Menu
Busca quarta, 24 de abril de 2019
(67) 9860-3221
COLUNA

Saúde

Fernanda Viana

Redes sociais podem ser gatilho para distúrbios alimentares na adolescência

E-mail: contatonutrifernanda@gmail.com

25 novembro 2018 - 23h03

Atualmente, com a velocidade na transmissão das informações e o aparecimento das redes sociais com suas tecnologias cada vez mais detalhistas e avançadas, os padrões de beleza passaram a seguir uma linha de extrema perfeição. É verdade que redes sociais também estimulam os cuidados com a beleza e a boa qualidade de vida, o que é muito bom para a autoestima e a saúde como um todo.  No entanto, é fundamental saber os seus limites e valorizar as características individuais, ter moderação e entender que a diversidade é também uma incrível forma de beleza.

Os adolescentes, especialmente as meninas, tendem a apresentar preocupações com o peso corporal por desejarem um corpo magro e pelo receio de rejeição. Diante disso, as modificações ocorridas na adolescência, tanto biológica como emocional, podem ser difíceis de lidar, como, por exemplo, o aumento de gordura corporal nas meninas no período pré-menarca (menstruação) e a perda do corpo e do papel e identidade infantil. 

Uma recente pesquisa revela que o acesso constante a redes sociais aumenta a insatisfação com o corpo. Dietas milagrosas e a imposição de um peso corporal nem sempre adequado à realidades mostradas nas redes sociais estão aumentando a insatisfação das adolescentes brasileiras com seus corpos.

Dessa forma as mídias podem ser um gatilho para distúrbios alimentares. Há um excesso de narcisismo que a mídia social traz e que pode levar à insatisfação ou a doenças como anorexia e bulimia. 

Todos nós sabemos que a mídia pode ser uma boa fonte de informações, desde que se faça uma avaliação crítica. Para saber se a informação é válida, é importante que busquem outras fontes e, antes de seguir alguma recomendação, é essencial procurar orientação especializada.

Os principais fatores de risco comportamentais para transtornos alimentares, como anorexia e bulimia, são dietas inadequadas, preocupações excessivas com o peso e insatisfação com o corpo. 

É importante que, nesses casos, a família esteja sempre atenta a mudanças bruscas na alimentação entre os jovens. O apoio do nutricionista é fundamental para entender que a relação com a comida e com o corpo não pode ser hostil. É necessário entender que a alimentação é para cuidar da saúde e trazer prazer em alguns momentos.

Especialização em Nutrição Esportiva, Terapia Nutricional, Nutrição Clínica e Fitoterapia - CRN3 27940. Escreve para o Dourados News

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Os segredos por trás dos prazeres do chocolate
Associação entre exposição materna a inseticidas e autismo em crianças
Não acredite em tudo que você lê sobre nutrição
A alimentação ajuda no tratamento da dengue
O que comer para aumentar a produção do leite materno?

Mais Lidas

DOURADOS
Preso é baleado ao estourar cadeado de cela para buscar ‘encomenda’ no pátio da PED
DOURADOS
Preso baleado na perna tentava pegar malote com 13 celulares
DOURADOS
Homem morre no HV após ser espancado e polícia suspeita de latrocínio
IMPASSES
UFGD "desafia" MEC e Ministério pede realização de nova eleição para Reitoria