Menu
Busca quarta, 12 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221

Bom Vizinho: Artigo em Extinção?, por Manoel Afonso

27 dezembro 2012 - 17h20

#####.

Pesquisa recente mostrou como anda a confiabilidade do brasileiro, onde as Forças Armadas lideram com 75% e os partidos políticos ocupam a lanterna com míseros 7% de credibilidade. Curiosamente pela primeira vez foi incluída a vizinhança entre instituições e grupos pesquisados.


O resultado é no mínimo surpreendente: apenas 30% dos entrevistados tem bom conceito de seus vizinhos. Os números retratam como andam as relações humanas, principalmente nas grandes cidades, onde presumivelmente a coleta de opiniões deva ter sido realizada.


Mesmo admitindo-se margem de erro, a amostragem enseja reflexões e questionamentos. Os leitores das grandes cidades podem concordar usando argumentos variados, desde o estilo de vida, a falta de tempo e nenhuma identidade cultural, para se recolherem à sua ‘toca’ e ponto final.

Evidente que ficou na saudade os tempos em que os vizinhos eram mais íntimos: desde os pedidos de empréstimos do ‘café salvador’ - ao remédio na madrugada fria para estancar a febre do filho. Hoje as famílias se bastam, notadamente nos bairros de classe alta onde os muros altos e os dispositivos de segurança isolam as pessoas. Cumprimentos são formais e apenas durante a operação do portão eletrônico. Cadeiras na calçada e crianças curtindo a bicicleta na rua são cenas exclusivas, mas não frequentes inclusive de bairros da periferia.

Não se pode esquecer também de algumas outras inovações comportamentais que influenciaram. Festas de aniversários e casamentos só nos salões de aluguel; perderam o toque da pessoalidade. Agora é ‘proibido’ morrer em casa. Velório só nas funerárias, como se a morte não fosse parte integrante das nossas próprias vidas e a solidariedade dos vizinhos perfeitamente dispensável.

Aqui vai um exemplo pessoal. Todos os anos saímos pela vizinhança para distribuir sacolas de mangas de nosso quintal. Em todas as casas a mesma coisa: após a recepção fria no interfone, vem aquela reação agradável quando o objetivo da ‘visita’ é revelado. As pessoas se mostram surpresas com a iniciativa/gesto e se desarmam.

Claro! É preciso distinguir situações, mas é possível rever a postura para construir pontes e derrubar muros onde vivemos. A pesquisa serve de alerta e convite para isso. Afinal, “nem sempre a grama do vizinho é mais verde”. Pense nisso.


Manoel Afonso - (acesse www.manoelafonso.com.br)

Deixe seu Comentário

Leia Também

LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 36 milhões nesta quarta-feira
UFGD
Abertas inscrições para segunda etapa do II Festival de Graffiti
FABRICA
Chineses anunciam investimentos de R$ 2 bilhões em obra de Maracaju
SEST SENAT
Taxista realizam curso de atualização em Dourados
EDUCAÇÃO
Prouni do primeiro semestre de 2019 abrirá inscrições em 29 de janeiro
TEMPO
Quarta-feira de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove
SHOWBIZ
Glenda Kozlowski coloca o bronzeado em dia no Rio de Janeiro
CULTURA
Cineclube UFGD encerra 2018 com o filme Feliz Natal
CORRUPÇÃO
Desembargadora Tânia Borges é alvo de novo processo no CNJ
PETRECHO PROÍBIDO
Ambiental apreende 200 metros de redes de pesca no Rio Paraguai

Mais Lidas

DOURADOS
Contador e esposa são presos na segunda fase da Operação Pregão
DOURADOS
Polícia prende acusado de agredir e esfaquear idosa em assalto
TRAGÉDIA
Neto matou avó com duas facadas nas costas
TRAGÉDIA EM ITAPORÃ
Antes de assassinato, menor discutiu com a avó porque queria vir para Dourados