Menu
Busca segunda, 27 de maio de 2019
(67) 9860-3221
DOURADOS

Sem moedas, comerciantes encontram dificuldades na hora de passar o troco

Pesquisa ‘O brasileiro e sua relação com o dinheiro’, do Banco Central, aponta que quase 20% da população, tem guardado mais moedas

20 julho 2018 - 17h50Por Luiz Guilherme

Elas são pequenas, mas estão fazendo falta no comércio de Dourados. As moedas estão cada vez mais ‘escassas’ das lojas e enchendo os cofrinhos das casas, isso por que o número de brasileiros que guarda o dinheiro durante o ano todo aumentou no País, segundo pesquisa do Banco Central divulgada ontem (19), esse número é de 19,3. 

De acordo com o levantamento ‘O brasileiro e sua relação com o dinheiro’, a população brasileira está guardando moeda em casa e usando para pagamento de contas e realizar compras. 

O comércio em Dourados, tem sentido e muito, essa ação. O Dourados News visitou na tarde desta sexta-feira (20), uma loja de roupas na área central da cidade e um supermercado no Parque do Lago. Os gerentes afirmam que a falta de moeda é constante e que as pessoas procuram trocar mais em dezembro. 

“Todos os dias falta troco aqui no mercado, é um problema que enfrentamos sempre, com exceção do final do ano, quando muitos consumidores trocam as moedas”, relatou Markus Padovan, gerente do mercado.

Ele ressalta ainda que os valores que mais faltam são as R$ 0,05 e R$ 0,10.

Solange Rodrigues, que atualmente cursa técnico em enfermagem, contou que junta [moedas] o ano todo e que pelo menos duas vezes, o cofrinho é reposto. 

“Desde que cheguei a Dourados, venho ao mercado e troco minhas moedas, isso é sagrado ao menos duas vezes durante o ano; espero ter uma quantia razoável e realizo a troca; o dinheiro de papel vai para o banco ou uso conforme a necessidade”, disse.

Mas não é apenas no setor alimentício, em uma loja de roupa visitada pela reportagem, a gerente Vanessa dos Santos Araújo destacou, é que faltam principalmente as moedas de R$ 0,50 e R$ 1. Outro ponto é que essa escassez acontece principalmente no início do mês. 

“Começo de mês é uma luta, pois não tem troco, aqui na loja é a parte do mês que mais falta, porém no dia a dia conseguimos driblar e atender o cliente”, disse. 

Mas se por um lado tem gente que guarda, tem outro que troca sempre. Lilian Nascimento, de 44 anos é um exemplo. Ela conversou com o Dourados News e disse que troca as moedas diversas vezes. 

“Eu tenho um estacionamento para carros, e não posso reclamar, pois tenho muitas moedas de R$ 0,50 e R$ 1; e não junto, prefiro trocar, fazer circular”, concluiu.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAUUUUU!!
Ellen Roche faz clique só de lingerie e é elogiada por internautas
RIO NEGRO
Ambiental fecha segunda olaria ilegal e autua proprietário em R$ 5 mil
MATO GROSSO DO SUL
Campanha Estadual de Combate ao Feminicídio será lançada amanhã
MS-164
Mulheres são flagradas transportando maconha em ônibus
DOURADOS
Douradenses vão às ruas apoiar medidas de Bolsonaro
MUNDO
Tremor de magnitude de 8,1 graus abala noroeste do Peru
EVENTOS
Semana do Leite terá palestras, doações e discussão sobre a conjuntura da atividade em MS
BRASIL
Projeto garante defesa de animais em casos de desastres ambientais
MÚSICA
Almir Sater faz show gratuito hoje em Dourados
AINDA DÁ TEMPO
Concurso público da PM e Bombeiros: candidatos têm até hoje para preencher ficha da Investigação Social

Mais Lidas

ITAQUIRAÍ
Empresário é executado no Sul do Estado
TRÁFICO
Ação conjunta apreende 556 quilos de cocaína em ônibus de turismo religioso
FLAGRANTE
Polícia prende grupo caçando com 19 cães e lanças para abate
ITAQUIRAÍ
Comerciante foi executado com cinco tiros enquanto lavava residência