shopping, as falas enfatizavam a rejeição à proposta de reforma da Previdência, cortes na Educação e também contra a nomeação da reitora interina Mirlene Ferreira Damázzio, na UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados).

O Dourados News conversou com o presidente do Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação) Juliano Mazzini. Segundo ele, o movimento nacional tem como pauta principal a reforma previdenciária, porém em Dourados, diante das medidas adotadas na educação, incluindo a “intervenção” na UFGD, o manifesto abraçou as temáticas ligadas ao setor.


 

 

 

 

 

 

Ele explica que a ideia do movimento não é combater a necessidade de reforma e sim, derrubar a proposta apresentada pelo governo Jair Bolsonaro (PSL). “Nós percebemos uma clara disposição em colocar sobre o trabalhador a responsabilidade de recuperação daquilo que eles mesmos fizeram. Não dá para seguir com essa reforma. O negócio é tirar essa proposta atual e discutir um novo modelo com as bases, sem remendos”, disse.

Pela manhã o ato ficou centralizado em frente às agências do Banco do Brasil e Bradesco, que atrasaram o atendimento em uma hora em apoio ao manifesto. À tarde o grupo se reúne na sede do INSS de Dourados, na avenida Weimar Torres, onde será realizado uma passeata com panfletagem no comércio.

CONTRÁRIOS A NOMEAÇÃO

O movimento na Praça foi fortalecido com acadêmicos e servidores contrários a nomeação da reitora interina Mirlene Ferreira Damazzio. Várias falas atacaram a decisão do ministro Abraham Weintraub e acusaram a pedagoga de integrar a chapa 2, supostamente ligada ao governo federal. 

Os manifestantes exigiram do presidente Jair Bolsonaro, a independência universitária e o respeito à eleição de consulta prévia. Eles consideram a nomeação uma intervenção na universidade. 

Hoje, segundo o presidente do Conselho Municipal da Juventude, Franklin Schmalz, será realizado um almoço coletivo em frente a reitoria da UFGD como forma de contestar a nomeação de Mirlene. 


Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Motorista é atingido por dois tiros durante tentativa de roubo a caminhão
COLÔMBIA
Sobrinho de Pablo Escobar acha R$ 99 milhões escondidos em parede
NOVA ANDRADINA
Cães Pitbulls de vizinho invadem sítio e matam 23 carneiros
PASSAGEIROS
Agepan divulga recomendações complementares para transporte intermunicipal
CORONAVÍRUS
Brasil se aproxima de 140 mil mortes por Covid; curvas sobem em 8 estados
RIO DE JANEIRO
Candidato a novo mandato, Crivella é declarado inelegível pelo TRE
POLÍCIA
Homem de 40 anos é preso por porte ilegal de arma de fogo
ONLINE
Em evento digital, UEMS discutirá negacionismo e revisionismo da História
CORUMBÁ
Grávida tenta entregar cebola “recheada” com maconha em presídio
DOURADOS
Mulher que levaria droga para MT é presa na rodoviária

Mais Lidas

DOURADOS
Carro carregado com calhas capota após colisão e mulher fica ferida
PARANÁ
Traficante Elias Maluco é encontrado morto em presídio federal
PEDRO JUAN
Terror na fronteira: três veículos de luxo são incendiados em pontos distintos
PANDEMIA
Prefeitura e MPE entram em acordo para retorno das aulas presenciais na rede privada