Menu
Busca sexta, 26 de abril de 2019
(67) 9860-3221

Dia Nacional da Luta Antimanicomial é celebrado na Unigran

18 maio 2011 - 12h23

A partir das 19 horas de hoje, os acadêmicos do curso de Psicologia da UNIGRAN realizam uma ação na quadra principal, antes do início das atividades da OLIGRAN. O objetivo é fazer um manifesto no Dia Nacional da Luta Antimanicomial, em prol das pessoas com transtornos mentais que sofrem de maus tratos e preconceitos.

A coordenadora do curso de Psicologia da UNIGRAN, Thaís Seni da Silva e Oliveira, explica que um dos motivos da ação é conscientizar a sociedade sobre a necessidade de aceitar as pessoas com transtorno mental, o que, segundo ela, é vital para o processo de adaptação delas. “As pessoas ainda têm muito aquela visão que quem tem um transtorno mental pode ser perigosa, tem que estar longe, enfim, essas idéias que na verdade estão ultrapassadas”, aponta.

O grupo responsável pela apresentação promete surpresas, para “acordar” o público para essa triste realidade. “O primeiro objetivo é sensibilizar a comunidade sobre a reclusão das pessoas com transtornos mentais; o outro é comemorar esse dia”, diz Diego Cassal, aluno do 7º Semestre, e membro do grupo que irá realizar a ação.

Processo
A luta iniciou no Brasil em 1970, quando “os profissionais que trabalhavam nos hospitais psiquiátricos começaram a fazer denúncias e uma movimentação para pedir o fim desses locais”, aponta a coordenadora do curso de Psicologia da UNIGRAN.

Thaís Seni Oliveira explica que hoje a situação já está bem diferente. Se antes os “loucos” estavam condenados a passar o resto da vida isolados, atualmente sabe-se que diversos transtornos podem ser controlados com medicamentos. Além disso, “foram criados dispositivos substitutivos aos hospitais psiquiátricos, que são os CAPs, Centro de Atenção Psicossocial, junto com ambulatórios de saúde mental e residências terapêuticas para essas pessoas que ficaram internadas muito tempo”, aponta Thaís.

A professora esclarece, ainda, que, muitas vezes, o ato de isolar o “louco” é apenas uma maneira da sociedade garantir sua “normalidade”. “A gente pode pensar que esse movimento de deixar o louco atrás do muro é que, se ele está lá, eu que estou de fora, sou normal. Quando na verdade a gente sabe que de perto todo mundo tem os seus problemas, todo mundo pode ter uma crise em algum momento da vida, então é realmente humanizar e eu vou humanizar muito o outro quando eu consigo me ver nele também”, finaliza.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Dada Favato, filha de Romário ostenta corpão em passaio na cachoeira
BR DISTRIBUIDORA
PGR pede condenação de Fernando Collor a 22 anos e 8 meses de prisão
CAPITAL
Com tuberculose, adolescente de 14 ans aguarda uma vaga em hospital
NOVA ANDRADINA
Bombeiro ajuda salvar vida de recém-nascido que se engasgou
DOURADOS
Capacitação de agentes de saúde vai alterar atendimento nas Unidades
RIO BRILHANTE
suspeito de matar dono de oficina com pistola .40 é preso
LEÃO
Um terço ainda não declarou IR a cinco dias do fim do prazo
BATAGUASSU
Polícia apreende 413 quilos de maconha em pátio de posto desativado
LIBERDADE
Carlos Ghosn paga R$ 17,8 milhões de fiança e é solto no Japão
CAMPO GRANDE
Homem suspeito de estuprar sobrinhas durante 3 anos é preso

Mais Lidas

DOURADOS
Vídeo mostra momento em que carona desce da moto e executa dono da lava-rápido no Jardim Pantanal
CAMPO GRANDE
Empresa demite funcionário por debochar de currículos em redes sociais
DOURADOS
Mulher é presa dentro de ônibus com 19 pacotes de skunk
DOURADOS
Auditoria da CGU revela irregularidades e superfaturamentos em contratos da Funsaud