Menu
Busca sábado, 19 de outubro de 2019
(67) 9860-3221
COLUNA

Amplavisão

Manoel Afonso

Hipocrisia, oportunismo e demagogia na política

14 junho 2019 - 08h07

EXEMPLARES PETISTAS — Como diz o filósofo preso em Curitiba: “A verdade adoece, mas não morre”. Primeiro - o ex-prefeito de Dourados Laerte Tetila (PT) foi condenado (STJ) em 2018 pela compra de carros vermelhos (tomatinhos) e  uso do 13 nas placas, além da retirada do prenome ‘Estrela’ de 17 conjuntos habitacionais. Agora condenado pela Justiça Federal de Dourados pela compra superfaturada de 4 veículos denunciada na ‘Operação Sanguessuga’, junto com o ex-deputado João Grandão (PT), já condenado na 3ª. Turma do TRF-1 em 2015 a pena de 11 anos e 10 meses de prisão em regime inicialmente por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e fraude, em caso originário também da ‘Sanguessuga’. 

TORCIDA — No saguão da Assembleia Legislativa papo agradável com o prefeito José Gilberto Garcia (PR) de Nova Andradina (54 mil habitantes - 60 anos de fundação). A prefeitura é a maior empregadora: 1800 funcionários, seguida pelo Frigorífico com 800 operários. 50 mil hectares de cana de açúcar abastecem a Destilaria com centenas de trabalhadores. Ele torce pela reforma da previdência que geraria  economia mensal de R$300 mil - R$3.600 mil anuais. Fiel companheiro do deputado Londres Machado (PSD), confessa que a articulação dele tem sua fundamental junto ao Governo Estadual.

EM ALTA — Elogiada a conduta de Maurício Saito, presidente da Famasul ( Federação da Agricultura de MS). Cabeça oxigenada, vai cumprindo seu programa: representação institucional, melhoria do ambiente produtivo e maior capacitação do produtor rural. Articulado, com boa inserção no cenário econômico/político, Saito é conselheiro da Fundação MS e presidiu o Sindicato Rural de Itaporã; Cooperativa da Serra de Maracaju; Associação dos Produtores de Soja de MS e Conselho Deliberativo de Desenvolvimento do Centro-Oeste representando o setor produtivo e empresarial. 

OPORTUNISTAS — O Conselho Federal da OAB emitiu nota indicando o afastamento do ministro da Justiça Sérgio Moro e do procurador Deltan Dallagnol. Mais um ato dos advogados esquerdistas que usam o conselho, como se isso representasse o pensamento dos advogados brasileiros. A nota é pública  - mas não unânime. Afinal no direito não há verdade absoluta. Deveria  o Conselho concentrar-se na defesa dos profissionais que sofrem desrespeito no exercício da profissão e usar a mídia para esclarecer as opiniões públicas que denigrem a classe.  “Data vênia” - neste ato a Ordem não me representa. 

REFLEXÃO — “As conversas entre Moro e Dalagnol contém ilegalidades? (...) Mas a ilegalidade não é o pior nas conversas e estratégias comuns, porque os dois não inauguraram o comportamento: ele acontece sorrateiro e discreto em todos os tribunais...(  )...Antes de massacrar juiz e procurador deve-se perguntar: eles falsearam as provas, as sentenças não foram confirmadas no tribunal? No momento é o espetáculo, a encenação do escândalo (  )...No momento o Brasil vê-se novamente diante daqueles impasses de sua história: um passo adiante, dois passos atrás. A Operação Lava Jato foi um avanço, expôs a corrupção e a imprudência, o despudor dos políticos. Agora esses mesmos políticos levam o Brasil a recuar os dois passos de sempre: o descrédito da Lava Jato e o “resgate” daqueles nela apanhados.”  (Rogério Distéfano -  Blog “Insulto Diário”)

A PROPÓSITO — Como um milagre (patrocinado pela Globo, Folha e cia) tenta-se passar a imagem de um país que nunca foi. É consenso de quem é culpado não gosta de juiz de direito e de promotor de justiça. Então tudo que foi provado na Lava Jato foi pura invenção? E as delações? E o dinheiro devolvido surrupiado? Toda a história relatada no episódio da JBS é invencionice? Aquela mala com dinheiro de posse do assessor de Michel Temer era balela? E o que dizer do tal coronel Lima e sua empresa que prestava ‘serviço$’ na Usina de Angra? Sobre isso o deputado Pedro Kemp (PT) não disse um pio no seu desequilibrado discurso na tribuna da Assembleia Legislativa. 

PONTE AÉREA — A doença é cruel, não espera! Muito bom o projeto do deputado Marcio Fernandes (MDB) prevendo a destinação dos pontos (ganhos por agentes públicos em geral nas viagens oficiais) a um futuro banco administrador na Secretaria da Saúde para usá-los em prol dos doentes em  viagens para tratamento em outros centros. Ao contrário de outras leis nem sempre pragmáticas, a proposição é oportuna  e deverá sensibilizar deputados e outros agentes a doarem o crédito das suas milhas.

ESTILOS — A renovação na Assembleia Legislativa possibilita a oxigenação de ideias que deságuam em proposições compatíveis à nova realidade conectada aos apelos ao meio ambiente, mundo animal, comportamentos, lazer e outros. O deputado Lucas de Lima (SD) quer repetir o projeto ‘Dezembro Verde’ instituído com sucesso na capital quando era vereador. A proposta é conscientizar a população contra o abandono de cães e gatos que perambulam nas cidades. No país há 20 milhões de cachorros e 10 milhões de gatos soltos nas ruas, que podem transmitir doenças inclusive. Uma boa sacada!  

A RECOMPENSA — Não é fácil se destacar na multidão do Congresso. Agora mesmo, o deputado federal Fábio Trad (PSD) brinda seus eleitores com sua inclusão na lista do Diap dos 100 parlamentares mais influentes. Nada cai do céu: é fruto de seu preparo (especialização em direito) e produzindo 12 projetos e atuando em grupos de trabalho importantes. Pesa na escolha a reputação, liderança, capacidade de negociação, aspectos qualitativos e quantitativos. Claro, seria muito bom que todos os nossos parlamentares estivessem na lista que conferi. Mas por enquanto apenas ele, como ocorreu em 2014.  

VAPT-VUPT 40 anos – Num piscar de olhos, passaram rápido. Dos deputados constituintes só Londres Machado (PSD) e Onevan de Matos (MDB) sobreviveram politicamente para descerrar a placa alusiva no saguão da Assembleia Legislativa. Neste período muitos cidadãos eleitos passaram pela Casa, mas nem todos conseguiram deixar pegadas realmente marcantes. Alguns despreparados, confusos e equivocados na missão de legislar. Como o direito a proteção a imagem é rigorosa, fica impossível o relato de boas histórias, algumas folclóricas, envolvendo alguns destes ex-parlamentares. É pena. 

SOB HOLOFOTES — Primeiro foi o ministro da saúde Luiz H. Mandetta. Na última quarta feira foi a vez da ministra da agricultura Tereza Cristina ser sabatinada no ‘Globo News’. Ao seu estilo tranquilo não fugiu das perguntas e soube  sair das provocações com ‘endereço certo’. Mostrou que conhece; tudo da pecuária, dos desafios da lei ambiental, da produtividade, das reservas legais, uso de inseticidas e das lições para assegurar espaço no mercado internacional. Como ela disse-me certa feita: “eu não sou sabida; eu sou velha; assim como o diabo, que só é sabido - porque é velho”.

JORNALISTAS — são ambientalistas natos, mas só voltados ao meio rural. Ignoram os 3.000 lixões nas 1.600 cidades, as 100 milhões de pessoas sem água/esgoto tratados, o gás carbono dos carros. O rio Tietê em São Paulo mostra a cegueira dos ambientalistas e Ongs. Prende-se quem cria um papagaio em casa, mas ignora-se os venenos químicos jogados nos córregos e rios. A ministra Tereza Cristina lembrou  da incoerência da lei atual que proíbe  a construção da linha de energia elétrica que precisa passar dentro da reserva Waimiri com 225.000 kms quadrados onde vivem apenas 350 indígenas. Os ecologistas são urbanos, ganham bem bebendo uísque no Rio de Janeiro. Até eu!  

DUAS BARBARIDADES — recentes envolvendo o meio ambiente. A primeira prende-se a iniciativa do Ministério Público Federal para barrar as obras de ampliação do Porto Murtinho orçadas em 40 milhões de dólares. É o velho discurso da falta de estudo do impacto ambiental. Uma apologia a filosofia do atraso. A segunda questão refere-se  ao Ministério Público Estadual – depois de 13 anos do início do empreendimento – querer anular licenças ambientais concedidas ao Condomínio Alphaville I,II,III e IV onde já foram construídas mais de mil casas de alto padrão que geram empregos e renda. Vão desmanchá-las agora? Esse pessoal (estadual e federal) ganha bem e trava o progresso.

FIM DE FESTA — Só no Brasil! Juiz de Direito que vende sentença, desvia dinheiro, pratica tráfico de influência, após muita lenga lenga – é ‘castigado’ com aposentadoria compulsória e não perde direito aos generosos salários.  Mas agora o relator da Reforma da Previdência – deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) incluiu no texto original o fim da penalidade esdrúxula - sob a alegação que  os magistrados e membros do Ministério Público devem ser incluídos na classe dos funcionários públicos e portanto sujeitos à mesma legislação. Após a ‘Lava Jato’, é a hora da vingança da classe política. 

CALMA GENTE! — Se a crise persistir até as eleições de 2010  ( que é bem possível), onde irão arrumar dinheiro para bancar as eleições municipais,  sempre tão caras com esses eleitores viciados no ‘toma lá dá cá’?  Falo isso porque ouço muita conversa de ‘lideranças’ políticas  lá na Assembleia Legislativa citando esse ou aquele nome para prefeituras de determinados municípios, onde aliás o dinheiro virou coisa rara. E não me venham com churumelas; não se faz política sem dinheiro neste interior brasileiro. Quem vai financiar? O tráfico? A única atividade efetivamente rentável hoje em dia.

RÁPIDAS — Vereadores da nossa capital restringindo do narguilé. Mas na prática não será fácil a fiscalização.......Sobre as drogas, o ministro da Luiz H. Mandetta da Saúde lembra que a cerveja e o cigarro – liberados - são as portas de entrada de tudo........ Derrotado na CCJR, o deputado João H. Catan (PR) aprovou em plenário seu projeto dispondo sobre cadastro único dos deficientes no MS e esteve em Costa Rica prestigiando palestra do ex-senador Magno Malta.......Solto após mais de um ano preso – o empresário João Amorim (Solurb) não tem sido visto. A ordem é discrição máxima.........Deputada Rose Modesto (PSDB) estaria se encantando com os elogios e acenos de antigos adversários. Mas também na política a prática é diferente da teoria......O sonho da usina de asfalto para Dourados pode acontecer. Pelo menos o deputado Neno Razuk (PTB) saiu animado da reunião na Sudeco.......O ex-juiz  Odilon de Oliveira adotou o hábito de enviar artigos semanais à mídia e amigos. É sinal de que continua como aquele jogador que fica na área querendo fazer um gol........Deputado  capitão Contar (PSL) lembrou em recente discurso que a grande prova de que o PT está em baixa foi a perda da metade da representação na casa; de 4 para 2 deputados.......O aumento das exportações para a China já refletiu nos preços da carne suína e de frango em nossos supermercados. Não podia ser diferente......Deputado Gerson Claro (PP)  apresentou moção de apoio  ao Fundep permanente. Proposição aprovada........Deputado Jamilson Name (PDT) pediu reforma do UPA da Coronel Antonino........Deputado José Carlos Barbosa (DEM) pediu instalação de delegacia de polícia em Dois Irmãos do Buriti.......Deputado Evander Vendramini (PP) viu aprovado projeto prevendo presença de tradutor de libras em centros comerciais.......Deputado Marçal Filho (PSDB) pediu ao Secretário  de Governo Eduardo Riedel  a participação do Governo nas obras do trevo do DOF em Dourados......Deputado Lídio Lopes (Patriota) recebeu lideranças no seu gabinete, participou das sessões ordinárias, da sessão da CCJR e visitou secretarias junto com prefeitos e vereadores do interior. 

O escracho sobre Moro e Dallagnol é pura hipocrisia. De repetente o Brasil descobriu-se puro e virtuoso. (Rogério Distéfano)

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

O político precisa namorar o eleitor
Cabo Eleitoral & Conselheiro Tutelar
Democracia proporciona sonhos e pesadelos
Defendem a natureza, moram na cidade
Políticos ou eleitores? Quem mudará?

Mais Lidas

DOURADOS
Motorista bêbado tomba veículo na Joaquim Teixeira Alves
DOURADOS
Além de droga, pente-fino na PED encontrou cachaça, roteador de internet e ‘sky gato’
DOURADOS
Alvo de furtos e abusos no trânsito, avenida passa a ser monitorada por câmeras
DOURADOS
Prefeitura abre licitação para vender folha de pagamento do funcionalismo