Menu
Busca segunda, 16 de julho de 2018
(67) 9860-3221
SAÚDE PÚBLICA

Geraldo pede fim de crise na Cardiologia e Hemodiálise em Dourados

08 novembro 2017 - 14h35

O deputado federal Geraldo Resende (PSDB), elogiou a decisão do Ministério Público Estadual (MPE), que, na terça-feira (7) ingressou com medida judicial visando à regularização dos atendimentos aos pacientes cardiológicos e vasculares em Dourados.

Em julho, o parlamentar alertou para o risco de colapso nos serviços de saúde de alta complexidade em Dourados, incluindo a oncologia, cardiologia e hemodiálise, e ingressou com representação junto ao Ministério Público Federal (MPF) para garantir a regularidade dos serviços aos pacientes dessas especialidades. Na época, o MPF remeteu o procedimento ao MPE.

“Cumprimento os promotores que ingressaram com Ação Civil Pública com o objetivo de se regularizar os atendimentos aos pacientes cardiológicos e vasculares em Dourados, uma vez que, infelizmente o alerta que fizemos se confirmou, pois o colapso se instalou na alta complexidade em Dourados e são necessárias providências urgentes”, salienta o deputado.

Na Ação Civil Pública os promotores Etéocles Brito Mendonça Dias Júnior, Ricardo Rotunno e Izonildo Gonçalves de Assunção Júnior, afirmam que o atendimento nas áreas de cardiologia e hemodiálise está completamente comprometido, prejudicando os pacientes de toda a Região da Grande Dourados.
         

Ao ingressar com a representação, em julho passado, Geraldo externou sua preocupação com a situação dessas especialidades “que chegaram num estágio de pré-falência em nossa cidade”. Na época, o parlamentar também levou o problema ao conhecimento do ministro da Saúde Ricardo Barros e do Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde (Denasus).
         

Cardiologia
         

Na ação proposta essa semana pelo MPE, pede-se a assinatura de um contrato entre o governo do Estado e o Município de Dourados, para os serviços de cirurgia cardíaca e cirurgia vascular, de urgência e emergência, e cirurgias eletivas.

Pede ainda que enquanto não for concretizado, o atendimento aos usuários SUS para esses serviços, seja feito na rede particular, às custas do poder público, ou que os pacientes sejam encaminhados a Campo Grande ou mesmo a outros Estados. Finalmente é pedido que para cada paciente não atendido, seja paga uma multa de R$ 10 mil.

“Tudo isso estaria resolvido se o alerta que fizemos, lá atrás, tivesse sido levando em conta”, afirma Geraldo Resende, que cobrou, na época, providências como a montagem de uma outra equipe de cardiologia para substituir aquela que estava deixando Dourados.

Em sua representação ao MPF, Geraldo afirmou que a demora para definir uma nova equipe de cirurgia cardiológica poderia ocasionar uma crise ainda mais profunda na saúde pública de Dourados, com o retrocesso de mais de 30 anos nesta área tão indispensável para a vida. Na oasião, a equipe de cirurgia cardíaca de Dourados realizava cerca de 25 cirurgias de alta complexidade e mais 15 procedimentos invasivos em média, por mês.

“A ausência desses profissionais fará com que os pacientes de Dourados tenham que ser transferidos para outra cidades, passando pelo desconforto e os riscos de viajar vários quilômetros para serem atendidos.

Vale destacar que tal especialidade é de extrema importância para os casos agudos de injúria cardíaca, o que culminará, invariavelmente, com aumento da mortalidade de pacientes agudamente enfermos”, afirmou Geraldo na representação.
         

Hemodiálise
         

Em seu pedido ao MPF e interlocuções com o Ministério da Saúde, Geraldo apontou que os serviços de terapia renal substitutiva estavam correndo sério risco de colapso “em razão da administração desastrosa do ex-gestor municipal de saúde e de equívocos que ainda não foram superados pela atual gestão da saúde”.

Na oportunidade, o parlamentar lembrou que Dourados tinha apenas 190 vagas para atender pacientes renais crônicos de 35 municípios da macrorregião “tanto que outros 15 pacientes de Dourados estão sendo obrigados a viajar mais de 240 quilômetros para serem submetidos à sessão de hemodiálise no município de Ponta Porã”, ressaltou.

Oncologia
 

Outro grave problema que o deputado tratou na representação e no Ministério da Saúde diz respeito ao atendimento aos pacientes com câncer em Dourados. “O serviço de Oncologia que foi prestado até o dia 14 de julho pela excelente equipe de oncologista do Hospital Evangélico de Dourados foi desestruturado e descredenciado”, salientou.

“Com isso, a Oncologia foi transferida para o Hospital Cassems, sabidamente sem infraestrutura física e de recursos humanos para assegurar atendimento digno aos pacientes do Sistema Único de Saúde”, afirmou o parlamentar.

Outro problema denunciado na oportunidade, é que o novo modelo estava levando à fragmentação do atendimento oncológico, não atendendo o que rege a Portaria 140/2014, definindo que os pacientes devem receber o tratamento na mesma estrutura hospitalar.
 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DINHEIRO PÚBLICO NO RALO
Abandonada pelo poder público, obra em parque vira "casa" de vândalos e cracolândia
BRASIL
Banco estatal alcança 76,8 milhões de contas poupança
MIRANDA
PMA leva conscientização ambiental durante a Feira Indígena
MS
Em sua 5ª edição, Batalha de Bandas abre inscrições para bandas autorais
CAMPANHA SEGUE
Dourados segue com vacinação antirrábica itinerante
REGULAMENTAÇÃO
Suspensa resolução da ANS sobre coparticipação em planos de saúde
FLORESTINHA
Projeto atende mais de 11 mil alunos em 24 escolas
RECLAMAÇÕES
Banco Central divulga ranking de queixas a bancos no segundo trimestre
SÃO GABRIEL DO OESTE
Rifle, munições e facas são apreendidas e caçador é preso
BRASIL
Abertas inscrições do Encceja para privados de liberdade

Mais Lidas

ACIDENTE
Douradense morre horas depois de cair do cavalo em fazenda
RESIDENCIAL BONANZA
Homem atropela casal em Dourados após ser contrariado
DOURADOS
Homem é assassinado na porta da própria casa
DOURADOS
Homem é atropelado após “roletar” avenida com bicicleta motorizada