Menu
Busca sábado, 16 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221

Seja feita a vossa vontade!

04 maio 2011 - 15h50

Há vários anos, logo após a ordenação sacerdotal, presidi os funerais de uma tia, que havia falecido repentinamente. Lembro que, em dado momento, se aproximou de mim uma prima e me disse acabrunhada: «Bem se vê que Deus não quer ver ninguém feliz!»

Jamais consegui esquecer essas palavras! Pode ser que, durante a missa de corpo presente, eu tenha dito, como muita gente ainda hoje costuma fazer: «Paciência! É vontade de Deus!» Naturalmente, tais afirmações só podem machucar a quem está sofrendo. Ao longo dos meus anos de atividade pastoral, foram centenas as vezes que ouvi respostas semelhantes diante de pessoas que choravam a perda de entes queridos – ou de bens indispensáveis para a vida –, devido a assassinatos, enchentes, estiagens, acidentes de trânsito, etc.

Como se isso não bastasse para desfigurar a imagem de Deus, há pessoas que se perguntam diante do sofrimento: «Que pecado eu cometi para merecer esse castigo?». A pergunta não é de hoje, se já os apóstolos a dirigiram a Jesus: «Mestre, quem pecou para esse coitado nascer cego?» (Jo 9,2).

Foi o que aconteceu com um padre amigo que, há seis ou sete anos, deixou o ministério sacerdotal. Infelizmente, pouco tempo depois do casamento, celebrado com as devidas dispensas do Vaticano, ele adoeceu gravemente, vindo a falecer. Não foram poucas as pessoas que repetiam ao pé do ouvido umas das outras: «Castigo de Deus!»
Deus não castiga ninguém! Se o fizesse, estaria negando a si próprio. Se existe castigo, ele é fruto das escolhas de cada pessoa: «Cada um colhe aquilo que semeia. Quem semeia no pecado, do pecado colhe a corrupção; quem semeia no Espírito, do Espírito colhe a vida eterna» (Gl 6,7-8).

Infelizmente, uma leitura superficial e fundamentalista da Bíblia pode dar margem a interpretações equivocadas. Eis um exemplo concreto: ouvindo Jesus afirmar: «Nem um só pardal cai por terra sem o consentimento de vosso Pai» (Mt 10,29), os italianos cunharam o provérbio: «Não se move folha que Deus não queira». Talvez seja por isso que alguns deles passam como blasfemadores inveterados: atribuindo tudo a Deus, ele se torna o culpado de todos os males!

Qual é, então, a vontade Deus? Por ser amor, ele só pode querer o bem e a felicidade de seus filhos. Jamais pactua com a maldade. Tudo o que é fruto do pecado – guerras, homicídios, estupros, roubos, acidentes de trânsito por excesso de bebida ou de velocidade, etc. – não é vontade de Deus, mas expressão de uma liberdade humana mal direcionada. A vontade de Deus é que, em cada momento e circunstância, escolhamos somente o amor, tendo sempre em vista a construção de um mundo justo e solidário.

Quanto aos males assim ditos “naturais” (enchentes, estiagens, terremotos, vulcões, aquecimento global, etc.), alguns são causados pela ambição ou pelo descuido do homem, e outros pelas leis que regem a acomodação e o ajuste da natureza e do planeta. Mas, também nesses casos, para quem se deixa guiar pela fé e pelo amor, Deus é capaz de obter o bem do próprio mal. Foi o que explicou Jesus a quem atribuía a cegueira ao pecado: «Nem ele nem seus pais pecaram, mas ela é uma ocasião para se manifestarem as obras de Deus» (Jo 9,3).

“Manifestar as obras de Deus”: este o fio de ouro capaz de dar sentido a todos os erros e sofrimentos que maculam a história da humanidade. Quem acolhe Deus em sua vida, encontrará a sua vontade até mesmo em circunstâncias que nada têm em comum com ela. Isso acontece quando ele consegue “digerir” situações dolorosas e, às vezes, até mesmo injustas, oferecendo-as a Deus pelo bem da sociedade. Para quem acredita que «tudo coopera para o bem dos que amam a Deus» (Rm 8,28), o acaso não existe e nada na vida acontece em vão, pois sabe que, sobre cada evento natural ou produzido pelo homem, paira o olhar misericordioso do Pai.

Deus sempre atende à oração de seus filhos, não, porém, de acordo com suas vontades, mas de suas necessidades. É o que a Carta aos Hebreus garante que aconteceu com o próprio Jesus: «Durante a sua vida na terra, Jesus dirigiu preces e súplicas, com forte clamor e lágrimas, ao Deus que o podia salvar da morte. E Deus o escutou, por sua obediência, tornando-o fonte de salvação eterna para todos os que fazem a sua vontade» (Hb 5,7.9).

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAUUUUU!!
Graciele Lacerda exibe corpão em foto e recebe enxurrada de elogios
PROVA ACONTECE AMANHÃ
Concurso da Educação terá reforço na segurança
BRASIL
eSocial já tem 24 milhões de trabalhadores cadastrados
490 EMPRESAS
Jucems registra em janeiro, melhor resultado em cinco anos
BRASIL
Após tragédia, futuro do Ninho do Urubu está indefinido
CAMPO GRANDE
Casa é queimada e morador acredita em fogo criminoso
PROVAS AMANHÃ
Agência orienta candidatos de concurso a não viajarem com transportadores clandestinos
CASO QUE CHOCOU
Homem que furtou corpo de cemitério disse ter ouvido vozes
BRASIL
Repasses de fevereiro a beneficiários do Bolsa Família vão até o dia 28
BELEZA NATURAL
Asfalto da MS-450 avança entre morros e potencializa o turismo na Estrada Ecológica

Mais Lidas

TRÂNSITO
Vídeo mostra acidente que matou duas pessoas em Dourados
TRÂNSITO QUE MATA
Dois morrem em colisão frontal em Dourados
DOURADOS
Jovem morre após troca de tiros com a polícia no Água Boa
JARDIM COLIBRI
Homem é executado na frente da mulher em Dourados