Menu
Busca segunda, 22 de julho de 2019
(67) 9860-3221
COLUNA

Na Lata!

Adriano Moretto

Sumido após Itaipu, Marun aparece em documentário na Netflix

Comentários, críticas e sugestões: adrianomoretto.oliveira@gmail.com

25 junho 2019 - 00h04

Vertigem – ‘Sumido’ desde o fim do governo Michel Temer (MDB), o ex-deputado federal por Mato Grosso do Sul e ex-ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB), aparece timidamente no documentário ‘Democracia em Vertigem’, que estreou na plataforma de streaming Netflix na quarta-feira passada. 

Único – Afastado do Conselho da Itaipu Binacional por determinação judicial, o ex-parlamentar é o único político de MS a aparecer no material de quase 2h, durante as cenas em que mostram a votação do impeachment de Dilma Rousseff (PT) na Câmara dos Deputados. 

Sem celular – A ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM), tem proibido a entrada de visitantes com aparelhos de telefones celulares em seu gabinete, conforme material publicado pelo portal da revista Veja na segunda-feira. Os equipamentos ficam todos do lado de fora da sala.

Enquete – Dos 510 internautas que responderam enquete proposta pelo Dourados News, 53,73% deles acreditam que para diminuir a violência nas aldeias locais deve ser realizado trabalho maior de prevenção contra o uso de álcool e drogas nessas comunidades. Já 23,92% afirmam a necessidade de inclusão de jovens indígenas em programas sociais e 22,35%, levar mais efetivo policial às aldeias.

Violência – Por falar na Reserva local, a violência não para na região. Conforme mostrado aqui no Dourados News ontem, ação de gangue na madrugada de domingo aterrorizou uma festa realizada na Aldeia Jaguapiru e deixou três menores feridos com golpes de faca. 

Decisão – Dois anos após o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul manter a condenação da 5ª Vara Cível de Dourados, o ex-secretário de Comunicação de Ari Artuzi, Eleandro Passaia, pagou no início do mês a título de indenização por danos morais ao secretário Estadual de Saúde, Geraldo Resende (PSDB), R$ 28 mil. 

Livro – Geraldo processou Passaia em setembro de 2010, quando ainda era deputado federal, por ter o nome citado no livro ‘A máfia de Paletó’, escrito pelo jornalista após os escândalos de corrupção na prefeitura de Dourados que resultaram na Operação Uragano. 

Sem provas - Em trecho da publicação disponibilizado na internet, Passaia diz que Geraldo é o ‘maior ator entre os deputados’ de MS e sugere recebimento de retorno nos recursos destinados a obras. A Justiça argumentou que o jornalista acusou o então parlamentar sem apresentar provas concretas.

Inadimplente – Matéria publicada pelo jornal O Estado de São Paulo aponta 31 pessoas que tiveram delação premiada homologadas pela Justiça como ‘inadimplentes’, entre elas, o ex-senador por Mato Grosso do Sul, Delcídio do Amaral, que estaria devendo uma parcela no valor de R$ 85 mil do acordo realizado com o Supremo. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Reunião para tratar cortes no aeroporto tem ‘sessão nostalgia’
Deputados federais de MS custaram mais de R$ 5,7 milhões em 2019
MP nega arquivamento de Inquérito que apura falta de médicos nos postos de saúde
Derrotado nas urnas em 2016 cuidará de departamento em Dourados
De olho na prefeitura, deputado diz que não há convite do DEM a Délia

Mais Lidas

DOURADOS
Homem morre após bater moto em carro parado na Marcelino Pires
AMAMBAI
Morto a tiros em frente a conveniência era 'braço direito' de Jarvis Pavão
RIBAS DO RIO PARDO
Avô e neta morrem após caminhonete bater de frente em carreta
CAPITAL
Acidente entre dois carros e carreta mata motorista na BR-163