Menu
Busca sexta, 25 de maio de 2018
(67) 9860-3221
BANNER CORPAL TOPO SITE

Índio não pode ser massa de manobra, diz Gino Ferreira

27 maio 2011 - 09h52

O vereador e líder ruralista Gino Ferreira (DEM) participou do seminário “Questões Fundiárias em Dourados – MS”, promovido pelo Comitê Executivo do Fórum de Assuntos Fundiários, realizado nos dias 25 e 26, no auditório do Centro Universitário da Grande Dourados (Unigran) e destacou a importância da discussão dos proprietários rurais e indígenas sobre questões que envolvem a demarcação de terras.

Segundo Gino, a posse de terras é um assunto polêmico, discutido há anos e que precisa da elaboração e execução de ações políticas que resolvam o impasse entre indígenas e produtores rurais. “Este problema não pode continuar em nosso Estado. Precisamos dar um basta. Muitos índios vivem abandonados pelas políticas federais e são usados como ‘massa de manobra’ de pessoas que vêem na situação precária que vivem nossos irmãos índios, uma forma de se beneficiarem”, afirma.

Ele citou a situação da fazenda Brasília do Sul, em Jutí, que foi invadida há anos, como exemplo dessas manobras. “Muitos índios falaram que a fumaça da queima da cana-de-açúcar, que não existe em nosso município, estava fazendo mal à saúde dos indígenas que moram próximo às plantações, porém, recentemente foi divulgado pela mídia que os índios que invadiram a fazenda atearam fogo em uma área. Será que a fumaça da nossa floresta nativa é menos nociva à saúde do que a fumaça da queima da cana?, indagou. “Isso deixa claro que existe jogo de interesse contra o segmento sucroalcooleiro e estas pessoas usam os índios para alcançarem seus objetivos”, denunciou.

O vereador explica que se por um lado o índio precisa de melhor assistência, por outro, os produtores rurais precisam garantir a posse de suas terras para que possam continuar desenvolvendo suas atividades agropecuárias. “Os proprietários rurais vivem o terrorismo das invasões de terras e não têm a tranqüilidade de garantir o sustento de sua família. Isso tem que ter um fim”, ressalta Gino.

SUGESTÃO

Para Gino, uma medida que atenderia os dois segmentos e resolveria o impasse, seria o Governo criar formas de pagamento justo das áreas que serão destinadas aos índios e não entregar sem um ressarcimento compatível as terras, deixando os proprietários sem amparo. “Chega de demagogia. Vamos tirar os índios da miséria em que vivem e dar tranquilidade aos proprietários rurais”, sugere o vice-presidente da Câmara de Dourados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZ
Musa do Sertanejo posa sensual com cavalo e é criticada por ativistas
BENEFÍCIO
UEMS abre inscrições para 900 auxílios para estudantes de graduação
CAMPO GRANDE
Polícia prende trio que usava veículo de usuário para assaltos
PARAÍSO DAS ÁGUAS
Greve dos caminhoneiros provoca cancelamento de Festa do Laço Comprido
SÃO JOÃO
Cadastro a interessados em participar da Festa Junina terminam dia 30
CÂMBIO, DESLIGO
Senado do Paraguai aprova investigação contra doleiro brasileiro
ESPORTES
Ações sociais e ambientais são realizadas durante os Jogos da Juventude
GREVE
Governo e caminhoneiros anunciam acordo para suspender paralisação
GREVE
Azambuja descarta reduzir ICMS para baixar preço dos combustíveis
CULTURA
Cineclube UFGD exibirá no sábado os vencedores da 6ª MAD

Mais Lidas

GASOLINA A R$ 5
Contra abuso nos preços, força-tarefa autua postos em Dourados
TENTATIVA DE HOMICÍDIO
Rixa antiga teria motivado atentado contra “zóio de gato”
DOURADOS
Grupo é flagrado marcando lotes durante invasão de área pública
CONFUSÃO
Cliente é agredido com socos por funcionário de posto de combustíveis
Os dois começaram a discutir e o frentista passou a atender outros clientes