Menu
Busca Quinta, 18 de Janeiro de 2018
(67) 9860-3221
Escola Sesc - Janeiro 2018

Bom Vizinho: Artigo em Extinção?, por Manoel Afonso

27 Dezembro 2012 - 17h20

#####.

Pesquisa recente mostrou como anda a confiabilidade do brasileiro, onde as Forças Armadas lideram com 75% e os partidos políticos ocupam a lanterna com míseros 7% de credibilidade. Curiosamente pela primeira vez foi incluída a vizinhança entre instituições e grupos pesquisados.


O resultado é no mínimo surpreendente: apenas 30% dos entrevistados tem bom conceito de seus vizinhos. Os números retratam como andam as relações humanas, principalmente nas grandes cidades, onde presumivelmente a coleta de opiniões deva ter sido realizada.


Mesmo admitindo-se margem de erro, a amostragem enseja reflexões e questionamentos. Os leitores das grandes cidades podem concordar usando argumentos variados, desde o estilo de vida, a falta de tempo e nenhuma identidade cultural, para se recolherem à sua ‘toca’ e ponto final.

Evidente que ficou na saudade os tempos em que os vizinhos eram mais íntimos: desde os pedidos de empréstimos do ‘café salvador’ - ao remédio na madrugada fria para estancar a febre do filho. Hoje as famílias se bastam, notadamente nos bairros de classe alta onde os muros altos e os dispositivos de segurança isolam as pessoas. Cumprimentos são formais e apenas durante a operação do portão eletrônico. Cadeiras na calçada e crianças curtindo a bicicleta na rua são cenas exclusivas, mas não frequentes inclusive de bairros da periferia.

Não se pode esquecer também de algumas outras inovações comportamentais que influenciaram. Festas de aniversários e casamentos só nos salões de aluguel; perderam o toque da pessoalidade. Agora é ‘proibido’ morrer em casa. Velório só nas funerárias, como se a morte não fosse parte integrante das nossas próprias vidas e a solidariedade dos vizinhos perfeitamente dispensável.

Aqui vai um exemplo pessoal. Todos os anos saímos pela vizinhança para distribuir sacolas de mangas de nosso quintal. Em todas as casas a mesma coisa: após a recepção fria no interfone, vem aquela reação agradável quando o objetivo da ‘visita’ é revelado. As pessoas se mostram surpresas com a iniciativa/gesto e se desarmam.

Claro! É preciso distinguir situações, mas é possível rever a postura para construir pontes e derrubar muros onde vivemos. A pesquisa serve de alerta e convite para isso. Afinal, “nem sempre a grama do vizinho é mais verde”. Pense nisso.


Manoel Afonso - (acesse www.manoelafonso.com.br)

Deixe seu Comentário

Leia Também

EITA, EITA!
Participante do BBB18 adora mandar nudes
DOURADOS
Chuva intensa alaga túnel do Parque das Nações II
POLÍTICA
Recurso é negado pela Justiça Federal e interrogatório de Lula é mantido
REGIÃO
Em parceria com prefeito Marquinhos, Geraldo garante novas ações para Vicentina
ECONOMIA
Dólar tem nova queda e volta a R$ 3,20
Dólar tem nova queda e volta a R$ 3,20
POLÍCIA
Trio de assaltantes atira em idoso durante assalto
Trio de assaltantes atira em idoso durante assalto
BONITO
Tio encontra sobrinho morto no quintal de casa
Uma trouxinha de maconha foi encontrada no quarto do jovem;
MS
Divulgada resolução que orienta sobre inscrições no Programa Vale Universidade
Divulgada resolução que orienta sobre inscrições no Programa Vale Universidade
MEDIDA
Moro ordena transferência de Sérgio Cabral do Rio para o Paraná
MEDIDA
Construtora deve manter acordo contratual sem cobrança de juros abusivos
Construtora deve manter acordo contratual sem cobrança de juros abusivos

Mais Lidas

DOURADOS
Homens são presos após assaltar jovens e roubar caminhonetes
DOURADOS
Homem é preso por posse de armas, droga e relógios roubados
QUADRILHA
Polícia prende suspeitos de sequestrar jovem em frente a hospital
NOVA ALVORADA
Homem é assassinado com cinco tiros enquanto caminhava