Menu
Busca terça, 19 de novembro de 2019
(67) 9860-3221
DOURADOS

Protesto contra nomeação de reitora tem 'abraço' coletivo e 'tapete alaranjado'

17 junho 2019 - 10h25Por Vinicios Araújo

Membros da comunidade acadêmica da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) se reuniram na unidade I nesta manhã (17) para realizar um “abração” em protesto à designação do MEC (Ministério da Educação), que nomeou a reitora interina Mirlene Ferreira Damazio. 

Eles classificam a medida como 'intervenção', justificando que a designação fere o princípio da autonomia universitária, já que o nome da pedagoga não constava na lista tríplice encaminhada ao MEC. Inclusive, a lista segue em judicialização sob acusação do MPF (Ministério Público Federal) de comprometimento da lisura aplicada para seleção dos candidatos no Colégio Eleitoral.

Durante o ato, manifestantes lotaram a entrada da reitoria de balões alaranjados e faixas com dizeres de rejeição à reitora interina. No ato foi aberto espaço para falas. O Dourados News acompanhou e registrou discursos combativos ao conservadorismo, em defesa da democracia universitária e cobrando rispidamente que fosse respeitada a autonomia da universidade.

Em seguida eles seguiram para o pátio e realizaram o ‘abraço’ com gritos: “Fora Mirlene”, “Reitor eleito é reitor empossado”, “Fora Golpista”, “Não, não, não à intervenção” e “Mirlene, preste atenção, pra ser reitora tem que ganhar eleição (sic)”. 

O candidato eleito na consulta prévia e no Colégio Eleitoral, Etienne Biasotto, comentou o ato dos manifestantes. Segundo ele, a ação representa claramente a insatisfação da universidade com a decisão “autoritária” do MEC.

Ele explicou que, considerando a ausência da reitora interina na lista tríplice, a nomeação se configura como intervenção.

Etienne aponta Mirlene como apoiadora da chapa 2, liderada por Joelson Pereira, derrotado na consulta prévia. Em imagens mostradas à reportagem, a pedagoga é identificada em várias reuniões realizadas pelo grupo durante as articulações para eleição da comunidade acadêmica. 

“A professora Mirlene é diretamente ligada à chapa 2. É uma intervenção e a comunidade não aceitam essa intervenção. Ela inclusive votou em mim na eleição do Colégio Eleitoral, após a derrota da chapa na consulta prévia, tenho vídeo disso”, disse. 

O Dourados News buscou contato com a reitora interina, porém, segundo a assessoria de comunicação da universidade, ela cumpria agenda e não poderia se posicionar até o fechamento desta matéria. A reportagem encaminhou via e-mail uma solicitação e aguarda retorno.


Deixe seu Comentário

Leia Também

PEC
Senado conclui votação para incluir estados na reforma da Previdência
OPERAÇÃO PURIFICAÇÃO
Justiça Federal aceita denúncia contra cinco suspeitos de corrupção na Funsaud
BODOQUENA
Polícia apreende carreta com carga de cigarros contrabandeados
LIBERTADORES
Conmebol troca o árbitro de vídeo após comentário sobre Flamengo e River
EDUCAÇÃO
Governo prevê internet em 100% das escolas urbanas em 2020
TRÊS LAGOAS
Saúde confirma terceira morte por leishmaniose em cidade de MS
RURAL
Plantio da soja atrasa em 30% e preocupa lideranças rurais
AUTOESTIMA
Cassems oferece aula de culinária a beneficiários em tratamento oncológico
TECNOLOGIA
Carteira Digital de Trânsito agora avisa sobre vencimento de CNH
SAÚDE
Dourados: Sanesul constrói reservatórios para 3 milhões de litros de água

Mais Lidas

TRÂNSITO
Aos 84 anos, mulher sai de bailão bêbada e acaba presa após acidente em Dourados
FRONTEIRA
Alvo de pistoleiros, jovem fica ferido após ser atingido por disparos em frutaria
FRONTEIRA
Homem é executado com mais de 20 tiros e gestante baleada
ROCHEDO
"Velho do PCC" morre em confronto com o Choque