Menu
Busca sexta, 18 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221

Amplavisão

04 maio 2011 - 16h01

NOTEM AÍ... Caso assuma o mandato no Senado, Antônio Russo, hoje no PSDB, poderá ingressar no PSD e assim votar com o Governo.

O PARTIDO dos tucanos atravessa grave (mais uma) crise, com chances inclusive de fusão com o DEM. O ambiente, seria desinteressante para quem está chegando, incentivando Russo para a opção do novo partido.

MARISA parece ter se decepcionado com a cúpula tucana e o desempenho de Serra. A chegada de Aécio piorou ainda mais o ambiente. Dizem que ele é ‘insuportável’ e se recusa a aceitar críticas ou sugestões. Vai dançar?

DILMA tem muita sorte! Essa oposição que aí está não passa de ‘brincalhões’ de pires na mão, atrás de emendas para seus currais. E aí, os dois principais partidos da oposição já são chamados de PSD-Bosta e DE-Merda.

QUESTÃO 1 Até onde iria o desdobramento do episódio da AL? Evidente que os holofotes atraem também vaidosos e oportunistas. A tese de André, para desnudar todos os poderes deixou muita gente de saia justa.

QUESTÃO 2 Os deputados estão desunidos ou formaram um só corpo? A Casa ficará instável até que se decida o imbróglio? A melhor defesa (adotada) continuará sendo o ataque? E onde fica o eleitor neste cenário turbulento?

QUESTÃO 3 Se a generosa lei permite, as partes envolvidas nesta guerra vão esgotar todos os recursos possíveis e imagináveis. “Isso não se decide da noite para o dia”, alerta um experiente político no saguão da AL.

DELCÍDIO Reafirmando ao colunista a disposição de barrar a perda de R$40 milhões mensais ao MS na importação do gás. Como eu sempre digo: em situações como essa é que o político tem que ter tutano... e cacife.

NO SAGUÃO da AL não faltam espirituosos. Um deles comparava as vantagen$ do mandato de vereador da capital com as do mandato de deputado: “ Bernal e Cabo Almi devem estar arrependidos desta troca”. Ou não?

A SOBRA Além dos 27,5% do IR, dos 11% da previdência, os deputados do PT são garfados pelo dízimo de 10% sobre o ganho bruto. Eles não admitem publicamente, mas entre eles reclamam da mordida doída.

“BOLA CHEIA” Agradou a palestra de Tião Viana, (governador do Acre) no recente evento da ESCOEX (Tribunal de Contas). Especialista em orçamento no Senado ele deu boas dicas aos prefeitos e demais gestores presentes.

DO LEITOR: “...ninguém se elege pela força de suas idéias, mas pelo tamanho de seu bolso”. Essa frase-desabafo do ex-governador Arruda, citada nesta coluna, mostra o triste quadro sem retoques da política brasileira”.

“MÁGICAS” não digeridas pelo consumidor: se as usinas de álcool estão bem perto dos postos revendedores, como pode esse produto custar tão caro? Esse ‘pulo do gato’ de manipulação de cálculos é ignorado pelo Governo.

CONCLUSÃO De nada adianta o ‘carnaval’ sobre o nosso pioneirismo no setor, se a lei que regula a produção e distribuição do álcool é falha. O usineiro não tá nem aí: fabricar/exportar o açúcar é muito mais lucrativo.

RECLAMA o leitor: “...Só papo? As obras da Copa/ Olimpíadas atrasadas; a saúde e a segurança pioraram; a inflação voltou e faltam investimentos nos transportes das grandes cidades. E ninguém sai gritando nas ruas....”

“A REFORMA” Na Lista Fechada vota-se apenas na legenda, elegendo indiretamente os nomes preferidos pelo partido. Mas contraria o artigo 1º da Carta Magna porque retira do eleitor o poder de escolher seu representante.

OS EMBATES sobre o tema começaram. Juristas já se manifestam contra as possíveis aberrações que podem provocar recursos intermináveis. E aí, é bom o eleitor se acostumar com a idéia: a reforma política não sairá.

FALANDO francamente: “Os coronéis dos grandes partidos querem asseguras seus espaços no comando. Na lista fechada os novos postulantes não terão chances de vitória. E onde fica a liberdade de escolha do eleitor?

TRANSFIRA o sistema da lista para nosso Estado e tire suas conclusões. Vejamos: Quem o PMDB, PT, PSD, PPS, DEM, PR, PP e PSDB – por exemplo – vão escolher? Teremos um jogo de cartas marcadas. Concordam?

ARTICULADO O vice prefeito Edil lembrando o colunista da importância do gestor público driblar barreiras e garantir recursos. Para ele, Nelsinho se enquadra neste perfil. Suas relações com o Planalto são excelentes. Daí...

O ADMINISTRADOR tem compromisso com a população. O equilíbrio se faz necessário: a postura política não pode atrapalhar soluções. Abrir portas em Brasília exige atenção, ousadia e jeito. E isso Nelsinho tem!

ANTIGAMENTE prefeitos prejudicavam as cidades devido as “diferenças políticas” com o governador ou presidente. Passavam 4 anos à míngua, não se articulavam para furar os bloqueios e perdiam as eleições seguintes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Délia efetiva interina na Secretaria de Assistência Social
SEGURANÇA PÚBLICA
Governo implanta alta tecnologia em presídios para tornar inspeção mais eficaz
ECONOMIA
Dólar sobe nesta sexta e termina a semana em alta
CAMPO GRANDE
Homem atira contra mulher, pula de cachoeira e morre
DOURADOS
Consumidores reclamam dos valores nas contas e prometem protesto contra a Energisa
DOURADOS
Investigado por corrupção, Idenor Machado volta a ser preso
ABIGEATO
Grupo que furtava gado é flagrado e cinco são presos
BRASIL
Seguro-desemprego é reajustado em 3,43%
BALANÇO
MS abriu 6.360 empresas em 2018, melhor desempenho dos últimos 4 anos
BRASIL
Fux decide que não há urgência em ação contra posse de armas

Mais Lidas

VINGANÇA
Após execução, fronteira entra em alerta para “guerra sangrenta” por domínio do tráfico
FRONTEIRA
Ex-candidato a prefeito, tio de narcotraficante é executado em Ponta Porã
DOURADOS
Homem danifica carro por vingança em estacionamento de hipermercado e acaba preso
POLÍCIA
Rapaz é preso acusado de realizar ‘disk-droga’ em Dourados