Menu
Busca sábado, 21 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Energia mais barata é conquista do povo, afirma Marçal Filho

27 dezembro 2012 - 10h42



O deputado federal Marçal Filho (PMDB) enfatizou ontem que a redução de 20% na tarifa de energia elétrica aprovada pela Câmara dos Deputados é uma conquista do povo brasileiro, que soube cobrar dos seus representantes no Congresso Nacional uma medida eficaz para reduzir a conta mensal de luz. "É um contrasenso a nossa energia elétrica ter o custo mais elevado do mundo uma vez que produzimos a energia mais barata do planeta que é a hídrica", enfatiza Marçal. "Hoje, o custo da energia é o maior peso no orçamento doméstico, empresarial e industrial, já que o fato de termos a energia mais cara do planeta reflete diretamente na vida de todas as pessoas, no setor produtivo e no desenvol-vimento do próprio país", conclui.

Marçal Filho lembra que o elevado custo da energia elétrica de Mato Grosso do Sul sempre esteve na pauta do mandato. "Como nossa energia é a mais cara do Estado e o Brasil tem a tarifa mais elevada do mundo, logo os sul-mato-grossenses pagam a conta de luz mais cara do planeta", analisa o deputado. "Levei essa conclusão à CPI da Energia instalada pela Câmara dos Deputados no mandato passado e fiz questão de fazer constar no trabalho da comissão o relatório da CPI da Enersul, realizada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, que apontou justamente o disparate da nossa tarifa", ressalta. "Espero, agora, que a venda da Enersul não inter-fira neste processo de redu-ção tarifária e vou acompa-nhar isso de perto", enfatiza.

De acordo com todos os setores, de uma forma ou outra, sentem no bolso o fato de o Brasil possuir uma das tarifas de energia elétrica mais caras do planeta. "Essa realidade começará a mudar a partir da entrada em vigor as regras da Medida Provisória número 579 que regulamenta as concessões de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, de forma que fico imensamente feliz em ter votado favorável à aprovação da MP porque a iniciativa da presidente Dilma promove a justiça social ao diminuir em 20% a conta de energia das famílias brasileiras", ressalta.

Marçal Filho explica que com a mudança, uma família de baixa renda que paga R$ 100 mensais de energia, passará a pagar R$ 80; quem paga R$ 200 passará a pagar R$ 160 e quem paga R$ 300 passará a pagar R$ 240, num efeito dominó que beneficiará as famílias e todo setor produtivo, mesmo porque as grandes indústrias poderão ter redução de até 28,5% na conta de energia elétrica. "Essa política da presidente Dilma Rousseff atende ao clamor da sociedade brasileira, que carrega nas costas uma pesada carga tributária, mas atende também parte dos deputados e senadores que têm ocupado a tribuna do Congresso Nacional para reclamar do auto preço da energia elétrica em todo o Brasil", argumenta.

O deputado enfatiza que essa também foi uma luta do mandato dele. "Eu mesmo, por diversas vezes, discursei na Câmara dos Deputados alertando para a necessidade de reduzir o excessivo número de impostos embutidos nas contas de energia elétrica e, com isso, diminuir o valor da fatura que chega todos os meses às famílias, empresas e indústrias", explica.

Ele ressalta que essa redução de 20% na tarifa de energia poderia ser maior caso o governo acabasse com meta-de dos impostos embutidos hoje na conta de energia, onde o consumidor paga desde PIS e Cofins, até ICMS, Cosip e os encargos setoriais como a Conta de Consumo de Combustíveis (CCC); Encargo de Capacidade de Emergência (ECE); Reserva Global de Reversão (RGR); Taxa de Fiscalização de Serviços de Energia Elétrica; Conta de Desenvolvimento Energético (CDE); Encargos de Serviços do Sistema (ESS); Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética; Operador Nacional do Sistema (ONS).

"Ao mesmo tempo em que o governo federal faz a parte dele, desonerando os impostos sobre a energia elétrica, fico triste ao constatar que a Prefeitura de Dourados, por meio do projeto de reformulação do Código Tributário Municipal, reajustou de forma abusiva as taxas de fiscalização de publicidade e de uso do solo, gerando ainda mais carga tributária para o comércio, justamente o setor que mais gera empregos e divisas para o município", observa. "A prefeitura caminha na contramão ao aumentar impostos, quando todos os esforços são no sentido de reduzir a carga tributária", finaliza Marçal Filho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LOTERIA
Mega Sena pode pagar R$ 62 milhões neste sábado
CAMPO GRANDE
Homem escala torre de energia e cai ao encostar na rede de alta tensão
ELEIÇÕES 2018
Mesmo com Puccinelli preso, MDB retoma na segunda preparativos para lançamento de sua candidatura
ELEIÇÕES 2018
PDT lança Odilon ao governo e se alia ao Pros e Podemos
CAMPO GRANDE
Mulher morre ao bater carro na traseira de caminhão parado
SUB-19
Sete sai na frente, toma a virada e perde a liderança para o União ABC
FLAGRANTE
Maconha apreendida em Dourados deve chegar a 2t
FUTEBOL DE BASE
Fase quartas de final do Estadual Sub-17 começa neste sábado
DOURADOS
Trio armado invade lanchonete e leva dinheiro de comerciantes
DOURADOS
Polícia apreende carreta na Presidente Vargas com droga que seria levada até SP

Mais Lidas

ALBINO COM A JOAQUIM
Músico morre quatro dias após acidente no Centro de Dourados
LAMA ASFÁLTICA
Puccinelli, filho e advogado são presos na Capital
ÁGUA BOA
Ferido com tiro durante comemorações na Copa é preso com drogas em Dourados
DOURADOS
Vereador é assaltado por dupla armada ao chegar em casa