Menu
Busca sexta, 21 de setembro de 2018
(67) 9860-3221
LOCAL INVADIDO

Após vistoria, Dioclécio ainda não tem prazo de entrega definida

28 maio 2015 - 15h45

O relatório com o custo total que terá que ser gasto para arrumar os estragos deixados após invasão do residencial Dioclécio Artuzi III ainda não foi concluído pelos responsáveis e também não existe previsão para que isso aconteça. A entrega das casas aos contemplados também não tem data prevista. O local foi invadido por centenas de famílias sem-teto no dia 11 de abril, e a saída deles ocorreu um mês depois.

De acordo com a assessoria da Caixa Econômica Federal, o levantamento dos itens que precisam ser consertados e com o que ainda faltava finalizar foi feito e agora a equipe designada irá calcular o montante.

“Não dá para prever quando será o término da obra e entrega. É uma análise bem detalhada feita pelos técnicos”, informou a assessoria.

Um dos representantes da empreiteira responsável LC Braga, Ramão Pedroso, havia informado após saída dos invasores que o [valor total de prejuízos deveria ser calculado em cerca de dez dias](http://www.douradosnews.com.br/dourados/responsaveis-devem-demorar-dez-dias-para-calculo-total-de-prejuizo-deixado-por-invasores). .

Já José Francisco Correia de Almeida, que também representa a empresa em Dourados, afirmou que a equipe constatou ao fazer o relatório, que grande parte das casas foi bastante deteriorada.


“É triste ver as casas naquela situação, já estavam indo para a reta final das obras e agora tem muita coisa a ser feita, já que a maioria está muito danificada”, citou.

As 450 casas invadidas fazem parte do programa “Minha casa minha vida”, a previsão era de serem entregues em 2014, data estipulada para ficarem prontas. A lista com as famílias contempladas com a moradia, foi divulgada pela prefeitura de Dourados através do setor de Habitação em dezembro de 2013, cujo sorteio ocorreu no pavilhão de eventos ao lado do estádio Douradão.

O Dourados News acompanhou a situação e o rastro de destruição deixado no local pelos invasores após a ordem que determinou a saída deles das casas.

Objetos foram destruídos e muitos destes também furtados, além de atos de vandalismo através de pichações e tintas jogadas nas paredes.

Ainda de acordo com a assessoria da Caixa Econômica Federal, os trâmites após a invasão levarão mais tempo do que o que havia sido programado.

“Terá que se fazer uma reprogramação das obras e da entrega com base nesse levantamento, mas, isso não deve ser rápido e com o acontecido deve ser bem mais demorado certamente do que o prazo dado no início do processo. Após isso há ainda a questão de documentação, vistoria e outros procedimentos”, enfatizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ELEIÇÕES 2018
Bolsonaro ingere alimentos pastosos
DOURADOS
No Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência, blitz educativa é realizada no Centro
FUTEBOL
Goiás recebe a Ponte Preta em busca da liderança da Série B
OPORTUNIDADE
IFMS abre inscrições em concurso público para técnicos-administrativos
CULTURA
Confira a programação do FIT para este final de semana
CAARAPÓ
Presidente da Câmara assume o Executivo após cassação de prefeito
MAUS TRATOS
Fazendeiro é autuado em mais de R$ 300 mil por deixar gado com fome e sede
DOURADOS
MP investiga vazamento de esgoto que matou mais de 5 mil peixes em Dourados
ELEIÇÕES 2018
Defesa prevê que até 14 estados podem pedir apoio para as eleições
DOURADOS
Prefeitura inaugura sala para corretores de imóveis no CAM

Mais Lidas

DOURADOS
Polícia fecha entreposto de drogas e prende três no Jardim Colibri
DOURADOS
Criança de 1 ano desaparece de dentro de casa no Dioclécio Artuzi
DOURADOS
Esquema começou há 1 ano e maconha era armazenada em pneus
DOURADOS
PF apreende mais de 150 quilos de cocaína na Guaicurus