Menu
Busca sábado, 21 de setembro de 2019
(67) 9860-3221
POLÍTICA

Intercept aponta que delação premiada de Cunha foi rejeitada por não entregar Marun

10 setembro 2019 - 18h20Por Da redação

Mensagens do aplicativo Telegram divulgadas pelo site Intercept Brasil e pelo portal UOL, nesta terça-feira (10), apontam que a proposição de delação premiada do ex-presidente da Câmara dos Deputados,  Eduardo Cunha ( MDB-RJ) foi rejeitada pela força-tarefa da Lava Jato por não “entregar” nomes de interesse dos procuradores, como por exemplo, o de Carlos Marun (MDB-MS), ex-deputado e ex-ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República.

Em agosto de 2017, procuradores do Grupo de Trabalho da Lava-Jato em Brasília rejeitaram a proposta de delação apresentada pelo ex-deputado Eduardo Cunha.

Conforme interceptações de mensagens, divulgadas nesta terça-feira (10), o grupo queria informações e acusações sobre Carlos Marun (MDB-MS), ex-ministro da Secretaria de Governo de Michel Temer (MDB), autoridades do Judiciário do Rio de Janeiro, fatos de suposta compra de votos para a eleição à Presidência da Câmara e repasses de dinheiro feitos pelo lobista Júlio Camargo e pelo empresário Joesley Batista, da JBS. 

Tais pessoas e fatos eram de interesse do Ministério Público, mas, foram “protegidos” por Cunha. 

Na época, caso a delação fosse aceita, Cunha seria liberado. O ex-deputado segue preso até o momento.
Caso a delação fosse aceita, Cunha seria liberado. O ex-deputado segue preso até hoje. Marun, que foi seu ferrenho defensor no Congresso Nacional enquanto deputado federal, reagiu às revelações e afirma que o velho aliado, a quem visitou na cadeia, optou continuar preso a mentir.

Em reportagem do UOL, em agosto de 2017, o grupo de trabalho da Lava Jato considerou que “as promessas do ex-deputado de delatar políticos com quem mantinha estreitos vínculos foram consideradas inconsistentes e omissas”. Cunha também teria apresentado poucos documentos para comprovar as genéricas acusações que teria feito.

Além disso, em reportagem de 30 de julho de  2017, conforme o UOL, em troca de mensagens, o procurador Ronaldo Pinheiro de Queiroz afirmava que Cunha apresentou um anexo trazendo informações sobre "compra de votos para a liderança do PMBD (sic) e não apresentou sobre compra de votos na eleição da presidência da Câmara, em que há anexo da JBS sobre o tema. Cunha cita mais de 70 deputados que ele angariou dinheiro de caixa 2, mas deixou Carlos Marun, seu fiel escudeiro, de fora”. 

Ainda conforme o UOL, o grupo apontava que Cunha estaria deixando importantes fatos de fora da delação, além de apresentar versões completamente inverossímeis e até mesmo contraditória em relação a contundentes provas já recolhidas ao longo das investigações.

Conforme a publicação desta terça-feira (10), do UOL, a  proposta de colaboração de Cunha continha denúncias contra o então presidente da República, Michel Temer (MDB), que sofria processos criminais que poderiam levar a seu impeachment. Em 8 de julho, o coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, avalia se Cunha teria "provas fortes" contra Rodrigo Maia, o presidente da Câmara à época, e possível sucessor de Temer. 

Ao fim, os procuradores decidem não continuar a negociar uma colaboração com Cunha. "Péssimos elementos de corroboração, omissões evidentes, incosistências [sic], entre outros pontos", revelou que disse Ronaldo Queiroz, (mensagem do site Intercept). 

Marun divulgou nota nesta terça-feira (10), na qual fala sobre o caso. Ele cita que “depois de algum tempo em prisão preventiva, Cunha resolveu ceder às pressões e delatar. Apresentou sua relação prévia de delatados e recebeu como resposta de elementos do MPF que ele só sairia da cadeia se dissesse alguma coisa que me comprometesse. Nada mais interessava. Cunha se recusou a mentir e por isto está preso”.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEIO AMBIENTE
Traficante de aves foge da polícia ao ser flagrado tentando furtar filhotes de papagaio
MÚSICA
Batalha de Bandas acontece neste sábado na Capital
ITAPORÃ
Durante ação voltada ao meio-ambiente, maconha é encontrada às margens de rodovia
BRASIL
Governo libera quase R$ 800 milhões em emendas parlamentares
GP DE SINGAPURA
Leclerc desbanca Hamilton e Vettel na última volta para conquistar a pole
MUDANÇA
Entenda as novas regras para conduzir as motos 'cinquentinhas'
TRAGÉDIA
Menina de 8 anos morre vítima de bala perdida no RJ
LOTERIA
Mega pode pagar prêmio de R$ 38 milhões hoje
AQUIDAUANA
Caçador é preso com cateto abatido e pescado fora da medida
FLAGRANTE
Dupla é presa com espingardas e munições dentro de veículo

Mais Lidas

SETEMBRO AMARELO
Sem perceber sinais, Silvânia perdeu a filha e hoje reconhece a necessidade da escuta
BARBÁRIE
Após matar criança afogada, pai ligou para ex e inventou sequestro
POLÍCIA
Jovem é executado por pistoleiros em Ponta Porã
DOURADOS
Bêbado é preso após bater carro e derrubar muro