Menu
Busca sábado, 16 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
JUDICIÁRIO

Desembargador condena ataques ao Judiciário e defende Justiça do Trabalho

11 fevereiro 2019 - 13h35Por Da Redação

O desembargador Francisco das Chagas Lima Filho (TRT-24/MS) fez uma defesa condundente dos chamados operadores do Direito, condenou os ataques de alguns setores contra a OAB e o Poder Judiciário e destacou a importância da Justiça do Trabalho como balança mediadora das relações entre o capital e o trabalho.

Ele prestigiou, em Dourados, a posse da nova direção local da Ordem dos Advogados do Brasil e em seu discurso fez uma avaliação do quadro emblemático em que se encontra a Justiça e demais organismos de seu entorno.

"Vivenciamos uma das mais emblemáticas e difíceis quadras da história no Brasil, em que alguns desavisados ou mal informados, tentam, a todo custo, macular o relevante, valioso e indispensável papel do Poder Judiciário, como se repente, fossemos culpados por todas as mazelas, como a corrupção, a falta de desenvolvimento, o atraso na educação, a ausência de segurança, a violência e outros males que o País enfrenta, fruto, especialmente, da carência de recursos e de gestão desastrosa de alguns maus administradores", enfatizou Francsico.

Desembargador da Justiça do Trabalho, Francisco das Chagas criticou com veemência os rumores e discursos contra a existência da instituição a qual pertence, bem como as insinuações em desfavor do Judiciário como um todo. Para quem acusa a Justiça do Trabalho de ser cara e , protecionista e não trazer benefícos para a sociedade, o magistrado diz que essas pessoas tem carência de conhecimento sobre sua história e, principalmente, da sua prestação de serviço social e de sua contribuição para o bolo da arrecadação do governo federal. " Somos integrantes do Poder Judiciário por força de preceito constitucional expresso e repudiamos as acusações levianas", manifestou Francisco das Chagas, citando que "os críticos primeiro devem se informar sobre a Constituição e a importância social da Justiça do Trabalho e dos relevantes serviços prestados ao longo de mais de 70 anos à sociedade brasileira".

Quanto à acusação de que a Justiça do Trabalho seria muito cara e não traria benefícios à sociedade, o desembargador lembrou que, além dos milhões de conflitos que julga e concilia anualmente - cerca de dois milhões de processos - apenas no ano de 2018 a Justiça do Trabalho arrecadou para União mais de R$ 9 bilhões, entre custas, contribuição previdenciária e outros tributos decorrentes de condenações e acordos em reclamações trabalhistas, sem contar as milhares de execuções de multas por descumprimentos das normas de proteção do trabalho. "A Justiça do Trabalho é a garantia de paz e harmonia no mundo laboral, de modo a permitir que os empreendedores possam investir no desenvolvimento do País, gerando trabalho, emprego, riqueza e renda sem a hiper exploração daquele que derrama o suor em benefício do desenvolvimento", observa o desembargador.

Francisco das Chagas também disse que é preciso mencionar, ainda, que ao lado do dever constitucional, a Justiça do Trabalho está cumprindo um outro papel social que assumiu nos últimos anos, com a com a destinação de verbas à entidades públicas e privadas de assistência social. "Essa ação tem suprido, em muitos momentos, as carências da população menos favorecida e a ausência de políticas públicas, pois repassamos valores de multas fixadas em ações coletivas, movidas especialmente pelo Ministério Público do Trabalho", lembrou o desembargador. 

"Portanto, é falaciosa a afirmação de que seríamos dispensáveis e por isso a Justiça do Trabalho deveria ser extinta, principalmente num pais carente como o Brasil, com mais de doze milhões de desempregados, de milhões de pessoas não alfabetizadas e sem qualificação profissional, em que ainda encontramos milhares crianças trabalhando para poder sobreviver e ajudar aos pais, ao invés de estarem estudando e se preparando para o futuro - ou que são exploradas pela prostituição e pelo tráfico de drogas -, não se pode verdadeiramente afirmar que a Justiça do Trabalho seria dispensável. Quem assim defende, talvez o faça pela ignorância, desinformação ou mesmo pela má-fé", analisou o magistrado.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROVAS AMANHÃ
Agência orienta candidatos de concurso a não viajarem com transportadores clandestinos
CASO QUE CHOCOU
Homem que furtou corpo de cemitério disse ter ouvido vozes
BRASIL
Repasses de fevereiro a beneficiários do Bolsa Família vão até o dia 28
BELEZA NATURAL
Asfalto da MS-450 avança entre morros e potencializa o turismo na Estrada Ecológica
FUTEBOL ESTADUAL
Histórico mostra Sete com ampla vantagem diante do Comercial
FLAGRANTE
Cocaína é apreendida em fundo falso de veículo
FÁTIMA DO SUL
Operação mira donos de empresas de fachada que vendiam cocaína
MORTE DE JORNALISTA
IML aponta politraumatismo como causa da morte de Ricardo Boechat
TRÂNSITO
Vídeo mostra acidente que matou duas pessoas em Dourados
CORUMBÁ
Motorista perde controle de direção, bate carro em poste e morre

Mais Lidas

DOURADOS
Homem que tramou assassinato de empresário tentou se matar antes de ser levado à PED
PORTE E POSSE DE ARMA
Justiça concede HC a empresário que teve morte encomendada pela mulher
DOURADOS
Envolvidos na trama contra empresário são transferidos à PED
AMAMBAI
Douradense é preso com mais de 1 tonelada de maconha em veículo roubado