Menu
Busca terça, 19 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
OPINIÃO

Joesley, o gravador e o psiquiatra

13 setembro 2017 - 17h05

No intervalo de quatro meses – que é nada no laspso da história – os irmãos Batista (Joesley e Wesley) deixaram o status de empresários brasileiros muito bem sucedidos e deram com os costados na cadeia de onde, mesmo com todo o dinheiro que juntaram, poderão ter dificuldade para sair. A divulgação da gravação feita às escondidas com o presidente Michel Temer, quase o afastou do poder e rendeu desdobramentos que deverão perseguí-lo até depois que deixar o mandato, mesmo que o termine em 31 de dezembro de 2018. Mas o método também atropelou o senador Aécio Neves, jogou mais lama em Lula e Dilma e em dezenas de outros figurões da República, revelando supostos crimes que a justiça hoje se empenha em apurar. Enredou até o procurador geral da República, Rodrigo Janot, que deu excessivo crédito às delações dos empresários e hoje gasta seus últimos dias no posto na tentativa de recolocar as coisas nos devidos lugares e evitar mais perdas à própria imagem profissional.

Ao contrário do intransigente deputado índio Mário Juruna, que utilizava o gravador apenas como prova do que lhe prometiam, Joesley o fez arma contra os poderosos, buscando constituir prova de crimes por estes cometidos, mas não teve condições (ou interesse) de esconder seus próprios erros. Além dos políticos, derrubou a casa até na Procuradoria Geral da República, trazendo para seu esquema o ex-procurador Marcelo Miller, de relacionamento profissional próximo a Janot e hoje também envolvido nos processos e com pedido de prisão.

Preso, o empresário é o motivo da insônia de muita gente importante. Deverá continuar sua narrativa, pois é o caminho da colaboração que poderá levá-lo à liberdade, ainda que provisória. Ministros, parlamentares, empresários e outros figurões temem também terem sido, em algum instante, gravados pelo empresário araponga. É aí que mora o perigo. Na medida em que forem se esclarecendo as artimanhas, novos personagens irão surgindo. Não é difícil que parte deles, no preigo iminente, mesmo sem a certeza de estar no cardápio, comecem a falar o que sabem à espera de, colaborando, reduzir suas possíveis penas. São os casos do ex-procurador Marcelo Miller e do executivo Ricardo Saud que, envolvidos, só podem esperar que Joesley ainda os denuncie e, portanto, podem fazer o caminho inverso.

Pelo que se depreende, Joesley sente-se forte, uma espécie de semi-deus e, como tal, teve a coragem de ir gravar o presidente, não escondeu (e faz questão de divulgar) os próprios crimes, subestimou a inteligência dos apuradores e, possivelmente, não vive em perfeito juízo. Seria de elevadíssima utilidade, antes de qualquer outra providência, submetê-lo a uma junta psiquiátrica para a comprovação de sua sanidade. Com esse resultado em mãos, a Justiça poderá decidir mais acertada e rapidamente se é o caso de imputar-lhe os crimes já explicitados ou simplesmente aplicar medidas de segurança para que não continue prejudicando o país com estripulias...

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Mariana Rios renova o bronza em cenário de tirar o fôlego no Rio
POLÍCIA
Dupla é presa dinheiro e documentos falsos no aeroporto da Capital
BRASIL
Senado aprova projeto que proíbe casamento de menores de 16 anos
JUSTIÇA
Fabricantes de laticínios devem pagar R$ 18 mil por calote em conta de luz
TRÁFICO
Trio é preso com mais de meia tonelada de cocaína
COXIM
Idosa de 80 anos é agredida a pauladas por jovem que invadiu casa
ESPORTE
Funed conclui elaboração de calendário anual de atividades esportivas
APOSENTADORIA
Bolsonaro fará pronunciamento na TV para defender reforma da Previdência
PROJETO
UFGD seleciona shows musicais para o projeto Celebração 2019
CAMPO GRANDE
Júri é suspenso após advogada chorar e ameaçar suicídio

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Motociclista atropela, mata criança de 1 ano em Dourados e foge do local
DOURADOS
Motorista tenta desviar de outro veículo e bate carro em árvore
NOVA ANDRADINA
Mãe de 16 anos mata filha de apenas 21 dias
DOURADOS
Um ano após pedido de demissão, ex-secretário de Délia retorna à prefeitura