Menu
Busca segunda, 15 de outubro de 2018
(67) 9860-3221
OPINIÃO

Joesley, o gravador e o psiquiatra

13 setembro 2017 - 17h05

No intervalo de quatro meses – que é nada no laspso da história – os irmãos Batista (Joesley e Wesley) deixaram o status de empresários brasileiros muito bem sucedidos e deram com os costados na cadeia de onde, mesmo com todo o dinheiro que juntaram, poderão ter dificuldade para sair. A divulgação da gravação feita às escondidas com o presidente Michel Temer, quase o afastou do poder e rendeu desdobramentos que deverão perseguí-lo até depois que deixar o mandato, mesmo que o termine em 31 de dezembro de 2018. Mas o método também atropelou o senador Aécio Neves, jogou mais lama em Lula e Dilma e em dezenas de outros figurões da República, revelando supostos crimes que a justiça hoje se empenha em apurar. Enredou até o procurador geral da República, Rodrigo Janot, que deu excessivo crédito às delações dos empresários e hoje gasta seus últimos dias no posto na tentativa de recolocar as coisas nos devidos lugares e evitar mais perdas à própria imagem profissional.

Ao contrário do intransigente deputado índio Mário Juruna, que utilizava o gravador apenas como prova do que lhe prometiam, Joesley o fez arma contra os poderosos, buscando constituir prova de crimes por estes cometidos, mas não teve condições (ou interesse) de esconder seus próprios erros. Além dos políticos, derrubou a casa até na Procuradoria Geral da República, trazendo para seu esquema o ex-procurador Marcelo Miller, de relacionamento profissional próximo a Janot e hoje também envolvido nos processos e com pedido de prisão.

Preso, o empresário é o motivo da insônia de muita gente importante. Deverá continuar sua narrativa, pois é o caminho da colaboração que poderá levá-lo à liberdade, ainda que provisória. Ministros, parlamentares, empresários e outros figurões temem também terem sido, em algum instante, gravados pelo empresário araponga. É aí que mora o perigo. Na medida em que forem se esclarecendo as artimanhas, novos personagens irão surgindo. Não é difícil que parte deles, no preigo iminente, mesmo sem a certeza de estar no cardápio, comecem a falar o que sabem à espera de, colaborando, reduzir suas possíveis penas. São os casos do ex-procurador Marcelo Miller e do executivo Ricardo Saud que, envolvidos, só podem esperar que Joesley ainda os denuncie e, portanto, podem fazer o caminho inverso.

Pelo que se depreende, Joesley sente-se forte, uma espécie de semi-deus e, como tal, teve a coragem de ir gravar o presidente, não escondeu (e faz questão de divulgar) os próprios crimes, subestimou a inteligência dos apuradores e, possivelmente, não vive em perfeito juízo. Seria de elevadíssima utilidade, antes de qualquer outra providência, submetê-lo a uma junta psiquiátrica para a comprovação de sua sanidade. Com esse resultado em mãos, a Justiça poderá decidir mais acertada e rapidamente se é o caso de imputar-lhe os crimes já explicitados ou simplesmente aplicar medidas de segurança para que não continue prejudicando o país com estripulias...

Deixe seu Comentário

Leia Também

ELEIÇÕES 2018
Deputados federais eleitos em MS gastaram de R$ 0,02 a R$ 33 por voto
ELEIÇÕES 2018
Bolsonaro afirma que vai resgatar o respeito em sala de aula
GERAL
Ganhadora de carro 0km do Grupo ABV é de Dourados
DOURADOS
Semana Nacional de Ciência e Tecnologia será nas aldeias Bororó e Jaguapiru
RURAL
MS inicia outubro com quase 90% da safra 2017/18 de soja comercializada
DOURADOS
Família busca notícias de mulher que abandonou carro e embarcou na rodoviária
EDUCAÇÃO
Último dia de pagamento da taxa de inscrição de concurso público do IFMS
DIA DO PROFESSOR
Brasil tem mais de 2,5 milhões de professores
FRONTEIRA
Motociclista morre atropelado ao tentar ultrapassar carreta pela direita
JARDIM MONTE LÍBANO
Policiais douradenses são presos por assalto a família

Mais Lidas

DOURADOS
Ciclista sofre atropelamento e fica em estado gravíssimo
DOURADOS
Traficante que atuava com “disk drogas” é preso
TRAGÉDIA
Douradense morre em acidente no RS
DOURADOS
Dois são presos por promover festa para menores de idade “regada” com bebida alcoólica