11/01/2017 17h50

Comissão de Direitos Humanos afirma que um terço de presos da PED são de facções


Gizele Almeida
Agitação na PED no começo do mês fez com que Choque de Campo Grande realizasse pente fino- Foto: Osvaldo Duarte Agitação na PED no começo do mês fez com que Choque de Campo Grande realizasse pente fino- Foto: Osvaldo Duarte

A Penitenciária Estadual de Dourados (PED) conta com aproximadamente 2.400 presos atualmente e destes, 800 seriam pertencentes a facções. A afirmação é do presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Osmar Martins Blanco, que aponta "temor constante de ocorrer algum confronto no local".

Blanco explica que os presos faccionados ficam em um raio específico da PED e que há certa "disputa" entre este e os outros com os presos não pertencentes a facção.

"É um problema sério que temos na PED, que tem os raios que são faccionados e outros que não são e esses podem entrar em conflito", diz.

Conforme o presidente, a unidade prisional oferece atualmente condições irregulares aos presos, bem como falta de assistência a saúde, alimentação sem diversidade, pouca ventilação, fatores que tem criado um clima tenso no local. . Outro ponto criticado por ele, é a falta de incentivos para a ressocialização.

"Atualmente as pessoas tem que pagar pelos crimes sem as mínimas condições dignas. É necessário se ter condições e não se tem, o que os coloca segregado de uma forma na qual ficam mais do que revoltados. Com isso acontecem os estopins que são as rebeliões e culminam em facção contra facção, o que pode acontecer em Dourados", destaca.

No dia 03 passado, um drone que foi arremessado na penitenciária e gerou tensão entre os internos relembre aqui. O fato fez com que a Tropa de Choque de Campo Grande fosse até ao local para a realização de uma operação pente fino. Na ação foram constatados que 100 cadeados foram estourados e 60 celas danificadas.

Segundo Blanco, a situação foi de muito temor entre os internos por conta aparelho em especial no raio em que ficam presos idosos, indígenas e homossexuais por medo de algum ‘ataque’.

Posição da Agepen

O Dourados News procurou a Agepen (Agência Estadual do Sistema Penitenciário) para mais detalhes sobre a quantidade de presos pertencentes a facção na PED e o atual clima no local.

O diretor-presidente da Agepen, Ailton Stropa Garcia, não confirmou o número divulgado pela comissão de Direitos Humanos e afirmou que este é sigiloso.

"Não confirmamos esses dados e não podemos divulgar a quantidade por questão de segurança", disse.

Para ele, após a agitação devido ao drone, agora os internos estão em tranquilidade. Ele cita ainda que "há um desconforto entre os presos faccionados e os não faccionados, porém, nada que seja grave no momento".

Stropa destaca ainda que uma nova unidade penitenciária, contratação de mão de obra e mais aparelhos de segurança agregariam a melhorias no sistema prisional douradense.

Envie seu Comentário