Menu
Busca terça, 18 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221
CORRUPÇÃO

Mais quatro pessoas são presas em Dourados dentro da “Cifra Negra”

07 dezembro 2018 - 10h59Por Adriano Moretto e Osvaldo Duarte

Mais quatro pessoas acabaram presas ontem (6/12), em Dourados, dentro da Operação Cifra Negra, por força de mandados de prisão expedidos pela Justiça na ação desencadeada em conjunto entre a 16ª Promotoria de Justiça e a delegacia do 2º Distrito Policial na quarta-feira (5/12). 

Na data, cinco pessoas – entre elas três vereadores – foram presas e estão na PED.

Os nomes dos envolvidos não foram divulgados oficialmente, mas o Dourados News apurou que um deles seria ex-servidor da Câmara e teria atuado, no passado, junto ao gabinete de um dos parlamentares que estão atrás das grades. 

O outro seria sócio de homem preso em Campo Grande ainda na quarta e que seria de uma das empresas investigadas de participação no esquema de corrupção. 

Ambos estão no 1º Distrito Policial de Dourados. Os mandados também foram cumpridos contra outras duas mulheres. Anteriormente havia sido citado que seriam esposas dos suspeitos, porém, o fato não é confirmado. 

Presos 

Na quarta-feira, os vereadores Idenor Machado (PSDB), Pedro Pepa (DEM) e Cirilo Ramão (MDB) acabaram presos por participação em fraudes em licitações dentro de um esquema que, de acordo com o Ministério Público Estadual, já dura oito anos na Câmara de Dourados. 

Além dos três, o ex-vereador Dirceu Longhi (PT) – que por anos fez parte de mesas diretoras e o ex-servidor da Casa, Amilton Salina, acabaram alvos dos mandados de prisão expedidos pela 1ª Vara Criminal de Dourados. 

No dia da operação, os policiais cumpriram 10 mandados de prisão em Dourados e Campo Grande e um de busca e apreensão. 

Investigações 

Conforme o Ministério Público, em diversos processos licitatórios realizados dentro da Casa, empresas consideradas como ‘cartas marcadas’ se apresentavam e atuavam em conluio. 

Algumas delas, conforme o MPE, existiam apenas no papel para simular uma concorrência legal. 

“Sem a devida concorrência, os valores dos contratos oriundos destes processos se faziam exorbitantes”, diz trecho da nota. 

Propinas

Ainda de acordo com o Ministério Público Estadual, para garantir o esquema, essas empresas repassavam na época, valores aos vereadores a título de propina.  

* Editado às 11h37 para atualização

Deixe seu Comentário

Leia Também

MS
Centro de monitoramento vai agilizar atendimento nas rodovias estaduais
ELLA E REALCE COSMÉTICOS
Eu apoio o projeto Natal para Todos - Dourados Brilha
PAUTA
STF julgará em abril validade de prisão de condenados na 2ª instância
FÁTIMA DO SUL
Incêndio destrói casa e mulher suspeita de envolvimento do ex no caso
UFGD
Mural mostra aumento de 80% em relatos positivos ao HU de Dourados
TELEVISÃO
“A Reunião”, encontro de ex-participantes dos “MasterChef”, nesta terça
SIDROLÂNDIA
Traficante é preso depois de capotar caminhonete com maconha
FUTEBOL
Conmebol sorteia os grupos da Libertadores 2019; veja rivais dos brasileiros
PROCURADOS
Paraguai expulsa mais três integrantes de grupo criminoso brasileiro
PRAZO
Terminam hoje as inscrições para o concurso da PRF com 500 vagas

Mais Lidas

DOURADOS
Jovem faz desabafo sobre a morte do pai em confronto: “lamento por você ter escolhido esse caminho”
DOURADOS
“Batida” acaba com festa lotada de menores e regada a bebida alcoólica
DOURADOS
Délia exonera cinco secretários de uma só vez e inicia reforma administrativa
POLÍCIA
Jovem é baleada em tentativa de assalto em Dourados