Menu
Busca segunda, 19 de agosto de 2019
(67) 9860-3221

Falta de investimento ameaça etanol no Brasil

23 maio 2011 - 08h33

A freada nos investimentos do setor sucroalcooleiro, após o revés sofrido com a crise mundial de 2008, poderá interromper o sucesso do etanol brasileiro, uma experiência vista como modelo no mundo inteiro. Sem grandes projetos à vista, a expectativa é que haja déficit de cana-de-açúcar para atender à frota crescente de veículos flexíveis, cuja participação no mercado nacional tem avançado a uma taxa média de 35% ao ano desde 2006.

Se não houver uma reversão no quadro, a previsão é que o volume de carros bicombustível abastecidos com etanol caia gradualmente. A participação, que já atingiu 60% na safra 2008/2009, recuou para 45% neste ano e pode cair para 37% em 2020/2021, segundo dados da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica). Na prática, o motorista terá de consumir mais gasolina, por causa da desvantagem do preço, ou reduzir o uso do veículo.

A meta da Unica era abastecer com etanol 66% da frota de bicombustíveis – ou seja, dois terços do mercado. Mas falta matéria-prima. Nesta safra, por exemplo, o déficit seria de 143 milhões de toneladas de cana para conseguir atingir o objetivo. Para os próximos dez anos, a diferença tende a aumentar e alcançar 400 milhões de toneladas se novos projetos não saírem do papel.

Esse déficit deve ocorrer mesmo com a expansão prevista para as 430 usinas em operação hoje, diz o presidente da Unica, Marcos Jank. A expectativa é de que, juntas, elas acrescentem 342 milhões de toneladas de cana nos próximos dez anos, sendo 146 milhões até 2015. Isso vai envolver a renovação dos canaviais e a expansão da área plantada. Mas esses investimentos serão suficientes apenas para atender a uma parte da demanda.

Para abastecer 66% dos carros flex, o país teria de dobrar a área plantada, chegando a algo como 18 milhões de hectares – isso, nos padrões atuais, sem considerar as novas tecnologias, que poderão aumentar a produtividade. Na safra atual, o aumento da área plantada será de 4,8%, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Nas contas de Jank, o setor precisará de R$ 80 bilhões de investimentos nos próximos dez anos para atender à demanda. Isso significa 133 usinas ou 15 unidades por ano.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Dólar tem forte alta e fecha acima de R$ 4,05 em meio a ajustes e cautela no exterior
MANIFESTAÇÃO
Movimento pede veto a projeto de lei sobre abuso de autoridade em Dourados
MS-156
Após perseguição, motorista é flagrado levando 2t de maconha dentro de caminhão
NAVIRAÍ
Envolvidos com roubo de caminhonete são presos e menor apreendido
OPORTUNIDADE
JBS abre vagas para eletricista industrial e faqueiro de abate em MS
CORUMBÁ
Mulher é presa em MS levando cocaína dentro do estômago; droga seria entregue em Roma
DOURADOS
Procurador da Lava Jato abrirá a XL Semana Jurídica da Unigran
ESPORTE
Dourados traz medalhas e troféus dos Jogos da Melhor Idade
CAMPO GRANDE
Termina hoje período de lances para leilão do Detran
BIOMETRIA
Itaporã conta com posto para atendimento ao eleitor até o dia 25 de outubro

Mais Lidas

DOURADOS
Homem tem residência visitada por bandido e carro furtado
POLÍCIA
Homem é executado por pistoleiros em Ponta Porã
DOURADOS
Polícia investiga causas de acidente com morte na BR-163
ACIDENTE
Carro na contramão bate em van da banda Sampa Crew e deixa 1 morto e vários feridos