Menu
Busca sexta, 18 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221

Falta de investimento ameaça etanol no Brasil

23 maio 2011 - 08h33

A freada nos investimentos do setor sucroalcooleiro, após o revés sofrido com a crise mundial de 2008, poderá interromper o sucesso do etanol brasileiro, uma experiência vista como modelo no mundo inteiro. Sem grandes projetos à vista, a expectativa é que haja déficit de cana-de-açúcar para atender à frota crescente de veículos flexíveis, cuja participação no mercado nacional tem avançado a uma taxa média de 35% ao ano desde 2006.

Se não houver uma reversão no quadro, a previsão é que o volume de carros bicombustível abastecidos com etanol caia gradualmente. A participação, que já atingiu 60% na safra 2008/2009, recuou para 45% neste ano e pode cair para 37% em 2020/2021, segundo dados da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica). Na prática, o motorista terá de consumir mais gasolina, por causa da desvantagem do preço, ou reduzir o uso do veículo.

A meta da Unica era abastecer com etanol 66% da frota de bicombustíveis – ou seja, dois terços do mercado. Mas falta matéria-prima. Nesta safra, por exemplo, o déficit seria de 143 milhões de toneladas de cana para conseguir atingir o objetivo. Para os próximos dez anos, a diferença tende a aumentar e alcançar 400 milhões de toneladas se novos projetos não saírem do papel.

Esse déficit deve ocorrer mesmo com a expansão prevista para as 430 usinas em operação hoje, diz o presidente da Unica, Marcos Jank. A expectativa é de que, juntas, elas acrescentem 342 milhões de toneladas de cana nos próximos dez anos, sendo 146 milhões até 2015. Isso vai envolver a renovação dos canaviais e a expansão da área plantada. Mas esses investimentos serão suficientes apenas para atender a uma parte da demanda.

Para abastecer 66% dos carros flex, o país teria de dobrar a área plantada, chegando a algo como 18 milhões de hectares – isso, nos padrões atuais, sem considerar as novas tecnologias, que poderão aumentar a produtividade. Na safra atual, o aumento da área plantada será de 4,8%, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Nas contas de Jank, o setor precisará de R$ 80 bilhões de investimentos nos próximos dez anos para atender à demanda. Isso significa 133 usinas ou 15 unidades por ano.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Dólar sobe nesta sexta e termina a semana em alta
CAMPO GRANDE
Homem atira contra mulher, pula de cachoeira e morre
DOURADOS
Consumidores reclamam dos valores nas contas e prometem protesto contra a Energisa
DOURADOS
Investigado por corrupção, Idenor Machado volta a ser preso
ABIGEATO
Grupo que furtava gado é flagrado e cinco são presos
BRASIL
Seguro-desemprego é reajustado em 3,43%
BALANÇO
MS abriu 6.360 empresas em 2018, melhor desempenho dos últimos 4 anos
BRASIL
Fux decide que não há urgência em ação contra posse de armas
ITAPORÃ
Raio atinge casa de vereador e quebra antena ao meio
DICAS
Como investir em opções binárias em 2019

Mais Lidas

VINGANÇA
Após execução, fronteira entra em alerta para “guerra sangrenta” por domínio do tráfico
FRONTEIRA
Ex-candidato a prefeito, tio de narcotraficante é executado em Ponta Porã
DOURADOS
Homem danifica carro por vingança em estacionamento de hipermercado e acaba preso
POLÍCIA
Rapaz é preso acusado de realizar ‘disk-droga’ em Dourados