19/05/2017 06h24

Marun é "traído" horas após discurso favorável a Temer


Adriano Moretto

Visita - Conforme informado aqui na quarta-feira, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) cumpre agenda em Dourados amanhã, para entrega de viaturas aos órgãos de segurança dentro do programa ‘MS mais seguro’. A solenidade está agendada para as 10h no Sindicato Rural.

Bolachas - Essa é a primeira vez que o chefe do Executivo retorna à cidade após o episódio das ‘bolachas’, onde estudantes da escola em tempo integral Rita Angelina Barbosa Silveira, protestaram contra a merenda a base de biscoito concedida a eles.

Repasse - O governo federal, através do Ministério do Turismo, repassou no dia 11 de maio mais de R$ 258 mil – de total estimado em R$ 1.267.500,00 - para a conclusão das obras de construção do Centro de Convenções de Dourados, localizado paralelo à avenida Guaicurus, região Noroeste da cidade.

Mas... - A obra teve início em 2007 e parte dela foi entregue apenas no final do ano passado, quando o local acabou se transformando na sede da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Sustentável, o que permanece até hoje.

Armadilha - O deputado federal Carlos Marun (PMDB) caiu na própria ‘armadilha’ em sua rede social horas antes da denúncia de que o presidente Michel Temer (PMDB) estaria, com dinheiro da JBS, comprando o silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, preso em Curitiba (PR).


 

Empolgado - "Depois da tempestade que bagunçou as contas públicas e, consequentemente, toda a confiança do setor econômico, o Brasil tem dado sinais sólidos de que está voltando ao caminho do crescimento e do desenvolvimento (...). É o País retomando o caminho da prosperidade. "Viva o novo Brasil presidido por Michel Temer"", postou o parlamentar sul-mato-grossense, ‘traído’ pela própria rede social mais tarde, quando o mundo comentava o escândalo a qual o presidente estava envolvido.


Contrassenso - Favoráveis às reformas propostas por Michel Temer até quarta-feira e parte da base aliada do governo, Luiz Henrique Mandetta (DEM) e Geraldo Resende (PSDB), ontem, já defendiam a renuncia do atual presidente, em entrevista à imprensa da Capital.

Silêncio - Na Assembleia Legislativa, nenhuma menção dos peemedebistas sobre o ‘batom na cueca’ de Temer, ao contrário de Pedro Kemp (PT) e Coronel Davi (PSDC), que lamentaram mais um episódio negativo na política brasileira.

Bolsonaro - Aliás, Coronel Davi também aproveitou seu discurso para fazer campanha ao seu correligionário, Jair Bolsonaro, a quem disse ser o único a qual deposita esperanças, o classificando como ‘uma pessoa honesta’ e que ‘dará todo o suporte à população’.

Fica - No fim, depois de muito ‘diz-que-me-diz’, Michel Temer foi a público por volta de 15h (MS) e anunciou que não renunciaria ao cargo de presidente. Pouco antes, o STF autorizava abertura de inquérito para investiga-lo.

Comentários, críticas e sugestões: adrianomoretto.oliveira@gmail.com

Envie seu Comentário