Menu
Busca sexta, 23 de fevereiro de 2018
(67) 9860-3221
ARTIGO

Leia o artigo "A desigualdade dos iguais", por Rosildo Barcellos

26 setembro 2017 - 08h47

Quando se trata dos direitos das Pessoas com Deficiência um detalhe me chama a atenção. A percepção de que os valores morais e éticos estão em decadência na nossa sociedade. Precipuamente, vislumbra-se como valor intrínseco, a aparência física e intelectual, mesmo sabendo que os dotes físicos são efêmeros, preocupa-se com o exterior e o belo, sem se importar com o imanente, com a essência. Nessa inversão de valores não há preocupação com o próximo evidentemente. Busca-se, a relação social somente entre os iguais, ofertando-se pouca importância para a inclusão dos desiguais.

Muitos esquecem que ante a uma pintura crescente e aterrorizadora de violências causadas pela marginalidade e pelo destempero no trânsito, além de algumas doenças incapacitantes, qualquer pessoa, por mera fatalidade, está sujeita a ter algum tipo de incapacidade física ou motora. Ou seja além da própria deficiência terá que superar a deficiência cultural da sociedade. Historicamente por muito tempo se mascarava a inabilidade dos grupos sociais majoritários em lidar com o diferente,tanto que a principal deliberação do II Congresso Internacional de Instrução de Surdos, ocorrido em 1880, em Milão, Itália, foi o banimento da língua de sinais. Vejam como por vezes os problemas são criados por nós mesmos. Imaginem como é comum assistir pais praticando ações desrespeitosas diante de seus filhos, ou seja, ofertando um péssimo exemplo e de um caráter desvirtuoso a eles,o que fatalmente replicará nessas crianças e na sociedade em formação ações inesperadas e inconsequentes. Agora junte-se problemas em casa de formação e distanciamento do poder público para os interesses reais da população.

Existem hoje, no Brasil, aproximadamente 6 milhões de pessoas com algum nível de perda auditiva, dos quais 1 milhão têm grande dificuldade ou são incapazes de ouvir e cerca de 1250 pessoas "surdo cegas". Embora o número de pessoas que apresentam perda auditiva por exposição constante a ruído esteja aumentando, as principais causas da surdez ainda são relacionadas a infecções, como rubéola, sarampo ou meningite. Ainda temos efeitos da Kerniktures e da eritroblastose fetal. Percebam como tudo se entrelaça: saúde pública, educação infantil, políticas sociais de inclusão; controle de ruídos, no trânsito, na construção civil, controle de infecções virais, lesões e toxicidade farmacológica. Não adianta tentar separar as coisas pois tudo volta a ser fundamentado no tripé: saúde, cultura e educação.


Rosildo Barcellos*

*Articulista

Deixe seu Comentário

Leia Também

SUBSTITUIÇÃO
Novo comandante da Sudeco assume por indicação de político de MS
BRASIL
Temer anunciará criação do Ministério de Segurança Pública na segunda-feira
PIRACEMA
Pescadores são multados por pesca ilegal no Rio Sucuriú
EDUCAÇÃO
Avaliação do MEC comprova excelência do curso de Educação Física da Unigran
POSSE
Aprosoja empossa amanhã diretoria do biênio 2018/19 em MS
Cerimônia de posse acontece amanhã (24), às 19h30, em Campo Grande
CAPITAL
IEL abre inscrições para curso de capacitação de líderes
CAMPO GRANDE
PMA flagra caçador com rifle, cateto e três seriemas abatidas
TEMPO EM DOURADOS
Dourados registra manhã mais fria do ano: 15.7ºC
MAIS CARO
Valor das passagens de ônibus devem subir quase 5%
BRASIL
MP sobre concessão de rodovias perderá validade nesta segunda-feira

Mais Lidas

MS-276
Homem morre em acidente entre Indápolis e Lagoa Bonita
DOURADOS
Mulher é baleada durante assalto na avenida Indaiá
DOURADOS
Fundadora de creche vai à polícia após denúncia de agressão
AVENIDA INDAIÁ
Baleada em assalto em Dourados passa por cirurgia