Menu
Busca quinta, 24 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221
LOCAL INVADIDO

Após vistoria, Dioclécio ainda não tem prazo de entrega definida

28 maio 2015 - 15h45

O relatório com o custo total que terá que ser gasto para arrumar os estragos deixados após invasão do residencial Dioclécio Artuzi III ainda não foi concluído pelos responsáveis e também não existe previsão para que isso aconteça. A entrega das casas aos contemplados também não tem data prevista. O local foi invadido por centenas de famílias sem-teto no dia 11 de abril, e a saída deles ocorreu um mês depois.

De acordo com a assessoria da Caixa Econômica Federal, o levantamento dos itens que precisam ser consertados e com o que ainda faltava finalizar foi feito e agora a equipe designada irá calcular o montante.

“Não dá para prever quando será o término da obra e entrega. É uma análise bem detalhada feita pelos técnicos”, informou a assessoria.

Um dos representantes da empreiteira responsável LC Braga, Ramão Pedroso, havia informado após saída dos invasores que o [valor total de prejuízos deveria ser calculado em cerca de dez dias](http://www.douradosnews.com.br/dourados/responsaveis-devem-demorar-dez-dias-para-calculo-total-de-prejuizo-deixado-por-invasores). .

Já José Francisco Correia de Almeida, que também representa a empresa em Dourados, afirmou que a equipe constatou ao fazer o relatório, que grande parte das casas foi bastante deteriorada.


“É triste ver as casas naquela situação, já estavam indo para a reta final das obras e agora tem muita coisa a ser feita, já que a maioria está muito danificada”, citou.

As 450 casas invadidas fazem parte do programa “Minha casa minha vida”, a previsão era de serem entregues em 2014, data estipulada para ficarem prontas. A lista com as famílias contempladas com a moradia, foi divulgada pela prefeitura de Dourados através do setor de Habitação em dezembro de 2013, cujo sorteio ocorreu no pavilhão de eventos ao lado do estádio Douradão.

O Dourados News acompanhou a situação e o rastro de destruição deixado no local pelos invasores após a ordem que determinou a saída deles das casas.

Objetos foram destruídos e muitos destes também furtados, além de atos de vandalismo através de pichações e tintas jogadas nas paredes.

Ainda de acordo com a assessoria da Caixa Econômica Federal, os trâmites após a invasão levarão mais tempo do que o que havia sido programado.

“Terá que se fazer uma reprogramação das obras e da entrega com base nesse levantamento, mas, isso não deve ser rápido e com o acontecido deve ser bem mais demorado certamente do que o prazo dado no início do processo. Após isso há ainda a questão de documentação, vistoria e outros procedimentos”, enfatizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Mourão descarta “por enquanto” privatização dos Correios
MINAS GERAIS
Cachoeira da Zilda tem cânions, cascatas, poço e escorrega de 15 metros
VEÍCULOS
Toyota convoca recall de 380 mil carros por 'airbags mortais'
CAMPO GRANDE
Médico é sequestrado no estacionamento da Santa Casa, mantido refém e ladrões levam BMW
HOMENS
Como se vestir bem no verão: dicas para ficar estiloso no calor
EDUCAÇÃO
Arquitetura e Urbanismo do IFMS tem maior concorrência no 1º dia do Sisu
CHOCOLATE
Torta palha italiana repleta de brigadeiro, super cremosa
NAVIRAÍ
Trio é preso com revólver e maconha quando iam dar uma ‘voltinha’
EDUCAÇÃO
Em Semana Pedagógica, Senai alinha ações e calendário de atividades para 2019 no Estado
INSPIRE-SE
Apartamento de 46 m² com cozinha escondida e adega suspensa

Mais Lidas

OPERAÇÃO PREGÃO
Ex-secretário de Fazenda João Fava Neto é preso na Capital
POLÍCIA
Rapaz vai parar na cadeia após ser flagrado empinando moto em Dourados
POLÍCIA
Homem é flagrado com mais de 150 kg de cocaína em fundo falso de caminhão
PARANHOS
Sogro de narcotraficante é executado a tiros na região de fronteira