Menu
Busca segunda, 22 de abril de 2019
(67) 9860-3221
LOCAL INVADIDO

Após vistoria, Dioclécio ainda não tem prazo de entrega definida

28 maio 2015 - 15h45

O relatório com o custo total que terá que ser gasto para arrumar os estragos deixados após invasão do residencial Dioclécio Artuzi III ainda não foi concluído pelos responsáveis e também não existe previsão para que isso aconteça. A entrega das casas aos contemplados também não tem data prevista. O local foi invadido por centenas de famílias sem-teto no dia 11 de abril, e a saída deles ocorreu um mês depois.

De acordo com a assessoria da Caixa Econômica Federal, o levantamento dos itens que precisam ser consertados e com o que ainda faltava finalizar foi feito e agora a equipe designada irá calcular o montante.

“Não dá para prever quando será o término da obra e entrega. É uma análise bem detalhada feita pelos técnicos”, informou a assessoria.

Um dos representantes da empreiteira responsável LC Braga, Ramão Pedroso, havia informado após saída dos invasores que o [valor total de prejuízos deveria ser calculado em cerca de dez dias](http://www.douradosnews.com.br/dourados/responsaveis-devem-demorar-dez-dias-para-calculo-total-de-prejuizo-deixado-por-invasores). .

Já José Francisco Correia de Almeida, que também representa a empresa em Dourados, afirmou que a equipe constatou ao fazer o relatório, que grande parte das casas foi bastante deteriorada.


“É triste ver as casas naquela situação, já estavam indo para a reta final das obras e agora tem muita coisa a ser feita, já que a maioria está muito danificada”, citou.

As 450 casas invadidas fazem parte do programa “Minha casa minha vida”, a previsão era de serem entregues em 2014, data estipulada para ficarem prontas. A lista com as famílias contempladas com a moradia, foi divulgada pela prefeitura de Dourados através do setor de Habitação em dezembro de 2013, cujo sorteio ocorreu no pavilhão de eventos ao lado do estádio Douradão.

O Dourados News acompanhou a situação e o rastro de destruição deixado no local pelos invasores após a ordem que determinou a saída deles das casas.

Objetos foram destruídos e muitos destes também furtados, além de atos de vandalismo através de pichações e tintas jogadas nas paredes.

Ainda de acordo com a assessoria da Caixa Econômica Federal, os trâmites após a invasão levarão mais tempo do que o que havia sido programado.

“Terá que se fazer uma reprogramação das obras e da entrega com base nesse levantamento, mas, isso não deve ser rápido e com o acontecido deve ser bem mais demorado certamente do que o prazo dado no início do processo. Após isso há ainda a questão de documentação, vistoria e outros procedimentos”, enfatizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Buraco na rodovia que causou acidente com morte gera indenização
CAMPO GRANDE
Idoso desaparece após sair de casa para cobrar dívida de pastor
ESTRADAS
PRF registra queda de 28% em mortes no feriado da Semana Santa
VIOLÊNCIA
Coordenadoria da Mulher capacita rede de atendimento de Dourados
ESTAVA EMBRIAGADA
Após ver caminhonete atingir moto de marido, mulher vai atrás de veículo e ajuda a prender motorista
IRPF
Mais de 13 milhões ainda não enviaram declaração do Imposto de Renda
ECONOMIA
Dólar fecha em leve alta, monitorando avanço da reforma da Previdência
EDUCAÇÃO
Saiba a importância de estimular o cérebro
DOCUMENTO
Eleitores têm até 6 de maio para regularizar título
MS
Droga é encontrada na bagagem de passageiro de veículo contratado via aplicativo

Mais Lidas

POLÍCIA
Homem é encontrado morto no Rio Dourados
POLÍCIA
Casal é preso por tráfico, após entrega de crack, na Cachoeirinha
TRAGÉDIA
Casal morre em acidente de moto próximo a Ponta Porã
DOURADOS
Rapaz é ferido com duas facadas e socorrido ao HV