07/06/2013 08h13 - Atualizado em 07/06/2013 08h13

Delegada indicia 12 pessoas pela morte de interno na Phac

 

.
 
Presos envolvidos na morte de interno prestaram depoimento ontem - Foto: Osvaldo Duarte Presos envolvidos na morte de interno prestaram depoimento ontem - Foto: Osvaldo Duarte

Da Redação com Osvaldo Duarte

A delegada titular do 2º Distrito Policial de Dourados, Magali Leite Cordeiro Pascoal, indiciou no final da tarde de ontem (6), 12 presos envolvidos no assassinato por espancamento do interno Luiz Alberto Aparecido, 38, na madrugada do mesmo dia.

Todos estavam na cela 18, na Ala 1 da Cadeia Linear da Phac (Penitenciária de Segurança Máxima Harry Amorim Costa) em Dourados.

Segundo ela, quatro detentos confirmaram que teriam agredido a vítima após ele ter se insinuado sexualmente para uma pessoa do grupo e foram autuados por homicídio. Os outros oito não participaram da ação, mas no entender da delegada, foram coautores, já que não tentaram impedir o crime.

Os autores do homicídio são, Romário Ferreira Paulino, 23, conhecido como Cotinga, morador em Autinópolis, interior paulista. Ele cumpre pena no local por tráfico de drogas. Derlan Farias Alves, 28, conhecido como Boca de Lata, de Rondonópolis, Mato Grosso, Rafael Luiz dos Santos Silva, 24, o Fael, de Mirandópolis, São Paulo e o douradense Dione Botelho Divino, 19. Os três estão presos no local por roubo.

Já os coautores são Talison Lopes Zebalos, 21, morador em Campo Grande e preso na Phac por roubo, José Aparecido da Silva, 36, Deivid Mendes da Silva, 20, André Crispin Horácio Almeida, 23, o Buguinho, Flaiston dos Santos Martins, 40 e Peterson Vallejo de Lima, 23, todos de Dourados cumprindo pena por tráfico de drogas.

Também foram indiciados como coautores Odair da Silva Barreto, 36, de Nova Andradina, preso acusado por furto, Jonathan Costa Fernandes, 32, o Grandão, morador em Ponta Porã, que cumpre pena por tráfico de drogas.

Luiz cumpria pena no local após ser preso no dia 4 de novembro passado, acusado por tráfico de drogas, no município de Amambai, na região de fronteira com o Paraguai. Ele morava na cidade de Paraguaçu Paulista, interior de São Paulo quando ocorreu o flagrante.