Menu
Busca quinta, 27 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221
DOURADOS

Ex-secretário de Saúde tem mais um habeas corpus negado

17 janeiro 2020 - 09h21Por André Bento

O desembargador Fausto De Sanctis, relator da 11ª Turma do TRF 3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), negou liminarmente novo pedido de liberdade interposto pela defesa do médico Renato Oliveira Garcez Vidigal, ex-secretário de Saúde de Dourados preso desde o dia 6 de novembro de 2019 acusado de integrar esquema de fraudes licitatórias e desvio de dinheiro público.

Em decisão proferida na quarta-feira (15), é comunicado o indeferimento de Habeas Corpus, com pleito liminar, impetrado pela advogada Jennifer Batista Faria, contra ato judicial emanado pela 1ª Vara Federal de Dourados quanto ao indeferimento do pedido de revogação da prisão preventiva decretada nos autos da ação penal nº 5002425-62.2019.4.03.6002.

A defensora apontou a descoberta da prática de depoimentos falsos, perpetrados por testemunhas que disseram sentir-se ameaçadas pelo médico, cujos conteúdos foram expressamente citados na decretação da preventiva, culminando na oferta de novo pedido de revogação da preventiva, identicamente negado pelo juízo.

Segundo ela, as testemunhas “teriam deliberadamente uniformizado suas versões dos fatos para incriminarem o paciente e alegarem que ele os ameaçava, conforme divulgado na imprensa douradense e ratificado por print’ de conversa via whatsapp”.

Para a advogada, “simples ilações não são de molde a tolher a liberdade do cidadão, tratando-se, a prisão cautelar, de medida excepcionalíssima, tanto mais porque ausente condenação passada em julgado”.

Esse pedido de liberdade havia sido feito em 29 de dezembro, mas a juíza federal Vanessa Vieira de Mello, plantonista, determinou remessa à relatoria sorteada, “a quem, inclusive, melhor dirá acerca da própria admissão da presente medida, que, como visto, reprisa pleito de reconsideração já deduzido nos autos do primeiro ‘habeas corpus’ dinamizado”.

E na decisão desta semana, o relator da 11ª Turma considerou que esse pleito versa sobre pedido idêntico ao formulado no Habeas Corpus nº 5029990-62.2019.4.03.0000, distribuído também a ele, cuja liminar foi indeferida, encontrando-se pendente de apreciação o pedido de reconsideração. “Desta feita, nos termos do artigo 188, caput, do Regimento Interno desta Corte, quando o pedido deduzido em Habeas Corpus for incabível ou for reiteração de outro com os mesmos fundamentos, seu indeferimento liminar é de rigor", pontuou.

Em outro recurso, impetrado em 22 de dezembro no STF (Supremo Tribunal Federal), concluso ao relator, ministro Marco Aurélio, o advogado João Arnar Ribeiro tenta reverter decisão do ministro Nefi Cordeiro, relator da Sexta Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que negou pedido de liberdade em 17 de dezembro.

No dia 7 de janeiro, o advogado Leonardo Alcântara Ribeiro protocolizou agravo regimental na Sexta Turma do STJ, desde então concluso para julgamento ao relator. Seu cliente está preso na Penitenciária Estadual de Dourados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DETRAN
Nova portaria possibilita ampliação do número de ECV´s em MS
SAÚDE
Exame dá negativo a 1º caso suspeito de coronavírus em MS; saúde aguarda contraprova
GOVERNADOR
Bruno Covas inicia imunoterapia para tratamento de câncer
REGIÃO
Homem é a 13ª vítima fatal da dengue no Estado em 2020
JARDIM ÁGUA BOA
Cofre furtado de mercado é encontrado em obra; ladrões levaram mais de R$ 3 mil
MATO GROSSO DO SUL
Em dois anos, Defensoria Pública do Estado ajuizou 381 ações contra concessionária
PIRACEMA
Apreensões durante operação chega a 859kg de pescado
DOURADOS
Procon fiscaliza venda irregular de azeite e milho em conserva em supermercados
ECONOMIA
Contas públicas têm superávit recorde de R$ 44,12 bi em janeiro
MATO GROSSO DO SUL
Traficantes tinham modalidade de "disque-drogas" em cidade do interior

Mais Lidas

MULTIDÃO
Carnaval na praça central de Dourados termina em ‘confusão e sujeira’
DOURADOS
Mulher tenta sair de mercado com quase R$ 700 em compras sem pagar
INVESTIGAÇÃO
Ex-prefeito de Amambai foi morto após discussão por desacordo trabalhista
PONTA PORÃ
Estado monitora caso suspeito de Coronavírus na fronteira