Menu
Busca terça, 13 de novembro de 2018
(67) 9860-3221

10 anos de graças

04 maio 2011 - 15h51

Quando comecei a pensar no significado dos meus dez anos de serviço à Igreja como bispo de Dourados (2001/2011), a palavra de Deus que brotou espontânea do meu coração foi a mesma que inflamava o profeta Isaías: «O ouvido jamais ouviu e o olho jamais viu que um Deus, além de ti, tenha feito tanto por aqueles que nele confiam!» (Is 64,3).

Mas, o que me leva a agradecer não são somente os eventos e as obras com que Deus enriqueceu a Igreja diocesana nesse período: a criação de onze paróquias; a chegada de 15 congregações religiosas e comunidades de vida; a implantação das Rádios “Coração”, “Imaculada Conceição” e “Boa Nova” (em Itaporã, Dourados e Iguatemi); as Santas Missões Populares; o Jubileu de Ouro da Diocese; a ordenação de sete padres religiosos, 16 padres diocesanos e 13 diáconos permanentes; a Expo-Católica; o jornal diocesano “Elo”; as pequenas comunidades; e, por fim, os 230.000 quilômetros percorridos para celebrar 35.000 crismas e visitar as 49 paróquias da Diocese.

Para Deus e para a Igreja, os eventos e as obras só produzem frutos se é o amor que os motiva e sustenta. Caso contrário, vale inclusive para os bispos, a advertência de São Paulo: «Se não tenho amor, sou como um bronze que soa ou como um sino que bate» (1Cor 13,1). Foi o que me ensinaram inúmeras pessoas, que descobriram na caridade a alavanca capaz de erguer o mundo. Uma delas, doente de câncer, unia sua dor à de Jesus na cruz, e exclamava: «É o Reino de Deus que avança!»

No dia 25 de março de 2001, no final da ordenação episcopal, eu me dirigi ao público presente com estas palavras: «Sinto-me na obrigação de agradecer. Em primeiro lugar, a Deus, que vocês me ajudaram a perceber presente nesta belíssima celebração; a Deus, que sempre me demonstrou um amor todo particular, tanto que, muitas vezes, me senti – como diz o Evangelho falando de João – o “discípulo que Jesus amava”; a Deus, que me escolheu e continua me envolvendo com um amor preferencial e gratuito, atraído pelo que é fraco e pequeno, para preenchê-lo com seu poder e sua riqueza. Como diz o salmo: “Um abismo atrai outro abismo”: o abismo do amor infinito de Deus é atraído pelo abismo de nossa fraqueza e de nossa pequenez. Vejo-me retratado nos dois filhos de que fala o Evangelho de hoje: quando me sinto esmagado por minhas infidelidades, Deus me acolhe, me abraça e me perdoa; e quando me encontro chateado, distante de Deus e dos irmãos, percebo que Deus me dirige as mesmas palavras que o Pai misericordioso dirigiu ao filho mais velho: “Tu estás sempre comigo. Tudo o que é meu, é teu”».

Não posso negar: no momento, eu não passava de um neófito ingênuo, que teimava em não acreditar nas palavras do Núncio Apostólico de então, Dom Alfio Rapisarda. Dois meses e meio antes, no dia 16 de dezembro de 2000, ele me chamara ao telefone para me dizer que o Papa João Paulo II me escolhera para bispo de Dourados. Ante a minha resposta positiva, ele não cansava de me agradecer. Eu não compreendia o porquê...

“Quando a promessa é muita, o santo desconfia!” Comecei a entender os agradecimentos do Núncio alguns anos mais tarde, quando passei por tais dificuldades que, por duas ou três vezes, fui tentado a renunciar ao cargo...

Apesar de tudo, as graças de Deus e a amizade de uma multidão de irmãos e irmãs foram infinitamente superiores às dificuldades. É por isso que considero o serviço episcopal na Diocese de Dourados como a maior realização de minha vida.

Já que o artigo é uma “memória” dos dez anos de ordenação episcopal, finalizo com mais uma citação da homilia que proferi naquela ocasião: «A última palavra quero reservá-la ao lema que via nortear o meu novo serviço pastoral. As palavras que inseri em meu brasão episcopal se referem a Nossa Senhora: “Unânimes com Maria”. O meu mais ardente desejo é reviver a comunhão que se respirava na Igreja primitiva, quando, atraído pela oração e pela concórdia dos fieis reunidos em torno de Maria, o fogo do Espírito desceu e começou a ser alastrar pelo mundo inteiro, graças a pessoas dispostas a “morrer para congregar na unidade os filhos de Deus dispersos”».



Dom Redovino Rizzardo, cs

Deixe seu Comentário

Leia Também

CASA PRÓPRIA
Caixa suspende Minha Casa Minha Vida para faixa intermediária
INDUBRASIL
Polícia caça suspeito de matar diarista investigada por latrocínio
JUSTIÇA ELEITORAL
TSE dá 3 dias para Bolsonaro esclarecer 'inconsistências' em contas
UFGD
Abertas inscrições para doutorado em Biotecnologia e Biodiversidade
BRASILÂNDIA
Estudantes de escola de MS criam dicionário de línguas indígenas
JUSTIÇA
Calúnia e difamação em rede social geram dano moral a usuário
ECONOMIA
Dólar fecha em alta de quase 2% e ultrapassa R$ 3,80
BRASIL
Agricultura deverá assumir pesca, pequenos produtores e Incra
FUTEBOL MS
Às vésperas do Arbitral, apenas em estádio está apto para o Estadual Série A
CLIMA
Dourados tem novo dia quente com sensação térmica próxima dos 40ºC

Mais Lidas

ÑU VERA
Homem morre em Dourados após bebedeira
ANGÉLICA
Jovem morre atropelado durante o trabalho em pátio de usina
PEDRO JUAN
Advogada de narcotraficantes brasileiros morre após atentado na fronteira
PARAGUAI
Polícia paraguaia acredita que pistoleiros brasileiros mataram advogada