Menu
Busca Segunda, 20 de Novembro de 2017
(67) 9860-3221
DOAÇÃO DE ÓRGÃOS

"Sempre foi a vontade dele", diz filho de guarda municipal

11 Janeiro 2017 - 14h05

Joel da Silva Ramos de 27 anos, filho do Guarda Municipal Roberto Aparecido Ramos, que foi a óbito na segunda-feira (09), após sofrer um AVC (Acidente Vascular Cerebral), falou sobre o desejo do pai em doar os órgãos e sobre o momento de decisão da família em atender a vontade do pai, que ele classificou como não ser fácil.

O jovem estava juntamente com familiares no Hospital da Vida, onde ocorreu a captação dos órgãos do pai, [relembre aqui]( http://www.douradosnews.com.br/dourados/orgaos-captados-de-guarda-municipal-vao-para-capital-sao-paulo-e-acre).

"Olha, a decisão para doação de órgãos não é simples, pelo fato do procedimento burocrático que é demorado, muito minucioso, mas o nosso pai sempre quis ser doador de órgão e nós não podíamos deixar de acatar a decisão dele, sabendo que existia essa possibilidade de ajudar outras famílias e pessoas", contou Joel.

O rapaz disse ainda que a doação que é um ato de amor, faz com que a família se conforte em saber que o pai continua ajudando outras pessoas, sendo elas as que receberão os órgãos.

"Nós estamos fazendo com que outras famílias, não passem esse sofrimento da perda que nós passamos. O que conforta o nosso coração é saber que ele vai estar ainda em algum lugar no Brasil dentro de alguém, vai ter um pedacinho dele, que vai estar ajudando outras pessoas que é o que ele sempre fez da vida, é fazer o bem sem olhar a quem", desabafou o jovem.

Sobre a decisão em doar os órgãos, Joel conta que não foi fácil, mas a família já havia pensado na possibilidade quando receberam a notícia que o pai havia sofrido um AVC.

"Assim que foi constatado (a morte), mas nós já havíamos levantado essa possibilidade, quando ficamos sabendo que ele teve um AVC. Ele é doador de órgãos, sempre nos falou que ele seria doador se fosse possível e simplesmente acatamos a vontade dele. Por mais que o processo é um pouco mais sofrido. Mas acalmamos o nosso coração, que ele vai poder ajudar outras pessoas", enfatizou o jovem.

Ele disse ainda que apesar do momento difícil, as pessoas devem pensar sempre no amor ao próximo, saber que um ato como esse pode salvar a vida de outras pessoas, e amenizar a dor das famílias que aguardam por anos na espera de um transplante de órgão.

"Eu penso que temos que pensar no amor ao próximo, na fraternidade, na humanidade e pensar que se existe uma possibilidade de salvar uma vida e de ajudar outras pessoas, porque não fazer? É mais demorado? É, mas ele já se foi a dor que eu senti ontem é a mesma que irá permanecer, então não tem o porquê de adiantar o processo e enterrar o meu pai e saber que depois ele poderia salvar outras vidas. Eu peço que quem tiver a oportunidade, se for possível fazer a doação dos órgãos é muito importante para ajudar outras pessoas e famílias", finalizou o jovem.



Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSOS
Isis Valverde posa de lingerie em montanha
REGIÃO
Governador entrega investimentos e anuncia reconstrução do balneário municipal em Caarapó
ESPORTE
Bonito receberá última etapa do estadual de Beach Tennis
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Comissão vai debater cobrança por bagagem despachada
ITINERANTE
Carreta da Justiça inicia atendimentos na comarca de Figueirão
CONSCIÊNCIA NEGRA
Mais da metade da população brasileira se autodeclara como preta e parda
CAARAPÓ/AMAMBAI
Antes intransitável, reconstrução da MS-156 avança
DEFESA DO CONSUMIDOR
Na Capital, Procons vão orientar consumidores e fiscalizar lojas na Black Friday
TRABALHO
Caged de outubro indica saldo de 76 mil empregos, melhor resultado do ano
BRASILEIRÃO
Fluminense vence a Ponte e confirma vaga na elite

Mais Lidas

CENTRO
Ladrões invadem e furtam R$ 52 mil de loja em Dourados
DOURADOS
VÍDEO: Sucuri de mais de 3m é resgatada sobre cerca no Arnulpho
DOURADOS
"Quebra-vidraças" são apreendidos por furto e vandalismo
TRÁFICO
PF apreende em Recife droga que saiu de Dourados