Menu
Busca quarta, 24 de abril de 2019
(67) 9860-3221
DOURADOS

TCE condena ex-vereador a devolver mais de R$ 400 mil aos cofres públicos

19 setembro 2017 - 17h20

O ex-secretário municipal de Serviços Urbanos e ex-vereador, Cláudio Marcelo Machado Hall, terá que devolver mais de R$ 400 mil aos cofres públicos por procedimento licitatório considerado irregular firmado quando esteve a frente da pasta no ano de 2009, em Dourados.

A decisão do Tribunal de Contas da União de Mato Grosso do Sul foi divulgada nesta terça-feira (19).

"Marcelão" como é popularmente conhecido, foi eleito em 2008 ao cargo de vereador pelo PR e posteriormente foi convidado a assumir a secretaria a pedido do prefeito da época, Ari Artuzi.

Ele é marido da vereadora e presidente da Câmara de Dourados, Daniela Hall (PSD), terá ainda que pagar multa no valor de R$ 22.613,85 pela ação.

Conforme o TCE, foi constatado "descumprimento de requisito autorizador essencial à deflagração de certame" em procedimento licitatório com tomada de preços e formalização de contrato entre o município e a empresa de pequeno porte Multserv Prestação de Serviços Ltda.

A negociação visava a execução de obras de urbanização, construção de calçadas e meio fios no distrito de Indápolis.

Diante de medida designada pelo conselheiro Ronaldo Chadid, foi reconhecida nulidade no processo e impugnação no valor de R$ 458.184,29 referente ao valor integral do contrato, com responsabilidade à Marcelão que terá ainda que arcar com a multa regimental.

Marcelão ainda enquanto vereador, havia sido preso junto a outros representantes políticos na Operação Uragano, deflagrada em setembro de 2010, em Dourados. A ação investigava esquema de fraude em licitações e pagamento de propina.

O Dourados News tentou contato com o ex-vereador para um posicionamento sobre a situação, no entanto, até o fechamento desta reportagem não obteve sucesso.

Outras impugnações

Ainda nesta terça-feira (19), o TCE determinou multa de R$ 4,307,40 e impugnação do valor de R$ 205.604,60 à ex-prefeita de Três Lagoas, Márcia Maria Souza da Costa Moura de Paula. A medida ocorre por irregularidades em contrato celebrado entre o Município de Três Lagoas e CRISP Transporte e Turismo Ltda para fim de contratação de empresa em caráter emergencial para locação de ônibus e micro-ônibus no transporte dos usuários do SUS - Sistema Único de Saúde-.

O ex-prefeito de Sidrolândia, Ari Basso, também terá que "mexer no bolso" conforme determinação do TCE. No caso, a medida definiu multa de R$ 2,919,46 por irregularidade em contrato administrativo celebrado enquanto esteve à frente da gestão entre o município de Sidrolândia e a empresa Açougue e Mercearia Tamandaré Ltda ME para aquisição de gêneros alimentícios.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAARAPÓ
Bombeiros encontram corpo de criança que se afogou em rio
BRASIL
Tabela do frete é reajustada em 4,13%
CONTRA VIOLÊNCIA
Médicos de MS querem mais segurança para trabalhar
CONFORTO E ELEGÂNCIA
Visuais com vestidos fluidos para você se inspirar
TRÁFICO
Mulher é presa transportando 20kg de maconha em ônibus
TURISMO SOCIAL
Conheça quatro projetos para fazer trabalho voluntário na Amazônia
DOURADOS
“Mãe Jornalista Convida” supera as expectativas e reúne mais de 100 mães
QUARTA FASE
Vasco recebe o Santos em duelo decisivo pela Copa do Brasil
DOURADOS
Marcelino Pires terá interdição no cruzamento da “Mão do Braz” por 15 dias
BRASIL
Indígenas pedem apoio no Congresso contra MP da demarcação de terras

Mais Lidas

DOURADOS
Preso é baleado ao estourar cadeado de cela para buscar ‘encomenda’ no pátio da PED
DOURADOS
Preso baleado na perna tentava pegar malote com 13 celulares
DOURADOS
Homem morre no HV após ser espancado e polícia suspeita de latrocínio
IMPASSES
UFGD "desafia" MEC e Ministério pede realização de nova eleição para Reitoria