Menu
Busca domingo, 21 de abril de 2019
(67) 9860-3221
OPINIÃO

Joesley, o gravador e o psiquiatra

13 setembro 2017 - 17h05

No intervalo de quatro meses – que é nada no laspso da história – os irmãos Batista (Joesley e Wesley) deixaram o status de empresários brasileiros muito bem sucedidos e deram com os costados na cadeia de onde, mesmo com todo o dinheiro que juntaram, poderão ter dificuldade para sair. A divulgação da gravação feita às escondidas com o presidente Michel Temer, quase o afastou do poder e rendeu desdobramentos que deverão perseguí-lo até depois que deixar o mandato, mesmo que o termine em 31 de dezembro de 2018. Mas o método também atropelou o senador Aécio Neves, jogou mais lama em Lula e Dilma e em dezenas de outros figurões da República, revelando supostos crimes que a justiça hoje se empenha em apurar. Enredou até o procurador geral da República, Rodrigo Janot, que deu excessivo crédito às delações dos empresários e hoje gasta seus últimos dias no posto na tentativa de recolocar as coisas nos devidos lugares e evitar mais perdas à própria imagem profissional.

Ao contrário do intransigente deputado índio Mário Juruna, que utilizava o gravador apenas como prova do que lhe prometiam, Joesley o fez arma contra os poderosos, buscando constituir prova de crimes por estes cometidos, mas não teve condições (ou interesse) de esconder seus próprios erros. Além dos políticos, derrubou a casa até na Procuradoria Geral da República, trazendo para seu esquema o ex-procurador Marcelo Miller, de relacionamento profissional próximo a Janot e hoje também envolvido nos processos e com pedido de prisão.

Preso, o empresário é o motivo da insônia de muita gente importante. Deverá continuar sua narrativa, pois é o caminho da colaboração que poderá levá-lo à liberdade, ainda que provisória. Ministros, parlamentares, empresários e outros figurões temem também terem sido, em algum instante, gravados pelo empresário araponga. É aí que mora o perigo. Na medida em que forem se esclarecendo as artimanhas, novos personagens irão surgindo. Não é difícil que parte deles, no preigo iminente, mesmo sem a certeza de estar no cardápio, comecem a falar o que sabem à espera de, colaborando, reduzir suas possíveis penas. São os casos do ex-procurador Marcelo Miller e do executivo Ricardo Saud que, envolvidos, só podem esperar que Joesley ainda os denuncie e, portanto, podem fazer o caminho inverso.

Pelo que se depreende, Joesley sente-se forte, uma espécie de semi-deus e, como tal, teve a coragem de ir gravar o presidente, não escondeu (e faz questão de divulgar) os próprios crimes, subestimou a inteligência dos apuradores e, possivelmente, não vive em perfeito juízo. Seria de elevadíssima utilidade, antes de qualquer outra providência, submetê-lo a uma junta psiquiátrica para a comprovação de sua sanidade. Com esse resultado em mãos, a Justiça poderá decidir mais acertada e rapidamente se é o caso de imputar-lhe os crimes já explicitados ou simplesmente aplicar medidas de segurança para que não continue prejudicando o país com estripulias...

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSOS
Luana Piovani comenta o fim dos likes no Intagram com foto barriga: "Sou mil vezes essa imagem"
POLÍCIA
Homem é encontrado morto no Rio Dourados
ESPORTES
Águia Negra é tricampeão e comemora em casa
ESPORTES
Corinthians é tricampeão Paulista
ESPORTES
Flamengo vence o Vasco por 2 a 0 e é campeão carioca
MUNDO
Eleições da Ucrânia se encerram às 17h; Leia sobre favoritos
MS
Rapaz bêbado e ensanguentado pula muro, invade casa de PM e diz estar fugindo de briga
BRASIL
Bolsonaro condena ataques no Sri Lanka
MS
Homem é autuado por transporte de pescado ilegal
MS
Bebê nasce na BR-163/MS à caminho de hospital

Mais Lidas

POLÍCIA
Mulher de 41 anos é assaltada e estuprada próximo à feira-livre
DOURADOS
Rapaz é ferido com duas facadas e socorrido ao HV
DOURADOS
Indígena que morreu atropelada na MS-156 tinha 25 anos
POLÍCIA
Casal é preso por tráfico, após entrega de crack, no Cachoeirinha