Menu
Busca segunda, 16 de julho de 2018
(67) 9860-3221

É só oportunismo

04 maio 2011 - 15h53

Não adianta, já virou clichê. Sempre que acontece algum desastre aqui no país, alguns políticos não perdem a mania, aproveitam da comoção nacional e tascam uma ridícula proposta eleitoreira.

Se não é oportunismo o que justificaria, então, o fato de o senador José Sarney estar sugerindo uma nova proposta de desarmamento no país? Mas logo ele que é presidente do Senado Federal e até já
foi presidente da República?

Se essa proposta tivesse partido de algum senador ou deputado federal do baixo clero, ainda vá lá, a gente perdoaria. Mas partiu do presidente do Senado Federal, uma das Casas em que deverá tramitar o projeto para sua aprovação.

Pra quê suscitar novamente essa questão se não faz muito tempo os brasileiros já foram consultados em 2005 na forma de um referendo? Agora o senador quer um plebiscito e por que se 64% dos brasileiros já disseram não ao desarmamento? Aquele referendo custou ao país
250 milhões de reais. E parece que o próprio presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandowski, desconhece o quanto foi gasto para realizar aquele referendo, pois também aparece como favorável ao plebiscito.

Por que o senador Sarney não propôs numa de suas emendas ao Orçamento Federal uma verba de 250 milhões para desarmar os bandidos? Sim, porque uma nova lei que obrigue o desarmamento na verdade irá desarmar o cidadão honesto, mas não irá desarmar o criminoso.

Apesar de a Wikipédia dizer que a palavra REFERENDO poderia ser tomada como sinônimo de PLEBISCITO, na verdade ela explica bem que um plebiscito é quando o povo é convocado ANTES para saber se quer uma norma nova (lei). Num referendo o povo é convocado DEPOIS de uma lei
feita para se saber se o povo a aprova, ou não.

Em 23 de dezembro de 2003 foi aprovada pelo Congresso Nacional a Lei 10826 que tratava do desarmamento no Brasil. Dois anos depois, em 23 de outubro de 2005, fez-se um referendo nacional e os brasileiros (64%) disseram NÃO a essa lei (10826) do desarmamento. Fica claro, então, que aquele referendo tem mais força que um novo plebiscito.

Naquele referendo os brasileiros já disseram que não queriam a lei do desarmamento por que iriam dar agora uma nova autorização (plebiscito) para ser criada uma nova lei de desarmamento?

Não tenho arma de fogo; não uso arma alguma, mas confesso que usaria, sim, em caso de necessidade. Quero ter o direito de me defender dentro do que a Lei me permite. Não quero e nem posso depender exclusivamente das autoridades para garantir minha integridade e a dos meus familiares.

O desarmamento já é muito bem feito nas pessoas honestas aqui no país. Fui obrigado a entregar meu canivete suíço ao passar em raios-X num embarque em aeroporto – uma verdadeira maravilha, até cortador de unhas e abridor de garrafas ele tinha. Minha esposa já não faz mais contas de quantas tesourinhas de cortar unhas já deixou nos aeroportos.

São tantas as exigências para se legalizar uma arma de fogo que fica muito fácil a todo policial desarmar qualquer cidadão que ele suspeite. Simplesmente porque é impraticável ter à mão todos os documentos necessários para se andar armado na rua. Fique esperto, então, não entre nessa de plebiscito para o desarmamento, é coisa de político oportunista.





Waldir Guerra*
* Membro da Academia Douradense de Letras; foi vereador, secretário do Estado e deputado federal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SEXY
Viviane Araújo arrasa em ensaio só de lingerie transparente
AMAMBAI
Ciclista fratura cabeça em queda e morre no meio da rua
DOURADOS
PF ministra curso de direção operacional a novos guardas
LEGISLATIVO DE MS
De recesso nas sessões ordinárias, AL faz homenagem ao líder da Sukyo Mahikari
DOURADOS
Celular roubado no ano passado é recuperado próximo a Ceim
BARBÁRIE
Mulher é morta a facadas em Amambai
REGIÃO DO PANTANAL
Vacinação contra febre aftosa termina nos próximos dias
ÉÉÉ CAMPEÃOOO
França bate Croácia e fica com o bi mundial
SAÚDE
Saiba como se prevenir contra as doenças do inverno
UFGD
Inscrições de trabalho para Encontro de pesquisadores terminam hoje

Mais Lidas

RESIDENCIAL BONANZA
Homem atropela casal em Dourados após ser contrariado
DOURADOS
Homem é atropelado após “roletar” avenida com bicicleta motorizada
MS-156
Rapaz morre após ser atropelado duas vezes em rodovia
PEDRO JUAN
Troca de tiros deixa 3 pessoas feridas na fronteira