Menu
Busca Quarta, 22 de Novembro de 2017
(67) 9860-3221
Tribunal de Contas de MS - Novembro 2017
ANGELA MENDONÇA DE SOUZA

Enfermeira fala sobre a importância da higiene aos profissionais da saúde

04 Maio 2017 - 06h47



O simples hábito de higienizar as mãos é de suma importância na manutenção dos ambientes de atenção à saúde como locais seguros, tanto para os trabalhadores como para pacientes e acompanhantes. A conscientização para a prática, tão básica e fundamental na prevenção e redução de infecções, agora é reforçada globalmente no dia 5 de maio, Dia Mundial de Higienização das Mãos, no qual a Organização Mundial da Saúde (OMS) propõe uma jornada de mobilizações.

Diante disto, o Dourados News traz uma entrevista com a enfermeira Angela Mendonça de Souza, coordenadora do Núcleo de Segurança do Paciente do Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU-UFGD), disponibilizada pela instituição, para falar sobre o assunto e alertar a população sobre a importância da correta higienização das mãos.

Apesar de simples e corriqueiro, o ato de higienizar as mãos tem se tornado foco de mobilizações mundo afora, principalmente em ações voltadas aos profissionais de saúde. A relevância dada ao tema se justifica pela fundamental importância dessa higiene na manutenção dos ambientes de atenção à saúde como locais seguros, tanto para os trabalhadores como para pacientes e acompanhantes.

Embora o hábito de lavar as mãos seja cotidiano atualmente, a descoberta científica de sua importância data de pouco mais de 150 anos, quando o médico húngaro Ignaz Philip Semmelweis comprovou a relação de casos de mortalidade em mulheres que acabavam de dar à luz ao fato de que os médicos que as atendiam saiam diretamente da sala de autópsia para a de obstetrícia, sem higienizar as mãos. A partir daí, ele passou a insistir que estudantes e profissionais lavassem suas mãos com solução clorada, comprovando a hipótese: em um mês, a taxa de mortalidade caiu de 12,2 para 1,2%.

Especialista em Enfermagem Cirúrgica e Terapia Intensiva, a profissional explica o passo a passo de uma higienização adequada e em que momentos deve ser aplicada, na rotina de casa e, também, no dia a dia dos profissionais de saúde.

Confira a entrevista completa, realizada pela Unidade de Comunicação Social do HU-UFGD:

UCS/HU-UFGD – Por que o ato de higienizar as mãos, já corriqueiro na cultura ocidental, tem se tornado pauta frequente de discussões e campanhas de conscientização na área da saúde, inclusive com dedicação efetiva da Organização Mundial da Saúde?

A.M.S – A higienização das mãos é uma ação simples e muito eficaz para redução de infecções, além de aumentar a segurança de pacientes e de profissionais em todos os ambientes de assistência à saúde, seja no hospital ou no atendimento em consultórios. As mãos são consideradas as principais ferramentas dos profissionais que atuam nos serviços de saúde, pois são as executoras das atividades realizadas. A pele, no entanto, pode carregar uma infinidade de micro-organismos que podem ser transferidos em contato direto (pele com pele) ou indireto (por toque em objetos ou superfícies contaminadas). Assim, uma higienização cuidadosa e frequente das mãos fortalece um cuidado seguro. É importante que todos os profissionais que trabalham em serviços de saúde ou que atuam na manipulação de medicamentos, alimentos e material estéril ou contaminado realizem a correta higienização. Recomenda-se, também, que familiares, acompanhantes e visitantes higienizem as mãos antes e após contato com o paciente, nos serviços de saúde.

UCS/HU-UFGD – Por que atualmente se usa a expressão "higienizar" ao invés de "lavar"? Há diferenças entre as duas práticas? Se sim, quais são?

A.M.S – A "higienização" das mãos se entende como algo mais abrangente, pois além do uso da água e do sabão também se podem empregar produtos à base de álcool ou outros antissépticos que auxiliam na remoção dos germes, principalmente os micro-organismos multirresistentes comuns nas unidades hospitalares. Tanto a higienização com água e sabão, quanto o uso de soluções antissépticas, como o álcool gel, são eficazes. Porém, na presença de sujidade visível ou após a manipulação de secreções ou fluídos, sempre se dá preferência para o uso de água e sabão. É importante destacar que, mesmo com o uso de luvas, a higienização das mãos deve ser feita sempre que o profissional de saúde tocar o paciente ou o ambiente ao redor.

UCS/HU-UFGD – A maioria das pesquisas demonstra que, no dia a dia, as pessoas apenas lavam as mãos e de forma superficial. Como deve ser feita a correta higienização das mãos, principalmente na área de saúde (envolvendo profissionais e visitantes/acompanhantes)? Além de água e sabão, é indicado o uso de alguma outra substância nesse processo? Existem técnicas adequadas?

A.M.S – Apesar de ser um processo simples, a higienização das mãos, para ser efetiva, deve atingir todas as partes das mãos. É necessário fazer fricção (esfregar) e respeitar as etapas, o tempo necessário, a quantidade de vezes necessárias e a qualidade do produto a ser utilizado. Nenhuma parte pode ser esquecida. Uma boa higienização das mãos deve obedecer os seguintes passos: 1. Para a higiene com água e sabão > Molhe as mãos com água > Aplique na palma da mão em forma de concha a quantidade de sabonete (de preferência líquido) suficiente para cobrir toda a superfície das mãos > Ensaboe as palmas das mãos friccionando-as entre si > Esfregue a palma e o dorso das mãos, entre os dedos e sob as unhas, polegares e os punhos > Enxague bem as mãos com água. Seque as mãos com papel absorvente. 2. Para a higienizar com álcool gel > Aplique na palma da mão em forma de concha a quantidade de álcool líquido suficiente para toda a superfície das mãos > Espalhe nas palmas das mãos friccionando-as entre si > Esfregue a palma e o dorso das mãos, entre os dedos e sob as unhas, polegares e os punhos > Com o uso de álcool gel não é preciso enxaguar e nem secar com papel toalha. Muitas pessoas se esquecem de retirar adornos, como anéis, relógios e pulseiras, antes de iniciar a limpeza das mãos. Sob esses objetos, frequentemente, acumulam-se micro-organismos, o que impede a realização da técnica adequada de higienização das mãos.

UCS/HU-UFGD – Em casa, em que momentos é necessário lavar as mãos? E em unidades de saúde, quando os profissionais, acompanhantes e visitantes devem fazer a higienização?

A.M.S – Em casa: Antes, durante e depois do preparo de qualquer alimento; antes de tocar em qualquer coisa que vá à boca do bebê; antes e depois de tocar numa pessoa doente; após coçar ou assoar o nariz; antes e depois das refeições; após ir ao banheiro; antes e depois de tratar algum machucado ou ferimento; depois de trocar fraldas ou ajudar uma criança a se limpar; depois de tocar, alimentar ou limpar um animal; depois de manipular a comida ou os objetos dos animais de estimação e depois de tocar no lixo. No hospital: Ao chegar no quarto do paciente para visita (para não trazer micro-organismos de fora), antes e depois do contato com ele e ao sair do quarto. Caso o acompanhante ou o familiar estiver auxiliando no cuidado ao paciente, é necessário higienizar as mãos antes e depois do contato. Pacientes e acompanhantes também podem lembrar ao profissional de saúde sobre higienizar as mãos, pois na correria das tarefas essas falhas podem acontecer. Não se trata em chamar a atenção de forma rude, pois o paciente deve ser a prioridade no cuidado seguro. Existem, inclusive, cinco momentos preciosos para o profissional proceder a higienização das mãos: 1. Antes do contato com o paciente, mesmo que para um simples aperto de mão, pois o mesmo profissional pode ter tido contato com outro paciente antes. 2. Antes e depois de realizar procedimentos no paciente, como um curativo, por exemplo. Mesmo que utilize luvas, ele deve higienizar as mãos antes e depois. 3. Após a manipulação de fluídos ou secreções, mesmo que tenha usado luvas, pois durante a retirada das luvas ele pode se contaminar com fezes e urina, por exemplo. 4. Depois do contato com o paciente. 5. Após o contato com ambiente próximo do paciente, mesmo que seja para algo simples como desligar a bomba de infusão.

UCS/HU-UFGD – Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, infecções relacionadas à assistência à saúde afetam milhões de pacientes e têm um impacto significativo nos usuários e nos sistemas de saúde em todo o mundo. Além da higienização das mãos que outras medidas simples devem ser adotadas para reduzir esses índices?

A.M.S – As Comissões de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) atendem prontamente a essa finalidade, pois, em conjunto com os profissionais da saúde, procedem na adoção de condutas e precauções padrões e na implementação de estratégias de educação permanente aos trabalhadores, a fim de melhorar suas ações, a assistência e a sobrevida dos pacientes. Exemplos de medidas: precaução padrão, precaução de contato – quando existe histórico do paciente com bactérias multirresistentes ou também na suspeita –, precauções respiratórias, prevenção de acidentes com materiais perfurocortantes, descontaminação do ambiente após a alta do paciente, limpeza, desinfecção ou esterilização de todos os artigos e equipamentos antes de serem utilizados em outro paciente e estímulo ao uso racional de antimicrobianos (medicamentos como antibióticos, por exemplo), que dentro de um estabelecimento de saúde tem como objetivo evitar ou minimizar o fenômeno da multirresistência bacteriana.



Deixe seu Comentário

Leia Também

LUA DE MEL
Atleta do nado curte dia de sol nas Maldivas
DOURADOS
Prefeita recebe Udam e destaca trabalho conjunto com presidentes de bairros
ASSEMBLEIA
Executivo envia três projetos à Casa de Leis nesta quarta-feira
FUTSAL
Presidente Vargas é campeão do Estadual feminino
BRASIL
CCJ dá início à tramitação da PEC que acaba com foro privilegiado
SAÚDE
"Ônibus da Saúde" leva atendimento oncológico até Fátima do Sul no próximo sábado
EDUCAÇÃO FÍSICA
Participantes do Desafio 15 Dias do Jorjão perderam 332 quilos
ECONOMIA
Dólar cai e volta a R$ 3,23 com exterior e à espera de reforma da Previdência
DOURADOS
Délia recebe entidades conveniadas e garante manter parcerias
DOURADOS
Termina amanhã as inscrições para residências no HU

Mais Lidas

DOURADOS
Homem foi executado com dois tiros e suspeita é de "guerra" entre grupos
DOURADOS
Homem é encontrado morto com tiro dentro de carro em Dourados
É OU NÃO É
Quem perder o prazo da biometria vai ter de pagar multa de R$ 150?
CANAÃ I
Homem é preso com mais de 100 porções de pasta base