Menu
Busca sexta, 18 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221
DOURADOS

HU publica protocolo e padroniza oferta de métodos de analgesia durante o trabalho de parto

14 junho 2018 - 10h07

Alinhado às Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal, do Ministério da Saúde, o Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU-UFGD) vem trabalhando para, cada vez mais, ofertar métodos seguros para o trabalho de parto, sem deixar de considerar os aspectos emocionais, humanos e culturais envolvidos no processo. Um desses métodos diz respeito à analgesia, como maneira de controlar a dor de forma efetiva e com o mínimo de efeitos colaterais.

Detentor da única maternidade pública de Dourados, o hospital também é referenciado para atender, além da demanda geral da cidade, as gestantes de toda a macrorregião que se encontram em situações de médio e alto risco, totalizando em média 300 partos por mês, dos quais cerca de 53% são normais (média anual até o mês de março, pelo sistema Datasus).

Desta forma, com objetivo de fornecer subsídios e orientações aos profissionais envolvidos no cuidado de mulheres em trabalho de parto, foi publicado em abril deste ano o Protocolo Clínico de Analgesia de Parto do HU-UFGD, documento que reúne e recomenda técnicas e procedimentos de reconhecida evidência científica para que a realização da analgesia de parto seja bem conduzida e tenha sucesso.

Direito de todas as parturientes, o acesso à analgesia durante o parto normal engloba tanto métodos farmacológicos como não farmacológicos de alívio da dor, e a solicitação por parte da mulher compreende indicação suficiente para que as técnicas comecem a ser empregadas, conforme a fase do parto e o grau de dilatação.

“Os métodos estão disponíveis a todas as parturientes, sendo que a equipe de profissionais envolvidos deve demonstrar sensibilidade quanto ao tipo de técnica a ser utilizada em cada paciente, já que a percepção de dor é um fenômeno subjetivo e individual”, esclarece o chefe do Setor de Urgência Materno-Perinatal, Alessandro Postal.

Métodos farmacológicos e não farmacológicos

Publicado no Boletim de Serviço nº 138 do HU-UFGD, de 23 de abril de 2018, o Protocolo Clínico de Analgesia de Parto define as responsabilidades dos diversos colaboradores envolvidos na condução do alívio da dor e uniformiza e padroniza as práticas e técnicas utilizadas. O documento foi elaborado por médicos obstetras e anestesiologistas, com base em protocolos já existentes e praticados por instituições referência do Ministério da Saúde, como é o caso da maternidade do Hospital Sofia Feldman, em Belo Horizonte (MG).

Nele, ficou definido que, não havendo contraindicações e estando confirmado o trabalho de parto, podem ser iniciados os procedimentos de analgesia, após verificado o desejo ou não da mulher em submeter-se às técnicas. Para tanto, a parturiente que solicita o emprego dos métodos, deve assinar o Termo de Consentimento Livre e Informado.

Iniciado o protocolo, a paciente é assistida por equipe multiprofissional, para suporte de sua condição emocional e a intervenção não farmacológica por meio de técnicas como massagem, exercícios respiratórios, cinesioterapia (terapia com movimentos e exercícios), termoterapia (terapia com aquecimento e resfriamento) e banhos de imersão.

Não sendo suficientes os métodos não farmacológicos, a parturiente pode ser submetida à prescrição de analgésicos e, esgotados os recursos anteriores e, não havendo contraindicações, pode ser providenciada a analgesia regional com intervenção do anestesiologista. Antes, no entanto, a mulher é informada a respeito dos riscos e dos benefícios da técnica e de como deve proceder após a instalação da analgesia.

Postal ressalta que, durante o trabalho de parto, é importante que a parturiente esteja em constante comunicação com a equipe assistencial, tanto para manifestar sua condição em relação à dor, quanto para obter informações sobre os métodos disponíveis e a possibilidade de sua utilização. “A equipe deve estar atenta e aberta a uma ampla e abrangente compreensão da situação de cada parturiente, pois para ela e seu bebê, o momento do parto é único”, conclui o médico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROVAS
Enem 2018: entre 4,1 milhões, apenas 55 redações tiveram nota máxima
NOVA ANDRADINA
Adolescentes pedem pizza, pagam com notas falsas e acabam presos
DOURADOS
Prejuízo ao narcotráfico chega a R$ 28 mi, aponta balanço
SAÚDE MENTAL
Depressão: precisamos falar sobre
VIAGEM
Praia do Rosa tem como 'charme' a bela natureza preservada
DOURADOS
Polícia não encontra e João Fava Neto é considerado foragido da Justiça
SÓ NO TRUQUE
Como ficar mais alta mesmo sem usar salto
ESPORTE
Game pantaneiro de beach tennis promete movimentar as areias do Belmar Fidalgo no fim de semana
HUMMMM!
Salada de Arroz com berinjela
ARQUITETURA
Reforma elimina paredes e garante vista panorâmica

Mais Lidas

VINGANÇA
Após execução, fronteira entra em alerta para “guerra sangrenta” por domínio do tráfico
FRONTEIRA
Ex-candidato a prefeito, tio de narcotraficante é executado em Ponta Porã
DOURADOS
Homem danifica carro por vingança em estacionamento de hipermercado e acaba preso
PARANHOS
Operação contra traficantes que abasteciam morros cariocas prende dois em MS