Menu
Busca segunda, 03 de agosto de 2020
(67) 99659-5905

Em depoimento GM reafirma que PM se identificou ao entrar na casa de PF

08 junho 2011 - 08h57

A Polícia Civil que investiga o caso da morte do militar Sandro Alvares Morel, 36 anos, ocorrida no dia 08 de maio, em Dourados, ouviu na manhã de de terça-feira (07) pela segunda vez a guarda municipal para esclarecer os fatos. Em depoimento, a guarda municipal reafirmou que ao entrar no apartamento do policial federal, Sandro se identificou como sendo da polícia duas vezes e o mandou deitar no chão.

No início do mês passado, o Policial Federal Leonardo de Lima Pacheco, acusado de matar o policial militar Sandro Álvares Morel, esclareceu ao Delegado Humberto Peres de Lima, no 1° Distrito Policial, que quando atirou no PM foi por legítima defesa, pois segundo Pachego, Morel teria atirado primeiro e que ele não sabia que era policial.

Durante todo o depoimento, Pacheco afirmou não saber que o homem que entrou em seu apartamento era um policial, pois ele tinha marcado um encontro com uma mulher pelo MSN, sendo esta a Guarda Municipal, mas que durante conversa na internet ele teria pensado que ela fosse uma prostituta, pois segundo ele durante as conversas ela teria pedido para que ele a pagasse pelo encontro.

###Divergência

O ponto de divergência entre os depoimentos está justamente nas versões dadas pelo PF e pela Guarda Municipal. Uma vez que o PF alega que o militar não se identicou como sendo da Polícia. Já a Guarda Municipal reafirmou que o PM antes de entrar no apartamento do Policial Federal se apresentou como sendo policial.

De acordo com Pacheco, a mulher por sua vez teria ido até o local, acompanhada por dois policiais que estavam de serviço pela PM. Pacheco disse que quando ela chegou ao apartamento perguntou se tinha mais alguém, foi quando Morel entrou no apartamento mandando ele deitar no chão.

O Policial Federal alegou que achou que havia caído em uma cilada e que eles quisessem assaltá-lo, pois segundo Pacheco o PM não estava uniformizado, tão pouco se apresentou como policial. Foi quando tentou pegar sua arma e o policial teria atirado duas vezes contra ele e para se defender também atirou.

Em seguida, quando Pacheco saiu do prédio e viu no pátio do condomínio a mulher conversando com outro homem, e o mesmo atirou contra ele, por sua vez também disparou o então PM José Pereira de Souza, que foi ferido na perna.


###Liberdade

No dia 13 de maio, a justiça concedeu liberdade provisória para o agente federal Leonardo de Lima Pacheco, 35 anos,

A defesa de Leonardo havia pedido ao juiz o relaxamento da prisão, por considerar que não houve elementos para o flagrante. O magistrado rejeitou esse pedido, mas entendeu que o policial federal pode responder ao processo em liberdade, por se tratar de réu primário, com residência fixa.

O agente da PF está na carceragem da Corporação em Dourados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

RIO NEGRO
Mulher é agredida ao pedir que netas parassem com som alto e bebedeira
RACHADINHAS
Procuradoria pede ao STJ que mande Fabrício Queiroz de volta à cadeia
PEDREIRO ASSASSINO
PM encontra com suspeito de estupro motocicleta de vítima de serial killer
JUSTIÇA
Ex-prefeito de Aquidauana é multado em R$ 13 mil por falta de transparência
BATAGUASSU
Polícia serra assoalho de veículo e encontra 108 quilos de maconha
UEMS
Inscrições abertas para seleção de docente Tradutor e Intérprete de Libras
POLÍTICA
Senador Nelsinho Trad conseguiu liberar R$ 59,4 milhões para MS em julho
NOVA ANDRADINA
Homem é preso por desacato e dirigir veículo sob influência do álcool
JUSTIÇA
TJ/MS lança Consulta Pública e declara aberto Planejamento Estratégico 2021-2026
INVESTIMENTO
Sanesul assina ordem de serviço para melhorias da rede de água em Aparecida do Taboado

Mais Lidas

ACIDENTE
Motociclista perde controle da moto e invade estabelecimento na Marcelino Pires
ACIDENTE
Jovem é atropelado em Dourados e motorista foge do local sem prestar socorro
TRÁFICO DE DROGAS
Força Aérea persegue pilotos que sobrevoavam MS com mais de 1 t de cocaína
DOURADOS
Quatro pessoas são presas acusadas de fazerem parte de facção criminosa