Menu
Busca quarta, 15 de agosto de 2018
(67) 9860-3221

Índio não pode ser massa de manobra, diz Gino Ferreira

27 maio 2011 - 09h52

O vereador e líder ruralista Gino Ferreira (DEM) participou do seminário “Questões Fundiárias em Dourados – MS”, promovido pelo Comitê Executivo do Fórum de Assuntos Fundiários, realizado nos dias 25 e 26, no auditório do Centro Universitário da Grande Dourados (Unigran) e destacou a importância da discussão dos proprietários rurais e indígenas sobre questões que envolvem a demarcação de terras.

Segundo Gino, a posse de terras é um assunto polêmico, discutido há anos e que precisa da elaboração e execução de ações políticas que resolvam o impasse entre indígenas e produtores rurais. “Este problema não pode continuar em nosso Estado. Precisamos dar um basta. Muitos índios vivem abandonados pelas políticas federais e são usados como ‘massa de manobra’ de pessoas que vêem na situação precária que vivem nossos irmãos índios, uma forma de se beneficiarem”, afirma.

Ele citou a situação da fazenda Brasília do Sul, em Jutí, que foi invadida há anos, como exemplo dessas manobras. “Muitos índios falaram que a fumaça da queima da cana-de-açúcar, que não existe em nosso município, estava fazendo mal à saúde dos indígenas que moram próximo às plantações, porém, recentemente foi divulgado pela mídia que os índios que invadiram a fazenda atearam fogo em uma área. Será que a fumaça da nossa floresta nativa é menos nociva à saúde do que a fumaça da queima da cana?, indagou. “Isso deixa claro que existe jogo de interesse contra o segmento sucroalcooleiro e estas pessoas usam os índios para alcançarem seus objetivos”, denunciou.

O vereador explica que se por um lado o índio precisa de melhor assistência, por outro, os produtores rurais precisam garantir a posse de suas terras para que possam continuar desenvolvendo suas atividades agropecuárias. “Os proprietários rurais vivem o terrorismo das invasões de terras e não têm a tranqüilidade de garantir o sustento de sua família. Isso tem que ter um fim”, ressalta Gino.

SUGESTÃO

Para Gino, uma medida que atenderia os dois segmentos e resolveria o impasse, seria o Governo criar formas de pagamento justo das áreas que serão destinadas aos índios e não entregar sem um ressarcimento compatível as terras, deixando os proprietários sem amparo. “Chega de demagogia. Vamos tirar os índios da miséria em que vivem e dar tranquilidade aos proprietários rurais”, sugere o vice-presidente da Câmara de Dourados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ARTIGO
Evolução no judiciário
ROBÓTICA SESI
Clube de Robótica do Sesi prepara crianças para profissões do futuro
AUSTERIDADE
Novo presidente do Paraguai promete combater a impunidade
LAVA JATO
Moro adia interrogatório de Lula no processo envolvendo o sítio de Atibaia
RIBAS DO RIO PARDO
PMA autua empresa pecuarista em R$ 21 mil por exploração ilegal de madeira
GUERRERO NO INTER
Guerrero agradece recepção e sonha com títulos no Inter
16º IINTERDISTRITAL
Funed retorna domingo com mais uma rodada da competição
PRÉ-JOGRAN
Mesa redonda prepara estudantes de Odontologia para Jornada Acadêmica
BRASIL
Sancionada lei que regulamenta uso de dados pessoais
MÉTODO SUPERA
Bem-estar psicológico no processo de envelhecimento normal

Mais Lidas

DOURADOS
Polícia não descarta crime passional em caso de cabeleireiro morto a facadas
DOURADOS
Motociclista invade a contramão e executa homem no Piratininga
DOURADOS
Homem é encontrado morto dentro de veículo estacionado em acostamento
DOURADOS
Casal é preso por tráfico no João Paulo II após denúncia de populares