Menu
Busca sexta, 15 de novembro de 2019
(67) 9860-3221
COLUNA

Saúde

Fernanda Viana

Vitamina K: pouco conhecida, porém muito importante!

E-mail: contatonutrifernanda@gmail.com

02 setembro 2019 - 00h03

A Vitamina K só foi descoberta em 1929 sendo estudada, portanto, há menos de 100 anos. Sua principal forma é a vitamina K1 (filoquinona); seguida pela vitamina K2 (menaquinona), formada a partir da ação bacteriana no trato do intestino grosso; e um terceiro composto, a vitamina K3 (menadiona), molécula lipossolúvel sintética, com propriedade químico-biológica, cerca de duas vezes mais potente que as vitaminas K1 e K2.

Esta curiosa vitamina é necessária para a síntese das proteínas que ajudam a controlar o sangramento (fatores de coagulação) e, por isso, para a coagulação normal do sangue.

Ela também é necessária para a saúde dos ossos, coração e outros tecidos. Alguns estudos nos trazem que a vitamina K está diretamente relacionada com o desenvolvimento precoce do esqueleto, regulando a disponibilidade do cálcio na matriz óssea e fazendo manutenção de ossos maduros.

O organismo possui um estoque de cerca de 50 a 100µg de vitamina K e essa reserva pode ser reduzida em 75% em apenas três dias. Esta vitamina pode ser rapidamente catabolizada e excretada pelo fígado, principalmente através da bile.

Nos alimentos, sua melhor biodisponibilidade é dependente da presença de óleos e gorduras. Vegetais folhosos verde-escuros, como espinafre, brócolis e alguns tipos de alface são consideradas as principais fontes de vitamina K, e em segundo lugar aparecem os óleos e gorduras. A vitamina K pode ser encontrada naturalmente também em algumas frutas como figo e mirtilo e também fontes animais como carne, ovos e queijos.

Pessoas com risco de apresentar deficiência da vitamina K2 são as que fizeram cirurgia de desvio de intestino, as que apresentam problemas de absorção de nutrientes, problemas hepáticos, recém-nascidos, os que apresentam diarreia crônica, pancreatite ou que estejam sob tratamento de antibióticos.

Porém muito cuidado, pessoas que consomem remédios anticoagulantes devem procurar um médico e nutricionista antes de começar a suplementar vitamina K. Muitos não sabem, mas além dos alimentos, grande número de medicamentos interage com antagonistas da vitamina K por mecanismos variáveis, tanto prejudicando seu efeito como potencializando-o.  

*Especialização em Nutrição Esportiva, Terapia Nutricional, Nutrição Clínica e Fitoterapia - CRN3 27940. Escreve para o Dourados News

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

É possível comer de maneira saudável em restaurantes?
A importância da mastigação para o desenvolvimento infantil
Farro: cereal que está ganhando popularidade
Alimentação saudável pode diminuir a probabilidade de morte por câncer de mama
Alho: um poderoso fitoterápico

Mais Lidas

DOURADOS
Motorista cai em golpe, tenta fugir e é amarrado por criminosos às margens de rodovia
REPRODUÇÃO SIMULADA
Às vésperas de júri popular, assassinato terá reconstituição em Dourados
MARACAJU
Homem tenta fugir da polícia, capota carro com quase 1t de maconha e morre
Proclamação da República
Confira o que abre e fecha em Dourados no feriado