Menu
Busca quinta, 24 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221
MILHO SAFRINHA

Falta de silos deve prejudicar armazenagem do milho na região

15 junho 2015 - 12h04

A colheita do milho safrinha, que terá início nesta semana em algumas regiões do Estado, pode causar sobrecarga e falta de silos para armazenamento. O motivo é que muitos ainda estão com soja da última safra guardadas nesses locais. As informações são do analista em agricultura da Aprosoja, (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul), Leonardo Carlotto Ortalete.

“Alguns municípios do Estado podem sofrer uma sobrecarga devido a pouca quantidade de silos para o armazenamento, sendo que muitas cidades acabem recebendo grãos de municípios vizinhos como, por exemplo, Dourados que recebe de Fátima do Sul, Caarapó entre outras”, disse o analista.

Entre as cidades que podem sofrer com o problema estão Antônio João, Coxim, Sonora, Naviraí e Dourados.

Em Mato Grosso do Sul, a expectativa é que este ano, seja colhido 7,9 milhões de toneladas de milho, mas pode igualar ou superar a mesma quantidade de 2014, que foi de 8,4 milhões de toneladas. Entre as opções para que não falte ‘espaço’ para o milho é negociar nos próximos dias a soja que ainda encontra se armazenada.

“Vamos ter uma noção se irá faltar espaço, com 30 dias de colheita, mas não acredito que isso aconteça, até porque a soja que foi feito contrato está sendo escoada, com isso aumenta o espaço. No caso da sobrecarga, talvez uma das alternativas seja remanejar para outros municípios, no caso de Dourados encaminhar para Campo Grande, ou colocar o milho colhido em bag - espécie de saco que substitui o silo -", explica o analista.

Para Ortalete o que preocupa, é o custo no caso da necessidade em remanejar para outro local, por conta do frete, valor do combustível e o tempo que demanda. Nos armazéns, a quantidade de soja que ainda precisa ser negociada, segundo o analista é de 1 milhão de toneladas, a capacidade de silos no Estado é de 7 milhões de toneladas.

Se a colheita ultrapassar a quantidade esperada pode vir a faltar espaço para aproximadamente mais de 2 milhões de toneladas de milho.

Em relação ao preço da soja, o analista disse que não acredita que possa aumentar o valor, podendo permanecer o mesmo, que hoje é de R$ 55, assim como se houver queda seja de no máximo de R$ 1 por saca.

Já o milho ele disse que pode ter uma queda nos próximos meses. Atualmente o saco é comercializado em média por R$ 18, podendo a chegar à casa dos R$ 15 ou R$ 16.

“Com a superprodução de milho no Estado, pode ser que haja uma queda no valor a ser comercializado, mas só daqui alguns meses que isso será possível de afirmar, nada concreto ainda”, conta Leonardo.

Em Mato Grosso do Sul, neste ano ao todo foram plantados 1,6 milhão de hectares de milho. Em Dourados, a mesma quantia que em 2014, com 135 mil de hectares.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
Arquitetura e Urbanismo do IFMS tem maior concorrência no 1º dia do Sisu
NAVIRAÍ
Trio é preso com revólver e maconha quando iam dar uma ‘voltinha’
EDUCAÇÃO
Em Semana Pedagógica, Senai alinha ações e calendário de atividades para 2019 no Estado
INSPIRE-SE
Apartamento de 46 m² com cozinha escondida e adega suspensa
CAPITAL
Governo reforça segurança no Aquário do Pantanal
DOURADOS
Festa com adolescentes e bebidas alcoólicas termina com 12 pessoas na delegacia
DADOS
Detran-MS é o primeiro do país a dispor de painel atualizado com números do trânsito
GOVERNO
Na Capital Federal, Reinaldo Azambuja se reúne com governadores do Brasil Central e ministros de Bolsonaro
FUTEBOL
Sorteio de grupos da Copa América será feito hoje no Rio de Janeiro
PRESIDENTE
Tudo o que falamos em Davos temos condições de fazer, diz Bolsonaro

Mais Lidas

OPERAÇÃO PREGÃO
Ex-secretário de Fazenda João Fava Neto é preso na Capital
POLÍCIA
Rapaz vai parar na cadeia após ser flagrado empinando moto em Dourados
POLÍCIA
Homem é flagrado com mais de 150 kg de cocaína em fundo falso de caminhão
PARANHOS
Sogro de narcotraficante é executado a tiros na região de fronteira