Menu
Busca quarta, 03 de junho de 2020
(67) 99659-5905
TJ/MS

Justiça mantém condenação de homem que agrediu e ameaçou esposa

09 outubro 2019 - 21h05Por Da redação

Os desembargadores da 3ª Câmara Criminal do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), por unanimidade, negaram provimento ao recurso interposto contra a sentença que condenou o apelante por lesão corporal em contexto de violência doméstica e ameaça na comarca de Dourados.

Consta nos autos que no dia 25 de dezembro de 2018, o apelante desferiu socos no braço de sua esposa e também a ameaçou dizendo: “já mandei uma pro buraco, pra mandar outra não custa não”, referindo-se a sua ex-convivente, crime pelo qual foi condenado anteriormente por homicídio. Em outro momento, no dia 30 de dezembro de 2018, o denunciado tentou tomar a chave da casa da esposa e para isso torceu-lhe o braço e apertou os dedos da vítima.

Por conta do histórico desabonador e das atitudes violentas de seu marido, no dia 1º de janeiro de 2019 a vítima sentiu-se ameaçada e realizou boletim de ocorrência. Quando o agressor descobriu, foi até sua casa e passou a agredi-la com empurrões e socos na região da cabeça.

No recurso, o apelante pugnou por sua absolvição com a alegação que inexistem provas suficientes para a condenação e, alternativamente, pediu a substituição da pena privativa de liberdade pela restritiva de direito.

A relatora do processo, Desembargadora Dileta Terezinha Souza Thomaz, afirmou que a materialidade das infrações foram devidamente comprovadas. No ocorrido do dia 25 de dezembro, o filho do casal e sua noiva testemunharam e confirmaram a agressão e ameaça. No dia 30 de dezembro, também houve uma testemunha, e no dia 1º de janeiro o acusado foi preso em flagrante, com a confirmação das agressões em depoimento de um policial militar.

Por conta das testemunhas, do exame de corpo de delito e do depoimento firme da vítima, a relatora afastou a absolvição do acusado e, em relação à substituição das penas, afirmou: “Nesse passo, em casos de crimes praticados contra a mulher em âmbito doméstico, torna-se inviável a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos, haja vista que, não obstante a sanção imposta ao acusado seja inferior a quatro anos, os delitos praticados pelo apelado foram cometidos mediante violência e grave ameaça à pessoa, o que impede a obtenção da benesse, a teor do disposto no artigo 44, inciso I, do Código Penal”.

O processo tramitou em segredo de justiça.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÁFICO
Polícia apreende quase duas toneladas de maconha em caminhão de mudança
TEMPO
Quarta-feira nublada com possibilidade de chuva em Dourados
TRÁFICO
PRF apreende 1,2 tonelada de maconha e 20 Kg de skunk na BR-267
SENADO
Aprovado congelamento de preços de medicamentos e de planos de saúde
COSTA RICA
Filho acusado de agredir pai de 91 anos é preso descumprindo medida judicial
ÁUDIO VAZADO
Presidente da Fundação Palmares chama movimento negro de 'escória'
CAPITAL
Condenado por estupro de vulnerável, homem é preso em encontro religioso
POLÍTICA
Senado aprova em definitivo projeto de doação de refeições não vendida
PORTO MURTINHO
Técnico de laboratório suspeito de aborto consegue habeas corpus
JUSTIÇA
Banco deve indenizar por inserir gravame a terceiros sem consentimento

Mais Lidas

6ª VARA CÍVEL
Empresário vai à Justiça contra toque de recolher em Dourados
PANDEMIA
Com mais 27 casos, Dourados ultrapassa 300 confirmações de coronavírus
PANDEMIA
Novo epicentro, Dourados é a cidade com mais casos de coronavírus em MS
PED
Policiais penais frustram tentativa de fuga na Penitenciária de Dourados