Menu
Busca quinta, 27 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221
POLÍCIA

Força Nacional inicia mapeamento de áreas de conflito em Dourados

17 janeiro 2020 - 10h50Por André Bento e Osvaldo Duarte

A equipe da Força Nacional enviada para Dourados pelo Ministério da Justiça já deu início ao trabalho de mapeamento das áreas de conflito entre proprietários rurais e índios. Ao todo, 51 policiais devem ficar no 3º BPM (Batalhão de Polícia Militar) e parte do efetivo será deslocado diariamente para Caarapó, município vizinho distante 52 quilômetros.

As informações foram repassadas ao Dourados News na manhã desta sexta-feira (17) pelo tenente-coronel Carlos Silva, que comanda a PM local. Segundo ele, os dois lados envolvidos na demanda devem ser ouvidos antes de ser iniciado o policiamento ostensivo e preventivo.

“A Força Nacional vai ficar a princípio no 3º Batalhão, na Vila Industrial, mas vai continuar atendendo Caarapó, deslocando todo dia guarnição para lá e vai atender as nossas aldeias e áreas de conflito com policiamento ostensivo e preventivo”, informou.

O oficial celebra a vinda de mais uma unidade de segurança pública e destaca que o apoio permitirá atuação forma conjunta. “Com a experiência dos nossos policiais poderemos atuar de forma certeira”, pontua.

Carlos Silva lamenta que as notícias sobre a violência da nossa região repercutam mundialmente como uma atuação de proprietários rurais contra indígenas. “Não é isso. O que acontece é um grupo de baderneiros, pessoas sem identificação indígena, que não são da nossa região, não são reconhecidos pelas comunidades indígenas Bororó e Jaguapiru, e promovem atos violentos”, garante.

O comandante afirma que nas propriedades vizinhas à área de conflito, em trecho da Perimetral Norte próximo à Avenida Guaicurus, sempre que o produtor vai plantar ou colher tem que solicitar apoio da PM, que por sua vez só vai ao local com equipamento de choque “por que não há diálogo, são ataques constantes”.

“Verificamos atuação com arma de fogo. Nosso sistema de inteligência apurou arma com essas pessoas e isso traz riscos. Podemos ter situação de óbito e para o mundo parece que Dourados é uma cidade sem lei. Na verdade o problema são essas pessoas à margem da lei”, explica.

Quando à vinda da Força Nacional, autorizada a permanecer na região até agosto, o comandante da PM de Dourados afirma que a ideia principal é atuar na área de conflito, porém, antes eles devem conhecer a Reserva Indígena. “Primeiro eles precisam conhecer nossos indígenas, saber que dentro das aldeias tem pessoas trabalhadores, ordeiras, também tem traficantes, assaltantes, mas em sua grande maioria são pessoas honestas”, pontua.

Segundo ele, a Polícia Militar vai manter a linha de atuaçãp, com policiamento ostensivo e preventivo nas aldeias e se precisar, também na área de conflito.

“O trabalho conjunto foi iniciado ontem, estamos na fase de planejamento. A Força Nacional está mapeando a área de conflito e as pessoas que provocam o conflito. Ontem tivemos reunião com indígenas. Semana que vem terá reunião com proprietários rurais para estabelecer onde ocorrem problemas. Semana que vem inicia a fase operacional”, anunciou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Dólar sobe e renova patamar recorde de fechamento
CHAPADÃO DO SUL
Padrasto é denunciado após passar a mão na perna de enteada
JOGOS DE TÓQUIO
Coronavírus faz Japão cancelar evento-teste de judô paralímpico
DETRAN
Nova portaria possibilita ampliação do número de ECV´s em MS
SAÚDE
Exame dá negativo a 1º caso suspeito de coronavírus em MS; saúde aguarda contraprova
GOVERNADOR
Bruno Covas inicia imunoterapia para tratamento de câncer
REGIÃO
Homem é a 13ª vítima fatal da dengue no Estado em 2020
JARDIM ÁGUA BOA
Cofre furtado de mercado é encontrado em obra; ladrões levaram mais de R$ 3 mil
MATO GROSSO DO SUL
Em dois anos, Defensoria Pública do Estado ajuizou 381 ações contra concessionária
PIRACEMA
Apreensões durante operação chega a 859kg de pescado

Mais Lidas

MULTIDÃO
Carnaval na praça central de Dourados termina em ‘confusão e sujeira’
DOURADOS
Mulher tenta sair de mercado com quase R$ 700 em compras sem pagar
INVESTIGAÇÃO
Ex-prefeito de Amambai foi morto após discussão por desacordo trabalhista
PONTA PORÃ
Estado monitora caso suspeito de Coronavírus na fronteira