Menu
Busca domingo, 15 de setembro de 2019
(67) 9860-3221
DOURADOS

Candidatos à Reitoria da UFGD fizeram acordo antes da eleição

23 abril 2019 - 14h05Por Vinicios Araújo

Um acordo firmado entre os candidatos que disputavam a consulta pública para a Reitoria da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) foi provocado por pressão de sindicatos, segundo o eleito Etienne Biasotto. O compromisso obrigava os derrotados a não se inscreverem no processo oficial, junto ao Colégio Eleitoral da universidade, formando assim a lista tríplice a ser encaminhada ao Ministério da Educação (MEC).

Ele, que disputou a pesquisa com a atual reitora Liane Maria Calarge e Joelson Pereira, explicou que os representantes das classes emitiram um documento ao qual exigia que os derrotados não se apresentassem como candidatos ao Colégio Eleitoral, impedindo assim que ocorresse a possibilidade do MEC selecionar ‘um nome indesejado pela comunidade acadêmica’. 

O acordo foi cumprido, mas agora o Ministério questionou a integridade do processo e exigiu que ocorra uma nova eleição no Colégio Eleitoral a fim de que os nomes que integraram as chapas permaneçam na disputa pela reitoria. O nome selecionado passa pelo aval do presidente da República Jair Messias Bolsonaro. 

“Os sindicatos fizeram o documento para que os candidatos que participaram da consulta se comprometessem, se caso derrotados, a não fazer parte do Colégio. É importante deixar claro que isso não faz parte do processo eleitoral. Posso te falar com tranquilidade, os sindicatos fariam campanha contra as pessoas que não assinassem. Então elas assinaram”, disse. 

O acordo possibilitou que a definição da lista tríplice evidenciasse a chapa de Biasotto, incluindo outros dois nomes Jones Dari Goettert e Antonio Dari Ramos, ambos apoiadores de Etienne. Para o candidato eleito na consulta pública, esse fato não prejudica a integridade do processo eleitoral. “Só se inscreveu quem quis. Não teve nada de mais”, garantiu.

O Dourados News buscou contato com a atual reitora Liane Maria, mas ela dispensou o posicionamento e afirmou que irá se pronunciar apenas após a reunião do Colégio Eleitoral, agendada para amanhã (24). Joelson também foi acionado, mas as ligações não foram atendidas. 

PARECER

A Procuradoria Geral da União, por meio do procurador Jezihel Pena Lima, refutou os apontamento do MEC e garantiu que o processo eleitoral para a definição da reitoria durante os anos de 2019 e 2023 foi “juridicamente hígido
e hábil a produzir os efeitos que lhe são próprios”.

“A Universidade optou por seguir a legislação e aplicar ao caso a não vinculação do resultado da consulta para a formação da lista tríplice. Tanto isso é verdade que os autos estão a indicar que houve candidatos que, embora não tenham apresentado seus nomes no processo de consulta prévia, acabaram por se candidatar no procedimento realizado no colégio eleitoral, onde foi formada a lista tríplice. E houve, ainda, candidatos que concorreram no procedimento da consulta prévia mas deixaram de concorrer no colégio eleitoral”, justifica trecho do parecer.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Taxa básica de juros será definida nesta semana
DOURADOS
Jovem é preso com ecstasy e diz que venderia "bala" para comprar convite de festa
MÚSICA
Morre em SP o cantor Roberto Leal, aos 67 anos
DOURADOS
Homem é atingido com facadas e tijolada durante discussão
OPORTUNIDADE
Mais de 1,8 mil brasileiros fazem hoje o Encceja Exterior
POLÍCIA
Homem é preso com droga que iria para Goiânia
POLÍCIA
Adolescente capota carro com droga na BR-463
DOURADOS
Morre no Hospital da Vida jovem encontrado caído inconsciente às margens de rodovia
ALERTA
Sem previsão de chuva em MS, população deve tomar cuidado com riscos de queimadas
NASCIMENTO
Samu faz parto de jovem na Reserva Indígena de Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
Motorista faz ‘strike’ de motos no Centro e deixa três feridos
DOURADOS
Força-tarefa tira mais de 20 veículos de circulação na Coronel Ponciano
TRAGÉDIA
Cantor sertanejo morre em acidente de carro no MS
DOURADOS
Armados, indígenas se aproximam de seguranças em área invadida na Perimetral Norte