Menu
Busca quinta, 27 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221
COLUNA

Na Lata!

Adriano Moretto

Ao melhor estilo ‘Doril’, secretária ‘some’ e não se manifesta sobre caos da saúde

Comentários, críticas e sugestões: adrianomoretto.oliveira@gmail.com

06 setembro 2019 - 00h03

Independência – O desfile cívico de amanhã vai, mais uma vez, testar a popularidade da prefeita Délia Razuk (sem partido) em Dourados. Próximo de completar o terceiro ano de mandato, a chefe do Executivo foi alvo de fortes manifestações em 2017, quando enfrentava greve na Educação e deixou o local antes mesmo do encerramento. Já no ano passado os protestos não tiveram tanta força assim. 

Estratégia – Como num tabuleiro de xadrez, a articulação da prefeita sabe que, a ‘blindagem’ maior no palanque durante o evento deste sábado passa pelo pagamento do funcionalismo público. O novo escalonamento anunciado ontem pode resultar, mais uma vez, em faixas, cartazes e vaias ao longo das aproximadamente 2h de desfile. 

Palanque – Como de costume, o palanque das autoridades deve movimentar vários políticos, com e sem mandato, para serem vistos e lembrados pela população, que volta as urnas no próximo ano para escolha de prefeitos e vereadores. 

Eleição – O PT elege no domingo dirigentes municipais em todo o Brasil. Em Dourados, a eleição para chapa única encabeçada pelo professor universitário João Carlos de Souza, ocorre entre 9h e 17h na Câmara Municipal. Atualmente a sigla contra no município com apenas um político com mandato, o vereador Elias Ishy.

Doril – Ao melhor estilo comercial na década de 1990, ‘tomou Doril, a dor sumiu!’, a secretária municipal de Saúde, Berenice Machado, não é encontrada para responder os questionamentos da imprensa sobre os atuais – ou não tão atuais assim – problemas enfrentados pela pasta a qual comanda. 

Agenda – Ontem, ela embarcou com a prefeita Délia Razuk para cumprir agenda em Brasília (DF) e buscar, durante encontro junto ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandeta, soluções para o caos vivenciado na cidade. 

Sem médicos – Desde que a ala verde do Hospital da Vida deixou de atender, no dia 1º de setembro, a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) ficou ainda mais sobrecarregada, afetando diretamente as pessoas que necessitam dos serviços em saúde. Ontem, mais reclamações chegaram à reportagem do Dourados News, gerando inclusive reclamação dos próprios servidores que atendem ali. 

Caos – É fato que há anos o município, polo de mais de 30 cidades que buscam atendimento, vem sofrendo com a falta de recursos para a saúde, porém, desde 2018 o problema tem aumentado ao ponto de o Ministério Público instaurar Inquérito Civil para apurar a morte de uma pessoa dentro do Hospital da Vida por falta de médico. 

Protesto – Servidores do judiciário estadual realizaram manifesto ontem em frente a Fóruns de 22 cidades, cobrando melhorias por parte do Tribunal de Justiça de MS ao funcionalismo. Pelo menos 600 pessoas, conforme o sindicato da categoria, participaram da ação. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Alerta de ministro contra coronavírus inclui evitar compartilhar tereré
Sem cumprir contrato em MS, grupo arremata BR no Sul do país
Magoado, deputado sai de grupo e se isola na AL
Falta de cuidados em três terrenos leva prefeitura ser multada pelo CCZ
Com caso em investigação, deputado elege culpados por suposto atentado

Mais Lidas

MULTIDÃO
Carnaval na praça central de Dourados termina em ‘confusão e sujeira’
DOURADOS
Mulher tenta sair de mercado com quase R$ 700 em compras sem pagar
INVESTIGAÇÃO
Ex-prefeito de Amambai foi morto após discussão por desacordo trabalhista
PONTA PORÃ
Estado monitora caso suspeito de Coronavírus na fronteira