Menu
Busca terça, 22 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221

Cem dias: com fiscalização, Procon defende consumidor

03 junho 2011 - 07h48

Para garantir o cumprimento do Código de Defesa do Consumidor, a Prefeitura de Dourados, através do Procon, realiza pesquisas de preços e fiscaliza o cumprimento da lei em estabelecimentos comerciais do município. Em pouco menos de três meses foram realizadas sete pesquisas de preço de produtos, incluindo combustíveis e cesta básica.



“Os fiscais relacionam o produto e o preço praticado. Após ese levantamento fazem um balanço dos menores e maiores valores. Essa pesquisa fica à disposição da população, que pode conferir antes de comprar. Com isso a comunidade pode economizar”, afirma o diretor do Procon, Rozemar Mattos.



Durante as fiscalizações da aplicação do CDC em supermercados, os fiscais vistoriam preço, prazo de validade e armazenamento dos produtos. “Encontramos muitos estabelecimentos que expõem o produto com um preço e no caixa o valor é diferente. Por isso o consumidor precisa ficar atento e deve conferir a nota fiscal ou até mesmo no caixa, enquanto a compra é contabilizada”, alerta o diretor.



A fiscalização atinge também agências bancárias. Conforme legislação, o tempo de espera é de até 15 minutos em dias normais e de 20 um dia antes ou depois de feriado.



De acordo com o Código do Consumidor, os produtos expostos, como roupas e calçados, devem ter etiqueta com preço. “Uma das normas do código é que os itens das vitrines devem apresentar o valor da cada peça. Empresas que não colocam etiqueta são autuadas e caso não se adaptam ao CDC são multadas”, afirma Rozemar.



De fevereiro até agora foram realizadas 39 fiscalizações em agências bancárias e comércios.

Além das fiscalizações o Procon atende a população que procura o órgão em busca de informações. Em três meses foram realizados 823 atendimentos, dos quais 500 reclamações foram efetivamente registradas. “Muitos procuram o Procon para tirar dúvidas quanto ao seu direito como consumidor. Dependendo, registra o protesto”, explica o diretor.



Conforme o Rozemar, pelo menos 75% das reclamações registradas são contra empresas de telefonia. Após o registro de reclamação, o Departamento Jurídico do Procon entra em contato com a empresa para tentar um acordo entre as partes envolvidas.



Outra ação do Procon é a garantir à população o direito à meia-entrada em shows, cinemas e teatros. “Ficamos atentos quando há o anúncio de qualquer tipo de apresentação com venda de ingresso. Muitos organizadores tentam burlar a lei e modificar a cobrança para evitar a meia-entrada. Já fiscalizamos o comércio de ingressos pela metade do preço em 14 eventos”, destaca Rozemar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASILÂNDIA
Dono de casa de prostituição é preso por tráfico de mulheres
NA SUIÇA
Bolsonaro defende preservação ambiental e desenvolvimento econômico
SAÚDE
Supera promove saúde mental e apoia Janeiro Branco
NOVA ANDRADINA
Idoso é autuado em R$ 1,6 mil por transportar pneus contrabandeados do Paraguai
ESPORTES
Uma partida abre a 2ª rodada do Estadual 2019 nesta terça-feira
20 ANOS DEPOIS
Sete pessoas que atuaram na equipe do ex-governador de MS Wilson Barbosa são condenadas por improbidade
VAGAS
Hoje iniciam as matrículas de estudantes com deficiência na UFGD
DOURADOS
Convênio com Jucems para operacionalização da Redesim é renovado
INTERNACIONAL
Protestos violentos tomam conta de Caracas e cidades da Venezuela
FAMOSOS
Grávida, Thaeme celebra quatro anos de casamento e sai da dieta

Mais Lidas

IVINHEMA
Assaltante é morto após invadir chácara, sequestrar duas vítimas e tentar roubar carros
DOURADOS
Rapaz é agredido com garrafa quebrada e acaba internado em estado gravíssimo no HV
BR-262
PRF aponta “erro” em divulgação de suicídio como causa de acidente com três mortes
POLÍCIA
Presos por sequestro em Ivinhema são identificados na Defron